Atalho: 5RC9NZN
Gostou do artigo? Compartilhe!

Infarto do Miocárdio

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Sinônimos

Ataque do coração1, doença isquêmica do coração1.

O que é infarto do miocárdio2?

O infarto3 é definido como uma lesão4 isquêmica do músculo cardíaco5 (miocárdio6), que deve-se à falta de oxigênio e nutrientes. Os vasos sangüíneos7 que irrigam o miocárdio6 (artérias coronárias8) podem apresentar depósito de gordura9 e cálcio, levando a uma obstrução e comprometendo a irrigação do coração1. As placas10 de gordura9 localizadas no interior das artérias11 podem sofrer uma fissura12 causada por motivos desconhecidos, formando um coágulo13 que obstrui a artéria14 e deixa parte do coração1 sem suprimento de sangue15. É assim que ocorre o infarto do miocárdio2. Esta situação vai levar à morte celular (necrose16), a qual desencadeia uma reação inflamatória local.

O infarto3 também pode ocorrer em vasos coronarianos normais quando as artérias coronárias8 apresentam um espasmo17, ou seja, uma forte contração que determina um déficit parcial ou total no suprimento de sangue15 ao músculo cardíaco5 irrigado por este vaso contraído.

Quais são os sintomas18?

O sintoma19 clássico é uma dor em aperto no lado esquerdo ou no centro do peito20 podendo irradiar para o pescoço21 ou para o braço esquerdo, porém em cerca de 15% dos casos, o sintoma19 pode ser atípico com dor no lado direito do peito20, suor, enjôo, vômitos22, dor no estômago23, falta de ar, tonteira ou palpitações24.

Esta dor tem duração maior que 10 minutos, pode ter diferentes intensidades ou ainda sumir e voltar espontaneamente.

Infelizmente, nem todos os pacientes têm este sintoma19. Os diabéticos, por exemplo, podem ter um infarto3 sem apresentar dor.

Quais são as causas?

O infarto3 está mais freqüentemente associado a uma causa mecânica, ou seja, à interrupção do fluxo sangüíneo para uma determinada área, devido a obstrução completa ou parcial da artéria14 coronária responsável por sua irrigação. O tamanho da área necrosada depende de vários fatores, tais como o calibre da artéria14 lesada, tempo de evolução da obstrução e desenvolvimento da circulação25 colateral. Esta, quando bastante extensa, é capaz de impedir a instalação de infarto3, mesmo em casos de obstrução total da coronária.

Pode também ocorrer por aumento do trabalho cardíaco relacionado ao aumento da pressão arterial26.

Infarto do miocárdio

Quais são os fatores de risco associados ao infarto do miocárdio2?

  • Colesterol27 alto
  • Sedentarismo28
  • Tabagismo
  • Hipertensão arterial29
  • Menopausa30
  • Estresse
  • Excesso de peso
  • Diabetes mellitus31
  • História familiar ou predisposisão genética
  • Idade
  • Alterações hemodinâmicas: hipertensão arterial29, hipotensão32, choque33, mal-estar, etc.

O que fazer quando estou sentindo os sintomas18 que podem ser de um infarto do miocárdio2?

Diante de uma dor suspeita, devemos nos dirigir o mais rápido possível a um pronto-atendimento - de preferência em um pronto-socorro equipado com uma unidade coronariana - para confirmar ou excluir o diagnóstico34. Caso seja confirmado o infarto3, quanto mais rápido o tratamento, melhor será a recuperação do seu coração1.

Como é feito o diagnóstico34?

O diagnóstico34 é baseado na tríade: quadro clínico, alterações no ECG (eletrocardiograma35) e na dosagem de enzimas cardíacas que se alteram no infarto do miocárdio2.

Escolha sempre um médico da sua confiança para tratar os seus sintomas18 e para lhe auxiliar na prevenção de doenças cardiovasculares36.

Quais as opções de tratamento disponíveis?

Qualquer que seja o tratamento escolhido pelo médico que vai prestar assistência ao paciente infartado, o ideal é que ele comece dentro das primeiras 6 horas após o início da dor. Quanto mais precoce, maior é a chance de ser restabelecido o fluxo sangüíneo e de oxigênio nas artérias coronárias8, evitando as complicações decorrentes da necrose16 do músculo cardíaco5.

Pontos importantes do tratamento são: alívio da dor, repouso para reduzir o trabalho cardíaco e administração de agentes trombolíticos para melhorar o fluxo sangüíneo.

