Gostou do artigo? Compartilhe!

Doenças cardiovasculares - O que são? Quais são as principais? Como evitá-las?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são doenças cardiovasculares1?

As doenças cardiovasculares1 constituem uma classe de enfermidades que envolvem o coração2 e/ou os vasos sanguíneos3. As doenças cardiovasculares1 são a causa número 1 de mortes em todo o mundo: mais pessoas morrem anualmente de doenças cardiovasculares1 do que de qualquer outra causa.

Quais são as causas das doenças cardiovasculares1?

Os mecanismos subjacentes às doenças cardiovasculares1 variam dependendo da doença. As causas da doença arterial coronariana, do acidente vascular cerebral4 e da doença arterial periférica muitas vezes envolvem a aterosclerose5 (depósitos de gordura6 que se acumulam nas paredes das artérias7), pressão alta, tabagismo, diabetes8, falta de exercícios, obesidade9, colesterol10 alto, dieta inadequada e consumo excessivo de álcool, entre outros.

Os infartos cardíacos e os acidentes vasculares11 cerebrais são causados principalmente por bloqueios dos vasos sanguíneos3 que impedem o fluxo de sangue12 para o coração2 ou cérebro13. A razão mais comum para isso é o acúmulo de depósitos de gordura6 nas paredes internas dos vasos sanguíneos3 que irrigam estes órgãos. Mas também podem ser causados por sangramento de um vaso sanguíneo no cérebro13 ou por coágulos sanguíneos vindos de longe.

Saiba mais sobre "Acidente vascular cerebral4", "Infarto do miocárdio14", "Aterosclerose5" e "Doença arterial periférica".

Outras causas de doenças cardiovasculares1 podem resultar de danos ao sistema circulatório15 e outras condições sistêmicas de abalos à saúde16, como um vírus17, uma infecção18 ou um problema estrutural com o qual a pessoa nasceu. A pressão alta tanto pode ser causa como resultado de doença cardiovascular.

Há muitos fatores de risco para doenças cardíacas de causas determinadas: idade, sexo, tabagismo, inatividade física, consumo excessivo de álcool, dieta pouco saudável, obesidade9, predisposição genética e história familiar de doença cardiovascular, hipertensão19 (pressão arterial20 elevada), diabetes mellitus21 (aumento de açúcar22 no sangue12), hiperlipidemia23 (aumento do colesterol10 no sangue12), doença celíaca não diagnosticada, fatores psicossociais, pobreza, baixa escolaridade e poluição do ar.

Embora a contribuição individual de cada fator de risco24 varie entre diferentes comunidades ou grupos étnicos, a contribuição geral desses fatores de risco é muito consistente. Entre nós, os fatores de risco mais comuns para doenças cardiovasculares1 parecem ser a aterosclerose5 e a hipertensão arterial25.

Alguns desses fatores são mutáveis por alterações do estilo de vida, mudança social ou tratamento medicamentoso; entretanto, outros não são modificáveis. Pessoas com um fator de risco24 para doenças cardiovasculares1 geralmente têm mais um ou dois outros fatores associados. É o caso, por exemplo, de pessoas com obesidade9, que também têm pressão alta, colesterol10 alto e/ou diabetes tipo 226.

Leia sobre "Parar de fumar", "Sedentarismo27", "Alimentação saudável", "Obesidade9", "Diabetes mellitus21", "Colesterol10 alto", "Hipertensão arterial25" e "Doença celíaca".

Quais são as principais características clínicas das doenças cardiovasculares1?

Existem muitos tipos diferentes de doenças cardiovasculares1 e por isso os sintomas28 são muito variáveis, dependendo do tipo específico de doença que o paciente tem. No entanto, os sintomas28 mais típicos de um problema cardiovascular incluem dor ou pressão no peito29 (o que pode indicar angina30 de peito29); dor ou desconforto nos braços, no ombro esquerdo, cotovelos, mandíbula31 ou nas costas32; dispneia33 (falta de ar); náusea34 e fadiga35; tonteira; fraqueza e suor frio.

É quase impossível enumerar todas as doenças cardiovasculares1, mas as principais podem ser englobadas numa lista:

Leia sobre as diferenças entre "Aterosclerose5" e "Arterioesclerose47".

Como o médico diagnostica as doenças cardiovasculares1?

O diagnóstico48 da doença cardiovascular implica numa dupla tarefa:

  1. Reconhecer a doença presente.
  2. Determinar sua possível causa.

Para ambas as tarefas, o médico deve contar com análises laboratoriais e estudos de imagem. A parte preliminar do diagnóstico48 deve ser uma análise dos antecedentes médicos do paciente e de familiares e dos fatores de risco e do exame físico.

Alguns dos testes comuns usados para diagnosticar doenças cardiovasculares1 incluem análises de sangue12 (lipídios, colesterol10, glicose49, proteínas50, etc.), eletrocardiograma51, teste de esforço, ecocardiografia, ecocardiografia combinada com o Doppler, angiografia52 coronária, cateterismo53 cardíaco, radiografia de tórax54, tomografia computorizada e ressonância magnética55.

