Atalho: 5YLE6EB
Gostou do artigo? Compartilhe!

Trombose venosa profunda. O que é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é trombose venosa profunda1 ou TVP?

A trombose2 venosa representa uma patologia3 potencialmente grave, com formação de um coágulo4 (trombo5) dentro de uma veia profunda. Este trombo5 dificulta ou impede o fluxo normal de sangue6 no interior daquele vaso, criando um problema ao sistema circulatório7.

O termo trombose venosa profunda1 (TVP) diz que a formação deste coágulo4 ocorreu no sistema venoso8 profundo, ou seja, nas veias9 profundas (internas) das pernas.

O que sente uma pessoa com trombose2?

  • Dor
  • Edema10 (inchaço11)
  • Calor na perna
  • Rubor (vermelhidão) na perna
  • Rigidez da musculatura da perna na região em que se formou o trombo5.

Quais são os fatores de risco?

Cerca de 2/3 dos pacientes com TVP têm história de internação nas últimas semanas que antecedem o evento.  Durante a internação e no período imediatamente após a mesma, a pessoa perde sua mobilidade e isto predispõe à trombose2. Ou seja, a imobilidade é a principal causa de trombose2 venosa.

Mas existem também outros fatores de risco genéticos e adquiridos.

Entre os genéticos estão a síndrome12 de May-Thurner e as trombofilias.

Entre os fatores de risco adquiridos estão:

  • Idade: maior risco após os 40 anos de idade
  • Obesidade13: quanto maior o grau de obesidade13, maior o risco de trombose2
  • Sedentarismo14
  • Dificuldade de deambulação15
  • Insuficiência cardíaca16 e/ou respiratória
  • Uso de anticoncepcionais: principalmente se associado a algum fator genético ou ao cigarro
  • Reposição hormonal (devido à estrogenioterapia)
  • Varizes17
  • Tabagismo
  • Reumatismos
  • Doenças inflamatórias do intestino (Doença de Crohn18 e Retocolite Ulcerativa)
  • Doenças renais
  • Infecção19
  • Câncer20: os adenocarcinomas são o tipo de tumor21 mais associado ao risco de trombose2
  • História prévia de trombose2 venosa ou embolia22 pulmonar
  • Cirurgias, principalmente as cirurgias ortopédicas como as de colocação de prótese23 de quadril, de colocação de prótese23 de joelho (artroplastias de joelho) e das fraturas de quadril.
  • Traumatismos
  • Viagens aéreas ou terrestres prolongadas
  • Gravidez24 e pós-parto
  • Desidratação25

O que pode ser feito para evitar a trombose2?

  • Movimentar as pernas de tempos em tempos quando estiver sentado.
  • Tomar bastante líquido.
  • Manter um peso corporal saudável.
  • Não fumar.
  • Para uma pessoa com fatores de risco que precisa internar, pode ser feita uma profilaxia para a trombose2, tanto com o uso de medicamentos para evitar a trombose2 , quanto com o uso de métodos mecânicos como as meias elásticas e os dispositivos que massageiam as pernas ativando a circulação26.

O uso de anticoagulantes27 em doses profiláticas não aumenta o risco de sangramentos durante a cirurgia que será realizada.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Healthline, do National Health Service do Reino Unido e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2011. Trombose venosa profunda. O que é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/219440/trombose-venosa-profunda-o-que-e.htm>. Acesso em: 16 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
2 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
3 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
4 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
5 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Sistema circulatório: O sistema circulatório ou cardiovascular é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
8 Sistema venoso: O sistema venoso possui a propriedade de variação da sua complacência, para permitir o retorno de um variável volume sanguíneo ao coração e a manutenção de uma reserva deste volume.
9 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
10 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
11 Inchaço: Inchação, edema.
12 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
15 Deambulação: Ato ou efeito de deambular, passear ou marchar.
16 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
17 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
18 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
19 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
21 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
22 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
23 Prótese: Elemento artificial implantado para substituir a função de um órgão alterado. Existem próteses de quadril, de rótula, próteses dentárias, etc.
24 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
25 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
26 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
27 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Angiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.