Gostou do artigo? Compartilhe!

Dermatoses na gravidez

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são dermatoses na gravidez1?

Dermatoses da gravidez1 são manifestações cutâneas2 fisiológicas3 ou patológicas específicas do período de gravidez1 ou alteradas por ele. De um modo geral, elas podem ser classificadas em três grupos principais:

  1. Dermatoses fisiológicas3 da gravidez1
  2. Dermatoses alteradas pela gravidez1
  3. Dermatoses específicas da gravidez1

Quais são as causas determinantes das características assumidas pelas dermatoses durante a gravidez1?

As características assumidas pelas dermatoses na gravidez1 se dão em razão das alterações imunológicas, metabólicas, hormonais e vasculares4 do período gestacional. Elas acontecem devido às grandes elevações de estrogênio, progesterona, beta-HCG, prolactina5 e uma variedade de hormônios e mediadores que alteram completamente as funções do organismo.

Leia sobre "Fumo e gravidez1", "Ganho de peso na gestação", "Diabetes gestacional6" e "Depressão pós-parto".

Quais são as características clínicas das dermatoses na gravidez1?

Algumas das alterações cutâneas2 que ocorrem durante a gravidez1 são tão comuns e transitórias que sequer chegam a ter alguma importância clínica, mas há outras que indicam ou expressam problemas de maior significação. O fato de que algumas alterações dermatológicas sejam descritas como fisiológicas3 não minimiza o desconforto sentido pelas grávidas. A ocorrência delas pode ser esteticamente significativa e comprometer a dimensão biológica, emocional e social da gestante.

1. Dermatoses fisiológicas3 da gravidez1

  • As alterações de pigmentação incluem a hiperpigmentação e o melasma7. A maioria das grávidas experimenta um aumento da pigmentação nas áreas já pigmentadas, como mamilos8, aréolas, genitália9 externa, face10 interna das coxas11, axilas e linha alba12 (linha média do abdome13). Pode ocorrer também hiperpigmentação de sardas, nevos14 e cicatrizes15 preexistentes. Frequentemente, essa hiperpigmentação melhora após o parto. O melasma7 ou “máscara gravídica”, por sua vez, caracteriza-se por mancha escurecida irregular e simétrica, localizada na face10. Quase sempre, o melasma7 desaparece após o parto, mas os raios ultravioleta não só o agravam como também podem favorecer a manutenção da lesão16 no pós-parto.
  • O hirsutismo17 (aparecimento ou aumento de pelos) leve a moderado, principalmente na face10, é frequentemente observado na gravidez1 e é resultado das alterações endócrinas no período, regredindo nos primeiros 6 meses pós-parto.
  • Nas unhas18 pode ocorrer um rápido crescimento, o que comumente resulta em perda do brilho, onicólise19 distal20 (destruição das unhas18) e hiperqueratose subungueal.
  • Quanto às alterações glandulares, ocorre um aumento da atividade das glândulas écrinas21, que liberam sua secreção sem que haja perda do citoplasma22 da célula23 secretora, resultando em aumento da incidência24 da miliária, da hiperidrose25 e do eczema26 disidrótico. As glândulas sebáceas27 tendem a aumentar sua função, principalmente no 3º trimestre da gravidez1, pelo aumento dos estrógenos circulantes. O surgimento e o curso da acne28 são imprevisíveis, mas em muitas gestantes surge pela primeira vez na gravidez1. A melhora de doenças preexistentes, como a hidradenite, por exemplo, sugere diminuição da atividade das glândulas apócrinas29 na gestação.
  • No que se refere ao tecido conectivo30, há a formação de estrias durante o 6º e 7º meses de gestação em 90% das mulheres. Os principais fatores relacionados a elas parecem ser uma combinação da influência genética com a distensão mecânica dos tecidos e com o aumento dos níveis séricos de cortisol e de estrógeno31.
  • As alterações vasculares4 são comuns e são causadas principalmente pela manutenção dos elevados níveis de estrógenos. O aumento da vascularização da vagina32, aranhas vasculares4 e eritema33 palmar34 são comuns e costumam desaparecer no pós-parto. Varicosidades e hemorroidas35 são frequentes na gravidez1, embora a trombose venosa profunda36 seja rara.
  • Hiperemia37, edema38 gengival e gengivite39 são extremamente frequentes nas grávidas, principalmente no 3º trimestre da gravidez1, tendendo a melhorar no pós-parto.

