Atalho: 6NKZFWG
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é parto prematuro?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é parto prematuro?

A gestação do bebê humano, da concepção1 ao parto, dura cerca de nove meses (entre 37 e 42 semanas). Esse é o tempo necessário para que todos os órgãos do feto2 estejam adequadamente formados e adquiram um amadurecimento funcional mínimo que os torne viáveis no mundo ambiente, mesmo que ainda dependam de auxílio externo. Ainda assim, ao fim desse tempo muitas estruturas orgânicas ainda não estão acabadas, nem em pleno funcionamento, como os órgãos dos sentidos, a fala, a coordenação neuromuscular e o sistema imunológico3, entre outras, e têm que terminar sua evolução no útero4 social, por assim dizer.

O parto realizado ao término da gestação normal é dito parto a termo. Fala-se em parto prematuro quando o nascimento do bebê se dá entre 22 e 37 semanas, já que um bebê nascido antes de 22 semanas não é viável. O bebê nascido de parto prematuro é também um bebê prematuro e tem suas estruturas e funcionamentos orgânicos ainda precários, necessitando de auxílios maiores para sobreviver. Em certas situações especiais, o apressamento do parto pode ser uma opção médica, no entanto, na maioria dos casos, o parto prematuro ocorre espontaneamente.

O bebê que nasce prematuro após 34 semanas de gestação costuma não ter muitos problemas, mas o que nasce num tempo menor que esse necessita atenções quanto à manutenção da temperatura, respiração, infecções5, alimentação, etc. Os que nascem num tempo de gestação menor de sete meses, em geral necessitam completar seu período de gestação numa UTI neonatal.

Quais são as causas ou os fatores de risco para o parto prematuro?

A maioria dos nascimentos prematuros ocorre espontaneamente, mas há causas que podem precipitar o parto.

As causas de parto prematuro incluem:

  • Placenta prévia (placenta cobre parcial ou totalmente o colo do útero6).
  • Descolamento prematuro da placenta (placenta se separa do útero4 antes do parto).
  • Gravidez7 de gêmeos (dois ou mais).
  • Polidrâmnio8 (quantidade excessiva de líquido amniótico9).
  • Infecções5 uterinas.
  • Estresse psicológico grave.

São fatores de risco para o parto prematuro:

  • Parto prematuro anterior.
  • Gestação de bi ou trigêmeos (ou mais).
  • Cirurgia anterior do colo do útero6 (inclusive biópsia10).
  • Anomalias anatômicas do útero4.
  • Sangramentos uterinos, sobretudo nos dois últimos terços da gravidez7.
  • Uso de drogas, álcool ou tabaco.
  • Alguns tipos de infecções5.
  • Baixo peso da mãe antes da gestação ou excessivo ganho de peso durante a gestação.
  • Líquido amniótico9 em excesso.
  • Anemia11 materna moderada ou grave durante a gravidez7.
  • Pequeno intervalo entre as gestações (menos de 12 a 18 meses).
  • Cirurgia abdominal durante a gravidez7.

A cor negra da mãe e a idade dela (menor de 17 anos ou maior de 35 anos) também parecem favorecer o parto prematuro. No entanto, as mulheres acima de 35 anos são mais propensas a apresentar condições de saúde12 que exigem que o trabalho de parto seja apressado.

Quais são os sinais13 que podem prenunciar uma tendência ao parto prematuro?

  • Contrações uterinas a cada dez minutos ou menos.
  • Esvaecimento14 e dilatação progressiva do colo15 útero4.
  • Dor constante ou irregular na região lombar16.
  • Cólicas17 abdominais.
  • Pressão na região pélvica18 ou na vagina19.
  • Cólicas17 semelhantes às da menstruação20.
  • Aumento do corrimento vaginal.
  • Perda de líquido pela vagina19.
  • Sangramento vaginal.
  • Náuseas21, vômitos22 ou diarreias.
  • Diminuição dos movimentos fetais.

Na verdade, alguns desses sinais13 são também os sintomas23 que antecedem um parto normal a termo, mas você deve estar atenta a eles se ocorrerem antes da hora prevista. Em um falso trabalho de parto ocorrem apenas contrações irregulares e não há modificações significativas no colo do útero6. Em caso de dúvidas, consulte sempre o seu obstetra para esclarecimentos.

Quais são as medidas que ajudam a evitar o parto prematuro?

  • Evite o consumo de álcool. O álcool chega ao feto2 na mesma concentração presente no sangue24 da mãe, mas o organismo dele demora mais para eliminá-lo.
  • Siga a dieta recomendada pelo médico que acompanha seu pré-natal. Lembre-se de que durante a gestação certos alimentos devem ser privilegiados e outros evitados.
  • Faça exercícios para fortalecer a sua musculatura. Os exercícios bem orientados colaboram para a perda de peso após a gestação e fortalecem a musculatura do assoalho pélvico25, ajudando na hora do nascimento do bebê e evitando lesões26 após o parto.
  • Ingira doses adequadas de vitamina27 B12. A vitamina27 B12 é responsável pelo desenvolvimento dos glóbulos vermelhos do feto2. Ela pode ser encontrada em laticínios, carnes magras, ovos e cereais.
  • Mantenha sua vacinação em dia. Algumas doenças evitáveis pela vacinação podem fazer adiantar o parto.
  • Tome ácido fólico. O ácido fólico atua contra o parto prematuro e dificilmente se consegue a dose ideal dele para o organismo por meio apenas da alimentação.

O que pode ser feito para evitar o parto prematuro?

Uma vez detectada a tendência à prematuridade do parto, podem ser adotadas algumas medidas para adiá-lo.

O tratamento para tentar evitar o parto prematuro inclui:

  • Tranquilização da mãe.
  • Repouso absoluto na cama (deitada de preferência do lado esquerdo).
  • Administração venosa de líquidos e de medicações que relaxem o útero4.

Infelizmente, muitas vezes nem todas essas medidas são suficientes para evitar a prematuridade do parto.

ABCMED, 2012. O que é parto prematuro?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/320625/o+que+e+parto+prematuro.htm>. Acesso em: 23 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Concepção: O início da gravidez.
2 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
3 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
4 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
7 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
8 Polidrâmnio: Também conhecido como hidrâmnios é o nome técnico para o excesso de líquido amniótico no útero durante a gestação.
9 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
10 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
11 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Esvaecimento: Ato, processo ou efeito de esvaecer; esvanecimento, desvanecimento, esmorecimento, perda do ânimo, diminuição de intensidade, afrouxamento.
15 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
16 Região Lombar:
17 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
18 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
19 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
20 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
21 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
22 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
23 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
24 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
25 Assoalho Pélvico: Tecido mole, formado principalmente pelo diafragma pélvico (composto pelos dois músculos levantadores do ânus e pelos dois coccígeos). Por sua vez, o diafragma pélvico fica logo abaixo da abertura (outlet) pélvica e separa a cavidade pélvica do PERÍNEO. Estende-se do OSSO PÚBICO (anteriormente) até o COCCIX (posteriormente).
26 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
27 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.