Gostou do artigo? Compartilhe!

Axilas, pescoço ou virilha escurecidos? Pode ser acantose

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é acantose?

A acantose é uma doença dermatológica rara, caracterizada pelo aparecimento de manchas escuras na pele1, às vezes extensas, consequentes a uma hiperqueratose (excesso de queratina) e uma hiperpigmentação (aumento de pigmentação escura). É uma doença que resulta da proliferação de certas células2 da epiderme3, como os queratinócitos4, as células2 de Toker, as células2 de Merkel ou os melanócitos5 (células2 produtoras de melanina6), por exemplo. Quando esse processo ocorre em direção da camada córnea7 e provoca alongamento das papilas dérmicas, recebe o nome de papilomatose; quando penetra na derme8, essa proliferação é chamada de neoplasia9 invasiva.

Quais são as causas da acantose?

As lesões10 da acantose são igualmente frequentes em homens e mulheres, podendo afetar pessoas saudáveis ou então estarem associadas a outros problemas de saúde11, como diabetes12, obesidade13, hipo ou hipertireoidismo14, acromegalia15, doença do ovário16 policístico, síndrome metabólica17, síndrome de Cushing18, etc. Em alguns casos, a origem das lesões10 é genético e em outros a etiologia19 permanece desconhecida. O hormônio20 do crescimento e os contraceptivos orais também podem causar acantose.

Há quatro tipos conhecidos de acantose:

(1) A síndrome21 de Miescher, que é benigna e hereditária;
(2) A síndrome21 de Gougerot Carteaud, que também é benigna, possivelmente hereditária e própria de mulheres jovens;
(3) A pseudoacantose, que é uma forma juvenil benigna associada à obesidade13 e a outras alterações endócrinas;
(4) A acantose maligna, que geralmente ocorre no adulto e com frequência se associa a tumores do tubo digestivo e do fígado22.

Quais são os principais sinais23 e sintomas24 da acantose?

O sinal25 inicial costuma ser um leve escurecimento da pele1, que se tornará cada vez mais grossa e escura, formando uma extensa mancha. O progresso é lento e pode demorar anos até atingir o estágio definitivo. Além de tornar a pele1 escurecida e grossa, a acantose causa prurido26 no local das lesões10, embora isso não seja a regra. Além de escuros e grossos, os locais acometidos ficam aveludados e verrugosos. As dobras e as pregas do corpo são os locais mais lesados pela acantose, ocorrendo geralmente nas axilas, pescoço27 e virilha, podendo haver outras áreas afetadas, como pés, mãos28 e lábios.

Como o médico diagnostica a acantose?

O diagnóstico29 da acantose pode ser feito por meio do relato dos pacientes e por uma observação detida das lesões10, uma vez que os sinais23 da acantose são bastante evidentes e característicos. As alterações na pele1 são os únicos sinais23 que essa disfunção provoca e examinar suas aparências, localizações, contornos, coloração, dentre outras características, fornece importantes dados para o diagnóstico29.

Como o médico trata a acantose?

O tratamento deve começar imediatamente, tão logo feito o diagnóstico29, porque embora não haja um tratamento específico para a doença, alguns fármacos podem ser utilizados para prevenir ou minorar as alterações na pele1. A aplicação de laser e a termoabrasão podem amenizar os danos à pele1. O tratamento psicológico e os grupos de apoio também podem ser úteis para alguns pacientes, porque pode haver lesões10 tão extensas que podem levar à depressão e a outros problemas psicológicos. Algumas pomadas, bem como a vitamina30 A, podem ser usadas na tentativa de suavizar as lesões10. A acantose que pode surgir em pacientes obesos diminui com a perda de peso.

Como prevenir a acantose?

Não há como prevenir as formas herdadas de acantose. De qualquer maneira, o paciente deve manter hábitos de vida saudáveis, praticar esportes, controlar seu peso corporal e manter uma dieta equilibrada.

Como evolui a acantose?

A acantose costuma evoluir de maneira lenta e gradual, durante anos. Nos casos em que uma causa possa ser detectada e removida, a doença costuma involuir.

Recomendações:

Diante dos sinais23 e sintomas24 de acantose não deixe de consultar um médico, porque apesar da acantose em geral não ser uma doença grave, é preciso garantir não se tratar de sua forma maligna.

ABCMED, 2015. Axilas, pescoço ou virilha escurecidos? Pode ser acantose. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/794754/axilas-pescoco-ou-virilha-escurecidos-pode-ser-acantose.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
4 Queratinócitos: Queratinócitos ou ceratinócitos são células diferenciadas do tecido epitelial (pele) e invaginações da epiderme para a derme (como os cabelos e unhas) de animais terrestres responsáveis pela síntese da queratina.
5 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
6 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
7 Camada córnea: A camada córnea é uma das cinco camadas que compõem a epiderme. Ela é constituída por células mortas, sem núcleo, achatadas e em forma de lâminas. Estas lâminas se sobrepõem formando uma estrutura rígida e hidrófila, com função de proteção contra agentes físicos, químicos e biológicos, além de impedir a evaporação de água. Nesta camada, ocorre o desprendimento constante dos queratinócitos e com renovação constante da epiderme.
8 Derme: Camada interna das duas principais camadas da pele. A derme é formada por tecido conjuntivo, vasos sanguíneos, glândulas sebáceas e sudoríparas, nervos, folículos pilosos e outras estruturas. É constituída por uma fina camada superior que é a derme papilar e uma camada mais grossa, mais baixa, que é a derme reticular.
9 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
15 Acromegalia: Síndrome causada pelo aumento da secreção do hormônio de crescimento (GH e IGF-I) ,quando este aumento ocorre em idade adulta. Quando ocorre na adolescência chama-se gigantismo.
16 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
17 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
18 Síndrome de Cushing: A síndrome de Cushing, hipercortisolismo ou hiperadrenocortisolismo, é um conjunto de sinais e sintomas que indicam excesso de cortisona (hormônio) no sangue. Esse hormônio é liberado pela glândula adrenal (também conhecida como suprarrenal) em resposta à liberação de ACTH pela hipófise no cérebro. Níveis elevados de cortisol (ou cortisona) também podem ocorrer devido à administração de certos medicamentos, como hormônios glicocorticoides. A síndrome de Cushing e a doença de Cushing são muito parecidas, já que o que a causa de ambas é o elevado nível de cortisol no sangue. O que difere é a origem dessa elevação. A doença de Cushing diz respeito, exclusivamente, a um tumor na hipófise que passa a secretar grande quantidade de ACTH e, consequentemente, há um aumento na liberação de cortisol pelas adrenais. Já a síndrome de Cushing pode ocorrer, por exemplo, devido a um tumor presente nas glândulas suprarrenais ou pela administração excessiva de corticoides.
19 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
20 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
21 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
22 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
23 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
24 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
25 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
26 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
27 Pescoço:
28 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
29 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
30 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.