Atalho: 6KEJ2Q6
Gostou do artigo? Compartilhe!

Arterioesclerose: como ela é? O que acontece no nosso organismo? Como prevenir?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é arterioesclerose1?

As artérias2 são vasos sanguíneos3 que conduzem de forma centrífuga4 o sangue5 oxigenado. Normalmente, as paredes das artérias2 são lisas e elásticas, se acomodando aos movimentos de sístole6 (contração) e diástole7 (dilatação) cardíacas e regulando, assim, a pressão arterial8.

A arterioesclerose1 é uma condição degenerativa9 de endurecimento e espessamento das paredes arteriais que costuma provocar aumento da pressão arterial8. Algum grau de arterioesclerose1 está presente em praticamente todas as pessoas acima de 50 anos, sendo um fenômeno normal do envelhecimento. Ela predomina no sexo masculino, sendo a principal causa de morte no mundo ocidental.

Quais são os tipos de arterioesclerose1?

Há três tipos de arterioesclerose1:

  • Arterioesclerose1 senil: há alterações das fibras elásticas10 que se tornam tecido11 fibroso e atrofia12 das células musculares13, o que provoca perda de elasticidade14 das artérias2 e aumento da pressão arterial8.
  • Arterioesclerose1 de Monckberg: é caracterizada pela necrose15 e calcificação16 da camada média muscular, lesões17 que podem existir sem ocasionar alteração circulatória, por não provocar nenhuma obstrução nem a formação de aneurismas.
  • Aterosclerose18: é acompanhada de alterações nas paredes internas das artérias2, que se tornam mais rugosas e irregulares, dificultando a circulação19 e favorecendo a formação de placas20 (principalmente depósitos de gordura21, colesterol22 e cálcio) que as obstruem total ou parcialmente. Algum desses trombos23 podem se desprender das paredes arteriais, viajarem pelos vasos mais calibrosos e obstruírem os de menor calibre, causando infarto do miocárdio24, acidentes vasculares25 cerebrais isquêmicos, gangrena26 de membros inferiores, etc. Ou então essas placas20 crescem lentamente e acabam por causar uma obstrução arterial total.

Quais são as causas da arterioesclerose1?

Há fatores hereditários que tornam uma pessoa mais predisposta à arterioesclerose1 que outras, mas alguns outros fatores são reconhecidamente favorecedores: sedentarismo27, tabagismo, ingestão excessiva de gorduras, colesterol22 elevado no sangue5.

Quais são os sinais28 e sintomas29 da arterioesclerose1?

A arterioesclerose1 gera sinais28 ou sintomas29 na dependência dos órgãos que afeta. Já dissemos do endurecimento e sinuosidade30 das artérias2, mas pode haver também dilatações em pontos localizados dos grandes ou médios vasos (aneurismas). A arterioesclerose1 é uma doença sistêmica, portanto atinge todo o organismo, mas os órgãos mais afetados são o coração31, o cérebro32 e os membros inferiores.

Os sintomas29 principais gerados pela arterioesclerose1 são consequência da diminuição do fluxo sanguíneo nesses órgãos (angina33 pectoris, infarto do miocárdio24, derrame34 cerebral, claudicação35, etc).

Como o médico diagnostica a arterioesclerose1?

Como sempre, em Medicina, o diagnóstico36 começa pela tomada de uma minuciosa história clínica. Por palpação37 das artérias2 superficiais o médico pode sentir o estado de endurecimento e a irregularidade das formas das artérias2. Esses dados podem ser complementados pelo eletrocardiograma38, que transmite uma ideia indireta da circulação19 nas artérias2 cardíacas, pela arteriografia e pelo Doppler, um exame que permite visualizar mais diretamente a circulação19 nas artérias2.

Como é o tratamento da arterioesclerose1?

A arterioesclerose1 não tem cura, mas sua progressão pode ser diminuída por um acompanhamento médico constante, mudanças no estilo de vida, remédios para reduzir o colesterol22, modificações nos hábitos alimentares, perda de peso, suspensão do ato de fumar e aumento da atividade física.

Num estágio em que o estreitamento arterial já seja constatável, podem ser usadas medicações vasodilatadoras. Em estados mais avançados, pode ser necessário fazer transplante dos vasos comprometidos ou uma cirurgia de bypass, em que a circulação19 do sangue5 é desviada do segmento arterial obstruído para outros mais livres.

Como prevenir a arterioesclerose1?

Como evolui a arterioesclerose1?

A arterioesclerose1 é uma doença evolutiva que não tem cura, embora possa ter diminuída a velocidade de sua progressão. Sob sua forma mais grave (e mais frequente), de aterosclerose18, pode levar a complicações importantes e até fatais, com o infarto do miocárdio24, a isquemia41 cerebral e o aneurisma42 da aorta43, entre outras. 

ABCMED, 2012. Arterioesclerose: como ela é? O que acontece no nosso organismo? Como prevenir?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/311550/arterioesclerose-como-ela-e-o-que-acontece-no-nosso-organismo-como-prevenir.htm>. Acesso em: 22 out. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Arterioesclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
2 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
3 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
4 Centrífuga: 1. Que se move ou faz mover em direção oposta ao eixo de rotação. 2. Que funciona por meio de força centrífuga.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Sístole: Período em que o miocárdio (músculo cardíaco) se contrai. Nesta fase, o sangue é ejetado dos ventrículos para as artérias.
7 Diástole: Período em que o miocárdio (músculo cardíaco) se relaxa. Nesta fase o sangue entra nos átrios, proveniente das veias e, em seguida, passa aos ventrículos.
8 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
9 Degenerativa: Relativa a ou que provoca degeneração.
10 Fibras Elásticas: Tecido conectivo constituído principalmente por fibras elásticas. Estas, têm dois components
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
12 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
13 Células Musculares: Células contráteis maduras, geralmente conhecidas como miócitos, que formam um dos três tipos de músculo. Os três tipos de músculo são esquelético (FIBRAS MUSCULARES), cardíaco (MIÓCITOS CARDÍACOS) e liso (MIÓCITOS DE MÚSCULO LISO). Provêm de células musculares embrionárias (precursoras) denominadas MIOBLASTOS.
14 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
15 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
16 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
17 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
18 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
19 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
20 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
21 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
22 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
23 Trombos: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
24 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
25 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
26 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
27 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
28 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Sinuosidade: 1. Dobra ou prega. 2. Qualidade ou estado de sinuoso; chanfradura, flexuosidade, rodeio, zigue-zague. 3. Extensão, movimento (de algo) em curvas irregulares, em sentidos diversificados; tortuosidade. 4. Argumentação vaga, que procura fugir da questão principal, de uma dificuldade; rodeio, tergiversação.
31 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
32 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
33 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
34 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
35 Claudicação: 1. Falta de certeza; vacilação, hesitação. 2. No sentido figurado, pequeno erro; deslize, falta. 3. Pequena falha ou deficiência; imperfeição.
36 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
37 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
38 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
39 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
40 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
41 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
42 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
43 Aorta: Principal artéria do organismo. Surge diretamente do ventrículo esquerdo e através de suas ramificações conduz o sangue a todos os órgãos do corpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

08/03/2014 - Comentário feito por rose
Re: Arterioesclerose: como ela é? O que acontece no nosso organismo? Como prevenir?
muito esclarecedor o site de vocês! Parabéns

  • Entrar
  • Assinar