A administração de oxigênio em fluxo contínuo nas primeiras seis horas, reduz a dor associada à baixa concentração de oxigênio circulante. O uso de drogas que reduzem o uso de oxigênio pelo coração1 faz com que o músculo cardíaco5 sofra menos isquemia37 (ausência de sangue15).

A permanência na Unidade Coronariana deve se restringir ao período crítico, no mínimo 72 horas, pois a incidência38 de complicações neste período justifica a monitorização contínua.

Superada esta fase, o paciente é encaminhado a um quarto privativo, restringindo-se o número de visitas. Progressivamente, ele pode sentar-se durante breves períodos, começa a deambular39 por volta do quarto ou quinto dia. Esta mobilização precoce melhora sensivelmente o bem-estar, além de reduzir a incidência38 de tromboembolia. Mas o paciente deve ser acompanhado de perto para detectar possíveis alterações conseqüentes a esta atividade física.

A dieta será liberada à medida que as condições clínicas permitirem, devendo ser hipocalórica40 e hipossódica (com pouco sal).

As evacuações não devem significar esforço para o paciente, usando, se necessário, laxantes41 suaves.

Os tranqüilizantes podem ser utilizados para amenizar a angústia de alguns pacientes, mas com muito critério, já que esses medicamentos podem aumentar a freqüência cardíaca e a pressão sistólica42.

Quais são as complicações da doença?

As principais complicações do infarto3 são: arritmia43 cardíaca, choque33 cardiogênico, insuficiência respiratória44, insuficiência renal45 ou parada cardiorespiratória.

As complicações mais letais são as arritmias46, que podem ocorrer, mais comumente, nas primeiras 24 horas após o infarto3. Por isso, é importante que, idealmente por pelo menos 72 horas, os pacientes fiquem sob cuidados médicos em unidades de tratamento intensivo coronariano, lá eles recebem todos os cuidados necessários para detectar precocemente e tratar essas arritmias46, através de uma monitorização contínua das complicações do infarto3.

Quais as opções para prevenir esta doença?

Um estilo de vida saudável ajuda a diminuir a mortalidade47 nos casos de infarto3.

Alguns pontos importantes na prevenção:

  • Ter uma dieta equilibrada, reduzindo a ingestão de gorduras saturadas48 e aumentando as fibras, frutas, vegetais e cereais.
  • Prática regular de atividades físicas.
  • Manter o peso ideal, com índice de massa corporal49 abaixo de 25 kg/m², evitando a obesidade50 e seus danos à saúde51.
  • Dosar os níveis de colesterol27 e triglicérides52 pelo menos a cada 5 anos a partir dos 35 anos.
  • Acompanhar a glicemia53 nas pessoas com mais de 45 anos, para detecção precoce de diabetes mellitus31.
  • Medir a pressão arterial26 a cada 2 anos ou em todas as consultas médicas para evitar os danos causados pela hipertensão arterial29 não controlada.
  • Abandonar o cigarro para prevenir o infarto do miocárdio2 e outras doenças como o câncer54 de pulmão55 e a doença pulmonar obstrutiva crônica.
  • Procurar reduzir o estresse com massagens, ioga, exercícios físicos em geral e meditação.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico:

  • Qual o risco que eu tenho de sofrer um infarto3? Isto pode ser calculado?
  • Minha família tem história de doenças do coração1. Como isto influencia minha saúde51?
  • O que mais eu posso fazer para reduzir meu risco de sofrer um ataque cardíaco?
  • Quando devo fazer exames de prevenção para evitar as doenças do coração1?
  • Se eu parar de fumar, quanto tempo demora para reduzir meu risco cardiovascular?
  • Depois de ter tido um infarto3, qual o tipo de dieta que devo seguir?

Fontes:

III Diretriz sobre Tratamento do Infarto3 Agudo56 do Miocárdio6
Universal Definition of Myocardial Infarction - ESC/ACCF/AHA/WHF Expert Consensus Document
Heart Information Series – British Heart Foundation
American Heart Association