2. Dermatoses alteradas pela gravidez1

Entre as dermatoses e/ou tumores preexistentes que são alterados pela gravidez1 na sua apresentação ou no seu curso (pioram durante a gestação), contam-se:

  • As infecções40 podem ocorrer com maior frequência devido à diminuição da imunidade41 celular. A candidíase42 e a tricomoníase são frequentes na gravidez1. O condiloma43 acuminado pode crescer rapidamente e obstruir o canal de parto. A infecção44 pelo herpes simples não é modificada pela gravidez1, mas é relacionada à morbidade45 e à mortalidade46 fetal. No caso da varicela47, as complicações podem ser maternas e/ou fetais, como: pneumonia48 materna, morte materna, parto prematuro e varicela47 congênita49. Na gravidez1, pode ocorrer exacerbação da hanseníase, maior frequência dos estados reacionais e aumento da resistência à quimioterapia50.
  • Quanto às doenças autoimunes51, o lúpus52 cutâneo53 crônico54 não é afetado e a gravidez1 é, em geral, bem tolerada. Se a concepção55 ocorre durante atividade lúpica ou se o lúpus52 surge na gestação, a incidência24 de complicações aumenta e o lúpus52 sistêmico56 materno pode afetar a criança (lúpus52 neonatal). A esclerodermia e a dermatomiosite geralmente não são alteradas pela gestação, mas em alguns casos podem ocorrer complicações graves.
  • Quanto ao tecido conectivo30, as pacientes têm risco aumentado de sangramentos no pós-parto, ruptura de grandes vasos, lacerações uterinas e prolapso57 uterino. As pacientes podem ter também risco aumentado de sangramento do trato gastrointestinal, epistaxe58 e insuficiência cardíaca59 com arritmias60 ventriculares.
  • Alguns tumores podem sofrer mudanças na cor e aumentar de tamanho ou número durante a gravidez1. Os acrocórdons são tumores benignos e pedunculados que surgem frequentemente nos últimos meses da gestação. Os nevos14 podem aumentar em número, tamanho ou tornar-se mais pigmentados na gravidez1 sem que isso represente sinal61 de malignidade. Parece não haver aumento da incidência24 nem alteração no prognóstico62 do melanoma63.
  • Algumas observações indicam que a dermatite64 atópica melhora com a gravidez1; a amamentação65 pode levar ao eczema26 dos mamilos8; o puerpério66 aumenta a incidência24 de dermatite64 de contato e há exacerbação do eritema multiforme67, do eritema nodoso68 e da acantose nigricans69; parece ocorrer uma piora da porfiria70 cutânea71 tardia, sem prejuízo ao feto72.

3. Dermatoses específicas da gravidez1

As dermatoses específicas da gravidez1, por seu turno, constituem um grupo de dermatoses inflamatórias raras, pruriginosas73, que só ocorrem no ciclo gravídico e puerperal. Embora raras, elas podem ter um elevado risco de efeitos adversos no feto72. Entre elas se encontram:

  • A colestase74 intra-hepática75 da gravidez1, que ocorre principalmente no 3º trimestre em aproximadamente 1 a 2% das gestações. Ela é caracterizada pelo prurido76 localizado no abdome13, nas palmas das mãos77, nas plantas dos pés ou até de forma generalizada. O prurido76 remite após o parto, mas pode persistir por algumas semanas no puerpério66. Existem relatos de aumento do risco de prematuridade, mecônio78 no líquido amniótico79 e morte fetal.
  • O herpes gestacional, chamado também penfigoide gestacional, que é uma doença rara que acomete aproximadamente uma em cada 50.000 gestações. Alterações imunológicas e predisposição genética parecem ser os principais fatores causais. Ocorre no 2º ou no 3º trimestre. Caracteriza-se pelo súbito aparecimento de lesões80 eritêmato edematosas, urticariformes, extremamente pruriginosas73, que progridem rapidamente para uma erupção81 bolhosa generalizada poupando face10, mucosas82, palmas das mãos77 e plantas dos pés. Não há risco materno, mas existem referências de tendência a recém-nascidos pequenos para a idade gestacional e prematuridade.
  • O surgimento de pápulas83 e placas84 urticariformes e pruriginosas73 na gravidez1, às vezes referido como erupção81 polimorfa da gravidez1, que é a mais comum das dermatoses específicas, ocorrendo em aproximadamente uma em cada 130 a 300 gestações. A causa permanece obscura, mas condições relacionadas são: ganho de peso materno ou fetal excessivo, gestações múltiplas, primíparas e distensão abdominal gerada pela gravidez1.
  • O prurigo gestacional, que é caracterizado pelo aparecimento de nódulos na pele85 que coçam bastante e que podem deixar manchas e cicatrizes15. É a dermatose86 específica de início mais precoce, entre a 25ª e 30ª semana gestacional. Ocorre em uma a cada 300 gestações e a sua causa é desconhecida. Caracteriza-se por múltiplas pápulas83 escoriadas no abdome13 e nas faces extensoras dos membros. A mãe e o feto72 não são gravemente afetados; exceto pelo incômodo do prurido76 que a mãe sofre. A doença permanece por toda gestação com melhora após o parto, podendo permanecer por poucos dias do puerpério66. A doença pode recorrer nas futuras gestações. Os exames laboratoriais são normais e o histopatológico é inespecífico. O tratamento é sintomático87 e geralmente insatisfatório.
Veja também sobre "Dez razões para fazer exercícios durante a gestação", "Fatores de restrição ao crescimento intrauterino", "Cuidados necessários com os prematuros" e "Agentes teratogênicos88".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Biblioteca Virtual em Saúde, do National Institutes of Health e da American Association of Family Physicians.

