Atalho: 68OB3YP
Gostou do artigo? Compartilhe!

Insuficiência cardíaca congestiva. O que é isso?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a insuficiência cardíaca congestiva1?

A Insuficiência Cardíaca Congestiva1 não é uma doença por si só. É a situação em que a bomba cardíaca (o coração2) se torna incapaz de manter a circulação3 necessária ao organismo ou só pode fazê-lo mediante uma pressão mais elevada que a normal, em vista de que o fluxo sanguíneo encontra algum impedimento para seguir o seu curso.

Isso pode acontecer em razão de diferentes doenças, tanto de causas cardíacas, como de outras causas. Em geral, mas nem sempre, a Insuficiência Cardíaca Congestiva1 desenvolve-se aos poucos, às vezes durante anos, permitindo a adaptação gradual do coração2 e uma vida prolongada aos seus portadores, embora com alguma limitação. A Insuficiência Cardíaca4 pode também instalar-se de forma abrupta (Insuficiência Cardíaca4 Aguda), provocada, por exemplo, por alguma condição aguda que afete o coração2 como o infarto do miocárdio5, as arritmias6 cardíacas, as hemorragias7 severas, os choques elétricos, etc. e representa então um estado grave que se constitui numa emergência8 médica.

Quais as causas da insuficiência cardíaca congestiva1?

  • Causas que alteram e enfraquecem a contratilidade dos músculos9 cardíacos como a aterosclerose10 das artérias11 cardíacas, a doença de Chagas12, etc.
  • Causas que exigem do coração2 um esforço de bombeamento maior que o normal como, por exemplo, a hipertensão arterial13, a estenose14 aórtica, o enfisema15 pulmonar, etc.
  • Causas que fazem fluir ou refluir ao coração2 uma quantidade anormal de sangue16 como o hipertireoidismo17, as anemias severas, as insuficiências valvulares, etc.

Quais os sinais18 e sintomas19 da insuficiência cardíaca congestiva1?

As manifestações clínicas da Insuficiência Cardíaca Congestiva1 dependem da condição à qual o coração2 esteja submetido e de qual dos ventrículos esteja mais envolvido, se o direito ou o esquerdo. O ventrículo esquerdo costuma falhar antes do direito, mas pode acontecer que os dois estejam insuficientes ao mesmo tempo.

Quando o ventrículo esquerdo entra em insuficiência20, congestiona o território pulmonar e provoca uma falta de ar progressiva que pode chegar a se manifestar mesmo em repouso (chama-se ortopneia a condição em que a pessoa sente falta de ar mesmo quando deitada, o que a obriga a acordar durante a noite para assentar-se - dispnéia21 paroxística noturna). Essa insuficiência20 esquerda pode evoluir para um quadro ainda mais grave, denominado de edema22 agudo23 de pulmão24, o qual pode terminar em morte, se não tratado de urgência25. Outros sintomas19, menos graves, mas muito comuns são: falta de ar, taquicardia26, dispneia21, tosse noturna, etc.

Na insuficiência20 ventricular direita o ventrículo direito não consegue bombear sangue16 suficiente para o pulmão24. Sendo assim, os líquidos recuam para as veias27 e capilares28 e se acumulam nos tecidos causando edema22 (inchaço29), percebido principalmente nas pernas, por causa da força da gravidade.

Como o médico faz o diagnóstico30?

Em um primeiro momento o diagnóstico30 de suspeita é feito pelos sinais18 e sintomas19. Posteriormente, uma radiografia de tórax31 pode mostrar o tamanho aumentado do coração2 e uma ecocardiografia avalia o funcionamento cardíaco, ajudando a obter maiores detalhes sobre a Insuficiência Cardíaca Congestiva1.

Qual o tratamento da insuficiência cardíaca congestiva1?

Deve-se tratar com presteza a enfermidade subjacente que tenha desencadeado ou esteja mantendo a Insuficiência Cardíaca Congestiva1, se for o caso. Deve-se também tratar o coração2 insuficiente e aconselhar o paciente a emagrecer, em caso de necessidade.

São usados medicamentos para fortalecer a força de contratilidade dos músculos9 cardíacos, para facilitar a eliminação de líquidos (diuréticos32) e para corrigir as arritmias6 existentes. Em casos muito específicos e extremos pode ser aconselhável o transplante cardíaco.

Toda pessoa que sinta falta de ar deve ser avaliada por um médico (clínico geral, cardiologista33, pneumologista, etc.)

ABCMED, 2011. Insuficiência cardíaca congestiva. O que é isso?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/251830/insuficiencia-cardiaca-congestiva-o-que-e-isso.htm>. Acesso em: 10 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
4 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
7 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
8 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
9 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
10 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
11 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
12 Doença de Chagas: Doença parasitária transmitida ao homem através da picada do Triatoma infestans (barbeiro). É endêmica em alguns países da América do Sul e associa-se a condições precárias de habitação. Produz em sua forma crônica um distúrbio cardíaco que termina por causar insuficiência cardíaca e distúrbios do ritmo cardíaco.
13 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
14 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
15 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
18 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
21 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
22 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
23 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
24 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
25 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
26 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
27 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
28 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
29 Inchaço: Inchação, edema.
30 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
31 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
32 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
33 Cardiologista: Médico especializado em tratar pessoas com problemas cardíacos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

27/07/2014 - Comentário feito por jane
As 18 anos de idade tive que fazer uma cirugia ...
As 18 anos de idade tive que fazer uma cirugia cardíaca, troquei uma válvala do coração, depois de 5 anos de cirugia descobrir que estou com uma insuficiência cardíaca, tou pedindo a deus para que não precise fazer outra cirugia, mas tou com muito medo.....