Entenda sobre o "Eletrocardiograma51", "Ecocardiograma56", "Teste de esforço" e "Cateterismo53 cardíaco".

Como o médico trata as doenças cardiovasculares1?

O tratamento deve ser específico para cada doença, visando aliviar os sintomas28, reduzir o risco de recorrência57 ou piora da condição e evitar complicações. Dependendo da condição, também pode ter como objetivo estabilizar os ritmos cardíacos, reduzir os bloqueios e dilatar as artérias7 para permitir um melhor fluxo de sangue12.

O tratamento inicial da doença cardiovascular deve ser focado principalmente em intervenções na dieta e no estilo de vida. O manejo adequado dessas doenças e das suas sequelas58, se houver, exige também um enfoque específico, sobretudo nos casos de infarto do miocárdio14 e de acidente vascular cerebral4.

Como prevenir as doenças cardiovasculares1?

Estima-se que 90% das doenças cardiovasculares1 sejam evitáveis. A aterosclerose5, causa da maioria delas, pode ser prevenida melhorando-se os fatores de risco por meio de alimentação saudável, exercício físico regular, abstenção do tabaco e limitação da ingestão de álcool. Maus hábitos durante a infância não levarão a doenças cardiovasculares1 enquanto o indivíduo ainda é jovem, mas podem levar ao acúmulo de problemas que continuam até a idade adulta, resultando em maior probabilidade de ter uma doença cardiovascular mais tarde na vida.

Tratar fatores de risco, como pressão alta, lipídios altos no sangue12, diabetes mellitus21 e evitar um estilo de vida sedentário, também é benéfico. O tratamento de pessoas com infecções59 estreptocócicas (um tipo de infecção18 bacteriana) com antibióticos pode diminuir o risco de doença cardíaca reumática. Restringir o uso de sal, de gorduras saturadas60 e de açúcar22 ajuda a proteger contra as doenças cardiovasculares1. O uso de aspirina em pessoas saudáveis como meio preventivo61 de doenças cardíacas é controverso e deve sempre ser orientado por um médico, para evitar complicações.

Quais são as complicações possíveis das doenças cardiovasculares1?

Algumas doenças cardiovasculares1 podem deixar sequelas58 definitivas, mesmo depois de curadas, como por exemplo os acidentes vasculares11 cerebrais, também conhecidos como "derrames". Outras exigirão a utilização permanente de aparelhos de regulação mecânica como, por exemplo, os marcapassos e os stents.

Algumas outras doenças cardiovasculares1 podem levar de imediato à morte (infarto do miocárdio14, por exemplo) ou limitar muito o paciente e abreviar significativamente o seu tempo de vida (insuficiência cardíaca congestiva39, por exemplo).

Leia também sobre "Marcapasso62", "Stent", "Como reduzir o colesterol10", "Sete passos para um coração2 saudável" e "Circunferência abdominal e doenças cardiovasculares1".

 

ABCMED, 2018. Doenças cardiovasculares - O que são? Quais são as principais? Como evitá-las?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1322918/doencas-cardiovasculares-o-que-sao-quais-sao-as-principais-como-evita-las.htm>. Acesso em: 10 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
4 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
5 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
6 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
7 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
10 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
11 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
12 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
13 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
14 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
15 Sistema circulatório: O sistema circulatório ou cardiovascular é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
20 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
21 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
22 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
23 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
24 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
25 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
26 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
27 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
28 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
29 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
30 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
31 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
32 Costas:
33 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
34 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
35 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
36 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
37 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
38 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
39 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
40 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
41 Prolapso: Deslocamento de um órgão ou parte dele de sua localização ou aspecto normal. P.ex. prolapso da válvula mitral, prolapso uterino, etc.
42 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
43 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
44 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
45 Doença de Raynaud: Condição hereditária, não associada a outras doenças (Raynaud primário), que afeta o fluxo sanguíneo nas extremidades do corpo humano quando submetido a baixas temperaturas ou estresse. Ocorre pela redução do suprimento de oxigênio. A pele fica esbranquiçada, empalidecida, fria e pode ficar dormente. Quando o oxigênio é totalmente consumido pelas células, a pele começa a adquirir uma coloração azulada ou roxa (chamada cianose). Estes eventos são episódicos, com duração variável de acordo com a gravidade da doença. No final do episódio, a pele é aquecida e volta a ficar avermelhada por vasodilatação. Na variação mais comum da doença de Raynaud há três mudanças de cores (branca ou pálida; azul, roxa ou cianótica; e avermelhada ou rubra). Alguns pacientes não apresentam todas as fases de mudanças de cores.
46 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
47 Arterioesclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
48 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
49 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
50 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
51 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
52 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
53 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
54 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
55 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
56 Ecocardiograma: Método diagnóstico não invasivo que permite visualizar a morfologia e o funcionamento cardíaco, através da emissão e captação de ultra-sons.
57 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
58 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
59 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
60 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
61 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
62 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.