ABCMED, 2021. Dermatoses na gravidez. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/1406975/dermatoses+na+gravidez.htm>. Acesso em: 26 jan. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
3 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
4 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
5 Prolactina: Hormônio secretado pela adeno-hipófise. Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias. O aumento de produção da prolactina provoca a hiperprolactinemia, podendo causar alteração menstrual e infertilidade nas mulheres. No homem, gera impotência sexual (por prejudicar a produção de testosterona) e ginecomastia (aumento das mamas).
6 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
7 Melasma: Manchas escuras na face. O seu surgimento está relacionado à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais hormonais (pílula) e tem como fator desencadeante a exposição da pele ao sol. Quando estas manchas ocorrem durante a gravidez, recebem a denominação de cloasma gravídico. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o surgimento do melasma.
8 Mamilos: Órgãos cônicos os quais usualmente fornecem passagem ao leite proveniente das glândulas mamárias.
9 Genitália: Órgãos externos e internos relacionados com a reprodução. Sinônimos: Órgãos Sexuais Acessórios; Órgãos Genitais; Órgãos Acessórios Sexuais
10 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
11 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
12 Linha alba: Linha vertical mediana do abdomen.
13 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
14 Nevos: Popularmente conhecidos como “pintas“ ou sinais de nascença“. São manchas na pele que podem ser uma lesão plana ou elevada, pigmentada (de cor marrom, cinza, azul ou preto) ou não e podem apresentar potencial de malignização dependendo do tipo.
15 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
16 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
17 Hirsutismo: Presença de pêlos terminais (mais grossos e escuros) na mulher, em áreas anatômicas características de distribuição masculina, como acima dos lábios, no mento, em torno dos mamilos e ao longo da linha alba no abdome inferior. Pode manifestar-se como queixa isolada ou como parte de um quadro clínico mais amplo, acompanhado de outros sinais de hiperandrogenismo (acne, seborréia, alopécia), virilização (hipertrofia do clitóris, aumento da massa muscular, modificação do tom de voz), distúrbios menstruais e/ou infertilidade.
18 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
19 Onicólise: Destruição da unha devido a infecções micóticas, bacterianas ou por processos tóxicos.
20 Distal: 1. Que se localiza longe do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Espacialmente distante; remoto. 3. Em anatomia geral, é o mais afastado do tronco (diz-se de membro) ou do ponto de origem (diz-se de vasos ou nervos). Ou também o que é voltado para a direção oposta à cabeça. 4. Em odontologia, é o mais distante do ponto médio do arco dental.
21 Glândulas Écrinas: Glândulas sudoríparas simples que secretam suor diretamente na PELE.
22 Citoplasma: A parte da célula que contém o CITOSSOL e pequenas estruturas, excluindo o NÚCLEO CELULAR, MITOCÔNDRIA e os VACÚOLOS grandes. (Tradução livre do original
23 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
24 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
25 Hiperidrose: Excesso de suor, que costuma acometer axilas, palmas das mãos e plantas dos pés.
26 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
27 Glândulas Sebáceas: Órgãos formados por pequenas bolsas, localizados na DERME. Cada glândula apresenta um único ducto que emerge de um grupo de alvéolos ovais. Cada alvéolo é constituído por uma membrana basal transparente, encerrando células epiteliais. Os ductos da maior parte das glândulas sebáceas se abrem nos folículos pilosos, porém alguns se abrem na superfície da PELE. Glândulas sebáceas secretam SEBO.
28 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
29 Glândulas Apócrinas: Glândulas sudoríparas especializadas, grandes e ramificadas, que esvaziam seu conteúdo na porção superior do FOLÍCULO PILOSO (não diretamente na PELE).
30 Tecido conectivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
31 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
32 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
33 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
34 Palmar: Relacionado com a palma da mão
35 Hemorróidas: Dilatações anormais das veias superficiais que se encontram na última porção do intestino grosso, reto e região perianal. Pode produzir sangramento junto com a defecação e dor.
36 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
37 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
38 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
39 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
40 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
