Gostou do artigo? Compartilhe!

Eritema nodoso - conheça as características e o que pode ser feito para aliviar

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é eritema nodoso1?

O eritema nodoso1, também conhecido como paniculite migratória subaguda2, é um tipo de inflamação3 da pele4, localizada em uma parte da camada gordurosa subcutânea5, que resulta em nódulos maciços, avermelhados, doloridos, que variam em tamanho de alguns centímetros, com uma média de 2,5 centímetros.

Quais são as causas do eritema nodoso1?

O eritema nodoso1 pode ocorrer com ou sem outra condição médica subjacente e em geral se resolve espontaneamente dentro de 30 dias. As condições e enfermidades subjacentes podem ser de várias naturezas, sendo que as mais frequentes incluem uso de medicamentos (sulfas, pílulas anticoncepcionais e estrogênios), faringite6 estreptocócica, doença da arranhadura do gato, doenças fúngicas7, mononucleose infecciosa8, sarcoidose9, doenças inflamatórias intestinais e gravidez10.

Saiba mais sobre "Paniculite", "Pílulas anticoncepcionais", "Garganta11 inflamada", "Fungos" e "Mononucleose infecciosa8".

Qual é o mecanismo fisiopatológico do eritema nodoso1?

O eritema nodoso1 provavelmente é uma reação de hipersensibilidade tardia a vários antígenos12, embora imunocomplexos13 circulantes não tenham sido encontrados em casos idiopáticos ou não complicados.

Quais são as principais características clínicas do eritema nodoso1?

O eritema nodoso1 é mais comum em jovens entre 12 e 20 anos de idade. As primeiras manifestações da doença são frequentemente sintomas14 semelhantes aos da gripe15, como febre16, tosse, mal-estar e dores nas articulações17. Algumas pessoas também apresentam rigidez ou inchaço18 nas articulações17 e perda de peso.

As lesões19 do eritema nodoso1 são caracterizadas por nódulos arredondados de cerca de 2,5 cm de diâmetro, localizados abaixo da superfície da pele4, geralmente nas canelas, embora possam aparecer em qualquer parte do corpo. Os nódulos podem ficar inflamados por um período de semanas e desaparecerem depois de três a seis semanas, ficando achatados e deixando uma depressão crônica na pele4, onde a camada de gordura20 foi lesada.

A dor nas articulações17 e a inflamação3 às vezes continuam por várias semanas ou meses após os nódulos desaparecerem. O eritema nodoso1 pode permanecer como uma condição crônica na qual as lesões19 ressurgem em outro lugar, durante meses ou anos. O eritema nodoso1 crônico21, com recorrências22 ocasionais, pode ocorrer com ou sem a presença de outra doença subjacente.

Como o médico diagnostica o eritema nodoso1?

O eritema nodoso1 é diagnosticado clinicamente. O primeiro passo deve ser um histórico clínico do paciente e um detido exame físico da erupção23. A seguir, uma biópsia24 pode retirar uma pequena parte da pele4 afetada, que é levada para exame microscópico25 mais detalhado, para confirmar ou não o diagnóstico26 de eritema nodoso1.

Ao mesmo tempo, outros exames podem ser necessários para identificar e tratar qualquer condição patológica subjacente. Isso pode incluir hemograma completo, velocidade de hemossedimentação27, título e cultura da antiestreptolisina O, análise da urina28, teste tuberculínico intradérmico e radiografia de tórax29. A velocidade de hemossedimentação27 é tipicamente alta, a proteína C reativa é elevada e o sangue30 mostra um aumento nos glóbulos brancos.

Como o médico trata o eritema nodoso1?

O eritema nodoso1 é autolimitado e se resolve dentro de 3 a 6 semanas. O tratamento deve ser concentrado na causa subjacente, além dos sintomas14. Os tratamentos para o eritema nodoso1 incluem fármacos anti-inflamatórios e cortisona por via oral ou por injeção31. Os sintomas14 podem ser tratados com repouso no leito, elevação da perna, bandagens compressivas e curativos úmidos. O tratamento deve ser personalizado para o paciente e seus sintomas14. É importante notar que o eritema nodoso1, embora seja irritante e muitas vezes doloroso, não ameaça os órgãos internos.

Como evolui o eritema nodoso1?

A perspectiva de longo prazo do tratamento é muito boa.

Veja também sobre "Hemograma completo", "Velocidade de hemossedimentação27" e "Biópsia24".

 

ABCMED, 2018. Eritema nodoso - conheça as características e o que pode ser feito para aliviar. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1331013/eritema-nodoso-conheca-as-caracteristicas-e-o-que-pode-ser-feito-para-aliviar.htm>. Acesso em: 16 jan. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Eritema nodoso: Erupção eritematosa comumente associada a reações a medicamentos ou infecções e caracterizada por nódulos inflamatórios que são geralmente dolorosos, múltiplos e bilaterais. Esses nódulos são localizados predominantemente nas pernas, podendo também estar nas coxas e antebraços. Eles sofrem alterações de coloração características terminando em áreas tipo equimose temporárias. Regride em 3 a 6 semanas, em média, sem cicatriz ou atrofia.
2 Subaguda: Levemente aguda ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
3 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
6 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
7 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
8 Mononucleose infecciosa: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
9 Sarcoidose: Sarcoidose ou Doença de Besnier-Boeck é caracterizada pelo aparecimento de pequenos nódulos inflamatórios (granulomas) em vários órgãos. A doença pode afetar qualquer orgão do corpo, mas os mais atingidos são os pulmões , os gânglios linfáticos (ínguas ), o fígado, o baço e a pele.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
12 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
13 Imunocomplexos: Imunocomplexo ou complexo imune é um complexo formado por imunoglobulina (anticorpo) ligada ao antígeno solúvel, ou seja, são moléculas formadas pela junção de antígenos e anticorpos.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
16 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
17 Articulações:
18 Inchaço: Inchação, edema.
19 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
20 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
21 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
22 Recorrências: 1. Retornos, repetições. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
23 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
24 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
25 Microscópico: 1. Relativo à microscopia ou a microscópio. 2. Que se realiza com o auxílio do microscópio. 3. Visível somente por meio do microscópio. 4. Muito pequeno, minúsculo.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Velocidade de hemossedimentação: É a velocidade com que os glóbulos vermelhos se separam do “soro” e se depositam no fundo de um tubo de ensaio, se este tubo com sangue é deixado parado (com anticoagulante). Os glóbulos vermelhos (hemácias) são puxados para baixo pela gravidade e tendem a se aglomerar no fundo do tubo. No entanto, eles são cobertos por cargas elétricas negativas e, quando vão se aproximando do fundo, repelem-se umas às outras, como cargas iguais de ímãs. Essa força magnética de repulsão se contrapõe à gravidade e naturalmente diminui a velocidade com que as hemácias caem. Se junto com as hemácias, nadando no plasma, haja outras estruturas de cargas positivas, estas vão anular as cargas negativas das hemácias e também a repulsão magnética entre elas, permitindo sua aglutinação. Neste caso a gravidade age sozinha e a velocidade com que elas caem (velocidade de hemossedimentação) é acelerada. O VHS é expresso como o número de milímetros que o sangue sedimentou (no tubo) no espaço de uma hora (mm/h).
28 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
29 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
30 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
31 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.