01/05/2014 - Comentário feito por Moisés
Minha avó Maria de Lourdes descobriu pro...
Minha avó Maria de Lourdes descobriu problema cardíaco em 2001, tinha muitas veias com aterosclerose e teve de fazer revascularização com 3 safenas em 2003, em 2005 teve infarto, mas se recuperou em 1 semana e por ter diabetes e hipertensão, teve catarata que atrapalhou muito sua visão, mesmo com cirurgias, tendo problemas na retina depois, também teve problemas renais a partir de 2009, vindo a perder o funcionamento do rim direito em 2012, seu diabetes sempre muito descontrolado, mesmo com insulina e várias internações ao longo dos anos, algumas vezes pelo diabetes e outras pelo coração com batimentos instáveis. Ficava muito inchada e tinha falta de ar até sentada, então em 2013 internou 4 vezes, seu diabetes não diminuía nem com insulina durante 48 horas no hospital esteve acima de 500, aí conseguiram controlar e descobriram começo de pneumonia, mas logo recuperou e 1 semana depois em Julho voltou a ser internada, muito inchada e falta de ar intensa, com edema nos pulmões e o coração inchado, a ICC estava desestabilizada, mas em poucos dias voltou para casa e passado 1 mês bem, tendo consultado com pneumatologista, acabou voltando para o hospital com creatinina 2.8 e inchada com falta de ar, ela estava com a ICC desestabilizada de novo, então tomou dobutamina por mais de 25 dias, tendo melhoras e pioras, seu quadro era complexo, mas sempre consciente, apesar de estar cansada e somente deitada no hospital, até que em setembro de 2013 com 32 dias de internação teve uma parada cardíaca, sendo que no dia estava bem e se sentindo melhor, porém com essa parada, ela faleceu. Triste, mas conseguiu viver muitos anos com a doença que é terrível, ela tinha 65 anos e era sempre alegre, mesmo tão doente, sempre com fé.

08/12/2013 - Comentário feito por ELiani
Re: Insuficiência cardíaca congestiva. O que é isso?
Olá esse artigo sobre ICC me esclareceu bastante, muito obrigada!
Se possível gostaría de entrar em contato com a Maria que fez o primeiro comentário, pois minha mãe (71 anos) está hospitalizada com esse diagnóstico e tendo problemas(sangramentos), com o medicamento MAREVAN , droga anticoagulante...

Será que existe ALTERNATIVA para esse medicamento?!

12/07/2012 - Comentário feito por Maria
Re: Insuficiência cardíaca congestiva. O que é isso?
ICC: É uma situação bastante desconfortável e dolorosa, quando acompanhada de Derrame Pleural, Diabete Millitus, quadro de Hipertensão "gravíssimo". Como consequência do uso constante e em doses elevadas de diuréticos, mesmo com acompanhamento médico e internações sucessivas, houve a elevação do nível de Ácido Úrico, portanto o surgimento da GOTA. Foram muitos anos tentando controlar tudo isso e mais, manter em nível razoável a OBESIDADE. Apartir do ano de 2008, começei a ter problemas com a falta de ar, me foi prescrito o uso constante de OXIGÊNIO em casa. As coisas ficaram bastante complicadas, fui encaminhada para o transplante do coração, fui descartada pela junta médica por provável não sobrevivência ou futuro quadro vegetativo. Srs. Drs. da ABC.MED.BR, errei ao dar a nota, desculpem-me. Tenho muito mais a contar, mas... Em abril de 2012 foi decretado meu estado terminal" nada mais a fazer" meu cardiologista á pedido de meus filhos resolveu pesquisar, começamos por testar um novo medicamento. Ps. _Meu cardiologista é professor universitário em cardiologia e esta pasmo com o resultado. Há 3 meses não uso O2, glicemia normal, pressão Arterial dentro da normalidade, quanto ao tamanho do coração estou aguardando o resultado de um Ecocardiogramo e os demais exames para que seja feita uma comparação. Hoje portanto, ando normalmente sem andador ou cadeira de rodas, respiro normalmente, perdi 25kg. em 45 dias. Parece que nasci de novo. Tenho 55 anos e me aposentaram por invalidez aos 42 anos. Minha cidade é pequena e a notícia circulou. Médicos, enfermeiros, auxiliares e familiares estão pasmos" ESTOU VIVA E MUITO BEM GRAÇAS A "DEUS" E AO CARINHO DOS PROFISSIONAIS DE MEDICINA DA MINHA CIDADE" em especial e com carinho agradeço ao meu cardiologista por ter pesquisado a respeito do "ICC". Até mais...

22/12/2011 - Comentário feito por Fernanda
Re: Insuficiência cardíaca congestiva. O que é isso?
Adorei as irfomações recentemente meu marido
se sentiu mal falta de ar umador forte na cabeça ese ntiu os batimentos do coração mas rápidos e com isso ficou com muito medo pq se repetiu duas vezes no mesmo dia..quando procuramos um posto médico o atendimento foi q ele estava com a pressão alta 16/9.? ficamos preocupada

22/12/2011 - Comentário feito por lourdes
Re: Insuficiência cardíaca congestiva. O que é isso?
Gostei muito da explicação.Tive infarto agudo do miocárdio á 13 anos.A minha perna esquerda está sempre inchada logo cedo.As vezes eu fico inchada por inteiro,mas não é constante.Vou no médico a cada 3 ou4 meses,tomo meus remédios e vivo com muito medo quando começarem os problemas de insuficiencia.

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.