41 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
42 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
43 Condiloma: Formação em formato de verruga que ocupa a superfície das mucosas genitais ou retais. Pode estar associada à infecção por um vírus chamado HPV (papilomavírus humano). Também é encontrado na sífilis tardia.
44 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
45 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
46 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
47 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
48 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
49 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
50 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
51 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
52 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
53 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
54 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
55 Concepção: O início da gravidez.
56 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
57 Prolapso: Deslocamento de um órgão ou parte dele de sua localização ou aspecto normal. P.ex. prolapso da válvula mitral, prolapso uterino, etc.
58 Epistaxe: Hemorragia de origem nasal.
59 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
60 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
61 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
62 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
63 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
64 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
65 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
66 Puerpério: Período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação.
67 Eritema multiforme: Condição aguda, auto-limitada, caracterizada pelo início abrupto de pápulas vermelhas fixas simétricas, algumas evoluindo em lesões em forma de “alvo”. A lesão alvo são zonas concêntricas de alterações de coloração com a área central púrpura ou escura e a externa vermelha. Elas irão desenvolver vesícula ou crosta na zona central após vários dias. Vinte porcento de todos os casos ocorrem na infância.O eritema multiforme geralmente é precipitado pelo vírus do herpes simples, Mycoplasma pneumoniae ou histoplasmose.
68 Eritema nodoso: Erupção eritematosa comumente associada a reações a medicamentos ou infecções e caracterizada por nódulos inflamatórios que são geralmente dolorosos, múltiplos e bilaterais. Esses nódulos são localizados predominantemente nas pernas, podendo também estar nas coxas e antebraços. Eles sofrem alterações de coloração características terminando em áreas tipo equimose temporárias. Regride em 3 a 6 semanas, em média, sem cicatriz ou atrofia.
69 Acantose nigricans: Alteração na coloração da pele que fica escurecida em regiões de dobras. Comum em pessoas obesas e naquelas que apresentam resistência insulínica. É vista em pacientes com diabetes tipo 2 e naqueles com pré-diabetes.
70 Porfiria: Constituem um grupo de pelo menos oito doenças genéticas distintas, além de formas adquiridas, decorrentes de deficiências enzimáticas específicas na via de biossíntese do heme, que levam à superprodução e acumulação de precursores metabólicos, para cada qual correspondendo um tipo particular de porfiria. Fatores ambientais, tais como: medicamentos, álcool, hormônios, dieta, estresse, exposição solar e outros desempenham um papel importante no desencadeamento e curso destas doenças.
71 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
72 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
73 Pruriginosas: Relativas a ou próprias de prurido, que coçam, que causam coceira ou comichão. Em medicina, é o que produz prurido; prurientes, prurígenas.
74 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
75 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
76 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
77 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
78 Mecônio: Material mucilaginoso (espesso, de cor variando entre verde e preto) encontrado nos intestinos de fetos à termo. Constituído por secreções de glândulas intestinais, PIGMENTOS BILIARES, ÁCIDOS GRAXOS, LÍQUIDO AMNIÓTICO e fragmentos intra-uterinos. O mecônio constitui as primeiras evacuações feitas pelo recém-nascido.
79 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
80 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
81 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
82 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
83 Pápulas: Lesões firmes e elevadas, com bordas nítidas e diâmetro que varia de 1 a 5 milímetros (até 1 centímetro, segundo alguns autores).
84 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
85 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
86 Dermatose: Qualquer moléstia da pele e de seus anexos, especialmente quando caracterizada pela ausência de inflamação.
87 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
88 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.