ABCMED, 2008. Infarto do Miocárdio. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/22385/infarto+do+miocardio.htm>. Acesso em: 12 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
2 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
3 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
4 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
6 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
7 Vasos sangüíneos: Órgãos em forma de tubos que se ramificam por todo o organismo. Existem três tipos principais de vasos sangüíneos que são as artérias, veias e capilares.
8 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
9 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
10 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
11 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
12 Fissura: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
13 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
14 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
17 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
18 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
19 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
21 Pescoço:
22 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
23 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
24 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
25 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
26 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
27 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
28 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
29 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
30 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
31 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
32 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
33 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
34 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
35 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
36 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
37 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
38 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
39 Deambular: Andar à toa; vaguear, passear.
40 Hipocalórica: Que é pouco calórica.
41 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
42 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
43 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
44 Insuficiência respiratória: Condição clínica na qual o sistema respiratório não consegue manter os valores da pressão arterial de oxigênio (PaO2) e/ou da pressão arterial de gás carbônico (PaCO2) dentro dos limites da normalidade, para determinada demanda metabólica. Como a definição está relacionada à incapacidade do sistema respiratório em manter níveis adequados de oxigenação e gás carbônico, foram estabelecidos, para sua caracterização, pontos de corte na gasometria arterial: PaO2 50 mmHg.
45 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
46 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
47 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
48 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
49 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
50 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
51 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
52 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
53 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
54 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
55 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
56 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

08/04/2016 - Comentário feito por Luiz
Gostei muito da materia, em 18 de fevereiro tiv...
Gostei muito da materia, em 18 de fevereiro tive algusn dos sintomas como dificuldade de digestão, sudorese, braço pesado, tudo com pouca intensidade, mas mesmo assim fui para um hospital cardiológico em Florianópolis, quando o médico desconfiou que eu ira infartar, fui medicado antes do infarto, que nem senti nada , o exame das enzimas mostrou . Foi colocado um STENT e hoje nem lembro mais o que aconteceu.
Uma observação, após colocar um STENT não se pode fazer RESSONÂNCIA antes de seis semanas pois o STENT pode se deslocar. Ja na sala para fazer a ressonância ( Fleury ) a médiica não fez por este motivo

08/03/2016 - Comentário feito por Crisval
Gostei do site, muito bom!

Obrigado,...
Gostei do site, muito bom!

Obrigado,

Crisval

09/06/2014 - Comentário feito por Denise
Amei o artigo, muito esclarecedor. Especialment...
Amei o artigo, muito esclarecedor. Especialmente no que se refere aos cuidados após a crise. Passei por essa situação e saí da UCO para casa sem muita orientação, achando que já podia me exercitar normalmente, sem saber sobre a dieta hipocalórica (hipossódica eu pude deduzir). Graças a Deus estou me sentindo melhor, embora a pressão continue alta. Estou buscando orientações sobre o infarto causado por espasmo das artérias cardíacas, que parece ter sido a causa do meu. Se tiver alguma dica, agradeço de coração.

02/06/2014 - Comentário feito por Mariah
Sinceramente ameii apesar de ter me ajudado tan...
Sinceramente ameii apesar de ter me ajudado tanto no meu trabalho da escola, me ajudou a entender mais sobre o assunto... Parabéns para quem criou ;)

12/02/2014 - Comentário feito por tais
Re: Infarto do Miocárdio
Infelizmente minha mãe não conseguiu.Ela tefe infarto do miocardio, mas a vaga na UTI demorou muito, e passou as 6 horas, assim quando conseguimos e fizemos o cateterismo, seu coração já havia sofrido choque e tinha necrosado lado direito, daí foi só o tempo para complicar os demais orgãos, até que o rim dela parou de funcionar. Se o processo fosse mais rápido talvez ela estria aqui entre nós. :(

27/12/2013 - Comentário feito por sandro
Re: Infarto do Miocárdio
muito bom,me ajudou com meus estudos,uma ótima matéria,grato.

03/11/2013 - Comentário feito por juliana
Re: Infarto do Miocárdio
Muito ótimo,obrigado isso me ajudou, em uma pesquisa !

18/09/2013 - Comentário feito por ---------------
Re: Infarto do Miocárdio
MTO BOM, ME AJUDOU COM O MEU TRABALHO
OBRIII

10/09/2013 - Comentário feito por yngryd
Re: Infarto do Miocárdio
foi bom sabe disso agora eu posso ajuda minha mae nesse caso eu tbm gostei pq me ajudou muito na escola vlw

09/09/2013 - Comentário feito por Manuela
Re: Infarto do Miocárdio
minha mãe sofreu um infarto dia 12 de agosto/2013 deitou para dormir e não acordou mais, teve um infarto silencioso. Deixando todos muito triste, infelizmente não deu para salva-la, ninguém estava esperando. Deixou muita saudade...

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.