Gostou do artigo? Compartilhe!

Falta de ar - como acontece? O que fazer?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é dispneia1?

A dispneia1, popularmente chamada de falta de ar, é um sintoma2 no qual a pessoa tem dificuldade de respirar, normalmente com a sensação de respiração curta ou incompleta. A dispneia1 em si mesma não é uma doença, mas sim um sintoma2 que pode ocorrer numa série variada de condições ou doenças orgânicas.

Alguns termos são usados para indicar formas específicas de dispneia1. Assim, o termo ortopneia é usado para descrever a dificuldade respiratória que ocorre quando a pessoa está de pé; dispneia1 de decúbito3 é a dispneia1 que surge quando a pessoa está deitada e que melhora ao assumir a posição ortostática (de pé); dispneia1 paroxística noturna, que surge algum tempo após o adormecer; trepopneia, dispneia1 com a pessoa deitada de lado; platinopneia, dispneia1 e diminuição da saturação de oxigênio, com a passagem da posição de decúbito3 para a posição sentada ou ortostática; apneia4 é a parada temporária da respiração; hipopneia é a diminuição da frequência e profundidade da respiração e eupneia é a manutenção natural da frequência respiratória normal.

Quais são as causas da dispneia1?

A dispneia1 se deve a uma falta de ar percebida pelo cérebro5, o que pode ocorrer por (1) escassez de oxigênio do ar ambiente, (2) obstrução das vias aéreas, (3) dificuldades da difusão do oxigênio das vias aéreas para o sangue6, (4) diminuição da capacidade do sangue6 de transportar oxigênio ou (5) diminuição da circulação7 do sangue6.

Os principais agentes causadores que levam à falta de ar são a asma8, a pneumonia9, a tuberculose10, outras infecções11 pulmonares, o edema pulmonar12, o câncer13 de pulmão14, o derrame15 pleural volumoso, a hemorragia16 pulmonar, a obesidade17, a hipertensão arterial18, os enfartes, os traumas, os defeitos ósseos, a anemia19, a asbestose20 (doença pulmonar devido à aspiração do pó de amianto), a ansiedade e a gravidez21. Muitas outras condições e doenças podem ser causa de dispneia1.

Formas fisiológicas22 normais de dispneia1 ocorrem após a realização de exercícios físicos e com os aumentos da temperatura corporal.

Leia sobre "Asma8", "Pneumonia9", "DPOC", "Câncer13 de pulmão14", "Embolia23 pulmonar", "Enfisema24 pulmonar" e "Insuficiência cardíaca25".

Qual o número de incursões respiratórias por minuto que é considerado normal em cada idade?

A respiração normal varia desde 60 irpm (incursões respiratórias por minuto) no recém-nascido até os 2 meses de vida, passando para 40 irpm aos 5 anos, 20 a 30 irpm aos 12 anos e até entre 12 a 20 irpm daí em diante.

Quais são as principais características clínicas da dispneia1?

A dispneia1 é sintoma2 de um grande número de condições mórbidas, especialmente das doenças do coração26 ou dos pulmões27. Ela se manifesta com a contração nos músculos28 do peito29 e da barriga, pelas narinas que aumentam e diminuem muito em diâmetro durante o ciclo respiratório, assim como com o arroxeamento (cianose30) dos lábios e dedos.

Outro sintoma2 importante nas dispneias de longa duração é o baqueteamento digital (os dedos ficam parecidos com baquetas de tambor), as extremidades dos dedos tornam-se mais volumosas e as unhas31 ficam abauladas.

Como o médico diagnostica a dispneia1?

Nos casos de dispneia1 é importante determinar a causa do problema. A falta de ar é facilmente detectável pela observação e a dificuldade de respirar é evidente. É muito importante fazer precocemente o diagnóstico32, já que a dispneia1 pode estar vinculada a transtornos graves de saúde33.

Para definir a causa da dispneia1, o profissional terá que realizar alguns exames físicos e laboratoriais. É necessário avaliar primeiramente o grau de oxigenação do sangue6. Para tanto, o médico fará uso de um aparelho chamado oxímetro de pulso, capaz de verificar o grau de oxigênio no sangue6 (saturação do sangue6) apenas com a utilização da extremidade dos dedos.

Como o médico trata a dispneia1?

O tratamento da dispneia1 envolve uma série de alternativas, dependendo da sua causa. Enquanto o problema não for esclarecido, é preciso garantir que o paciente receba o oxigênio necessário para sobreviver. Intubações e adaptações de ventiladores mecânicos podem ser medidas necessárias.

Como alguns problemas não possuem solução simples ou rápida, muitas pessoas precisam aprender a lidar com a falta de ar. Alguns indivíduos necessitam passar até mesmo mais de 12 horas por dia com máscaras de oxigênio no rosto.

Veja também sobre "Hipóxia34", "Insuficiência respiratória35", "Intubação endotraqueal" e "Ventilação36 mecânica".

 

ABCMED, 2017. Falta de ar - como acontece? O que fazer?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1299303/falta-de-ar-como-acontece-o-que-fazer.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
2 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Decúbito: 1. Atitude do corpo em repouso em um plano horizontal. 2. Na história da medicina, é o momento em que o paciente é levado a deitar-se devido à doença.
4 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
8 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
9 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
10 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Edema pulmonar: Acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Pode levar a dificuldades nas trocas gasosas e dificuldade respiratória.
13 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
14 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
15 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
16 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
17 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
18 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
19 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
20 Asbestose: É a cicatrização disseminada do tecido pulmonar causada pela aspiração de pó de asbesto (amianto). Quando inaladas, as fibras de asbesto depositam-se profundamente nos pulmões, provocando a formação de cicatrizes. A inalação de asbesto pode acarretar o espessamento das pleuras. Os indivíduos que trabalham com asbesto apresentam risco de desenvolver uma doença pulmonar. Os operários do setor de demolição, que trabalham em edifícios com isolamento que contém asbesto, também correm risco, embora menor. Quanto mais o indivíduo se expõe às fibras de asbesto, maior é o risco de ele desenvolver uma doença relacionada a esse material.
21 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
22 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
23 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
24 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
25 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
26 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
27 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
28 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
29 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
30 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
31 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
32 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
33 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
34 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
35 Insuficiência respiratória: Condição clínica na qual o sistema respiratório não consegue manter os valores da pressão arterial de oxigênio (PaO2) e/ou da pressão arterial de gás carbônico (PaCO2) dentro dos limites da normalidade, para determinada demanda metabólica. Como a definição está relacionada à incapacidade do sistema respiratório em manter níveis adequados de oxigenação e gás carbônico, foram estabelecidos, para sua caracterização, pontos de corte na gasometria arterial: PaO2 50 mmHg.
36 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.