Atalho: 6OCU3MD
Gostou do artigo? Compartilhe!

Catapora (varicela): como é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é catapora1 (varicela2)?

A catapora1, também conhecida como varicela2, é uma doença infecciosa aguda, altamente transmissível, geralmente benigna, mas que tem a possibilidade de gerar complicações graves. A transmissão da catapora1 (varicela2) se faz por via aérea, por meio de gotículas expelidas pelo espirro ou pela tosse. Além disso, a transmissão pode se dar através do contato direto com as secreções das feridas cutâneas3, mesmo depois de formadas as crostas. Existe a possibilidade de transmissão de mãe para filho durante a gestação.

Quais são as causas da catapora1 (varicela2)?

A catapora1 (varicela2) é causada pelo vírus4 varicela2-zóster (Herpesvirus varicellae), que entra no corpo pela faringe5 ou pela conjuntiva6 do olho7 e se multiplica e se dissemina pelo sangue8, indo até a pele9, onde produz lesões10 típicas, dentro de cerca de 12 a 15 dias. Uma vez adquirido, o vírus4 gera uma imunidade11 definitiva à doença, podendo permanecer quiescente12 no organismo e ser reativado futuramente como herpes zóster, em ocasiões em que o sistema de defesa do organismo esteja mais debilitado, como na velhice, por exemplo. Enquanto a catapora1 (varicela2) é quase exclusivamente uma doença de crianças, o herpes zóster é uma doença de adultos ou de pessoas idosas. Adultos ou idosos com zóster podem transmitir o vírus4 para crianças, que então desenvolvem a catapora1 (varicela2).

Quais são os sinais13 e sintomas14 da catapora1 (varicela2)?

Os sintomas14 iniciais da catapora1 (varicela2) são febre15, mal estar, inapetência16, cefaleia17, cansaço e erupções maculopapulares na pele9 (exantemas18), que surgem dentro de 24 a 48 horas após aqueles primeiros sintomas14 e continuam surgindo durante cerca de 4 a 5 dias. As pústulas19, cheias de líquido, apresentam-se com base avermelhada e cúpula transparente, com cerca de três milímetros de diâmetro, sobre as quais, posteriormente, se formarão crostas muito pruriginosas20. Os exantemas18 podem aparecer em todo o corpo, mas são mais frequentes na região torácica. Em geral, a catapora1 (varicela2) é uma doença inofensiva, exceto em doentes com imunodeficiência21 ou em neonatos22, em que pode causar infecções23 potencialmente mortais, no cérebro24 ou no pulmão25. Nos adultos, geralmente os sintomas14 da doença são mais sérios que em crianças e a doença é mais perigosa.

Como o médico diagnostica a catapora1 (varicela2)?

De início, o diagnóstico26 pode ser incerto porque os sintomas14 que precedem as lesões10 cutâneas3 são um tanto inespecíficos. O diagnóstico26 de suspeita pode ser feito por meio de uma minuciosa história clínica e, depois do surgimento das lesões10, por uma detalhada inspeção27 física em que devem ser consideradas as características e localizações das lesões10 cutâneas3. O diagnóstico26 de certeza é feito pela detecção do DNA viral ou detecção dos antígenos28 virais ou dos anticorpos29 específicos por imunofluorescência.

Como o médico trata a catapora1 (varicela2)?

A catapora1 (varicela2) não tem uma cura medicamentosa (é autoresolutiva), mas há antivirais que são indicados a pacientes com deficiências imunológicas, a fim de evitar a neuralgia30 pós-herpética ou aliviar os sintomas14 mais graves. Banhos com permanganato de potássio ou soluções iodadas ajudam a aliviar o prurido31 e a cicatrizar mais rapidamente as feridas. Normalmente, os antibióticos não são necessários, mas se houver infecção32 das lesões10 de pele9 eles podem ser receitados. A doença passa a merecer atenção especial quando afeta gestantes, recém-nascidos ou indivíduos com defesas baixas.

Como prevenir que a catapora1 (varicela2) se dissemine?

  • A vacina33 contra a catapora1 (varicela2) tanto impede a infecção32 primária como a sua reativação na forma de zóster. A vacina33 deve ser aplicada a partir dos 12 meses de vida e reforçada entre os 4 e 6 anos de idade. A vacina33 também pode ser aplicada às pessoas que não tenham sido vacinadas, mas que sejam obrigadas a ter contato com o doente ou àquelas que inadvertidamente tiveram esse contato, mas para isso elas devem receber a vacina33 no máximo até o quarto dia após o contato. Há contraindicações à vacina33 que necessitam de orientação médica.
  • Evitar o contato com pessoas infectadas.
  • Manter a criança infectada longe de outras crianças.
  • Evitar coçar-se. Cortar sempre as unhas34 e deixá-las livres de qualquer contaminação.
  • Evitar o contato com pessoas com baixa capacidade de defesa.
  • Usar roupas leves, para evitar calor e aliviar as coceiras.
  • Usar luvas na hora de dormir, para não contaminar as mãos35 ao coçar as lesões10.

Como evolui a catapora1 (varicela2)?

Em geral, a enfermidade é autoresolutiva, mas pode levar a complicações graves, como infecções23 no cérebro24 ou no pulmão25.

Depois de curadas, essas lesões10 costumam deixar marcas permanentes, sobretudo quando foram coçadas ou infectadas.

ABCMED, 2012. Catapora (varicela): como é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/322810/catapora+varicela+como+e.htm>. Acesso em: 13 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Catapora: Doença infecciosa aguda, comum na infância, também chamada de varicela. Ela é provocada por vírus e caracterizada por febre e erupção maculopapular rápida, seguida de erupção de vesículas eritematosas muito pruriginosas.
2 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
3 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
4 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
5 Faringe: Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório. Comunica-se com a boca e com as fossas nasais. É dividida em três partes: faringe superior (nasofaringe ou rinofaringe), faringe bucal (orofaringe) e faringe inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana), sendo um órgão indispensável para a circulação do ar e dos alimentos.
6 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
7 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
12 Quiescente: Que está sossegado, em paz; quieto, tranquilo.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
16 Inapetência: Ausência de apetite, de vontade de comer; anorexia. Por extensão de sentido, é a falta de desejo ou de vontade.
17 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
18 Exantemas: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
19 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
20 Pruriginosas: Relativas a ou próprias de prurido, que coçam, que causam coceira ou comichão. Em medicina, é o que produz prurido; prurientes, prurígenas.
21 Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
22 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
23 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
24 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
25 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
28 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
29 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
30 Neuralgia: Dor aguda produzida pela irritação de um nervo. Caracteriza-se por ser muito intensa, em queimação, pulsátil ou semelhante a uma descarga elétrica. Suas causas mais freqüentes são infecção, lesão metabólica ou tóxica do nervo comprometido.
31 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
32 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
33 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
34 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
35 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

12/11/2012 - Comentário feito por carla
Re: Catapora (varicela): como é?
muito bom o assunto

18/10/2012 - Comentário feito por nicodemos
Re: Catapora (varicela): como é?
Conteúdo didático, terminologia e fluência da linguagem bastante acessível, até mesmo para mim que não sou médico, biólogo, bio-químico, enfermeiro, enfim não tenho nenhuma formação na área da saúde. Exposição e dosagem pedagógica. Pelo conteúdo, forma e utilidade das informações, o texto só pode merecer avaliação máxima.

  • Entrar
  • Assinar