Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença arterial coronariana

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a doença arterial coronariana?

A doença arterial coronariana ou doença cardíaca coronária é uma doença na qual uma placa1 de substância cerosa se forma e adere às paredes das artérias coronárias2, prejudicando o fluxo de sangue3 rico em oxigênio para o músculo cardíaco4.

Quais são as causas da doença arterial coronariana?

As pesquisas sugerem que a doença arterial coronariana começa quando certos fatores danificam as camadas internas das artérias coronárias2. Esses fatores incluem fumo, níveis elevados de certas gorduras e colesterol5 no sangue3, pressão arterial6 elevada, altos níveis de açúcar7 no sangue3 e inflamação8 dos vasos sanguíneos9. Uma placa1 de aterosclerose10 pode começar a se acumular no ponto onde as artérias11 estão danificadas e estreitar progressivamente a luz dessas artérias11.

Embora a doença se manifeste a partir da segunda metade da vida, a placa1 nas paredes das artérias11 coronarianas pode começar na infância. Coágulos sanguíneos podem estreitar ainda mais as artérias coronárias2 e piorar a angina12. Se um coágulo13 se tornar grande o suficiente, ele pode obstruir por completo a artéria14 coronária e causar um infarto do miocárdio15.

Saiba mais sobre "Parar de fumar", "Colesterol5 do organismo" e "Infarto do miocárdio15". 

Os principais fatores de risco são:

Qual é o mecanismo fisiológico22 da doença arterial coronariana?

A formação de placas23 aderidas às paredes das artérias11 é chamada de aterosclerose10. O acúmulo dessas placas23 ocorre ao longo de muitos anos e pode crescer progressivamente até vir a obstruir totalmente a artéria14. Com o tempo, a placa1 pode, ainda, endurecer ou romper-se.

Quando endurecida, ela estreita a luz das artérias coronárias2 e reduz o fluxo de sangue3 rico em oxigênio para o coração24. Se a placa1 se romper, um grande coágulo13 de sangue3 pode se formar e pode obstruir por completo o fluxo sanguíneo através de uma artéria14 coronária. Se o fluxo de sangue3 rico em oxigênio para o músculo cardíaco4 for muito reduzido ou bloqueado, pode ocorrer angina12 de peito25 ou um infarto26 cardíaco (“ataque” cardíaco).

Leia sobre "Aterosclerose10","Hipertensão Arterial27", "Circunferência abdominal e doenças cardiovasculares28", "Fumante passivo" e "Hipercolesterolemia29 familiar".

Quais são as principais características clínicas da doença arterial coronariana?

Algumas pessoas com doença arterial coronariana não apresentam sinais30 ou sintomas31. A doença então pode não ser reconhecida até que a pessoa tenha um infarto do miocárdio15 (“ataque cardíaco”), insuficiência cardíaca32 ou arritmia33 cardíaca (um batimento cardíaco irregular).

Um infarto do miocárdio15 ocorre quando o fluxo de sangue3 rico em oxigênio é interrompido para uma parte do músculo cardíaco4. Isso pode acontecer se uma área de placa1 de uma artéria14 coronária se rompe e as plaquetas34 se aglomeram no local para formar coágulos sanguíneos que podem obstruir totalmente o fluxo de sangue3 através da artéria14 coronária em causa. Se o bloqueio não for tratado rapidamente, a parte do músculo cardíaco4 alimentada pela artéria14 começa a morrer e o tecido35 cardíaco, que antes era saudável, é substituído por tecido35 cicatricial. Este dano cardíaco pode não ser óbvio, ou pode causar problemas graves e duradouros imediatamente detectáveis.

O sintoma36 mais comum de infarto do miocárdio15 é dor ou desconforto no peito25. A maioria dos ataques cardíacos envolve desconforto no centro ou no lado esquerdo do tórax37, que geralmente dura alguns minutos, desaparece e retorna. Esse desconforto aparece sob a forma de uma pressão desagradável, sensação de aperto ou de plenitude gástrica. A dor do ataque cardíaco às vezes pode parecer indigestão ou azia38. Os sintomas31 da angina12 de peito25 podem ser semelhantes aos sintomas31 de um ataque cardíaco embora, talvez, mais brandos. A dor da angina12 dura apenas alguns minutos, aumenta com exercício e desaparece com o descanso.

A insuficiência cardíaca32 é uma condição na qual o coração24 perde sua força e não consegue bombear sangue3 suficiente para atender as necessidades do corpo. Insuficiência cardíaca32 não significa que o coração24 parou ou está prestes a parar de funcionar, mas que funciona insuficientemente. Os sinais30 e sintomas31 mais comuns de insuficiência cardíaca32 são falta de ar ou dificuldade para respirar, fadiga39 e inchaço40 nos tornozelos, pés, pernas, estômago41 e veias42 do pescoço43. Todos esses sintomas31 são o resultado do acúmulo de fluido no corpo. Quando os sintomas31 começam, o paciente pode se sentir cansado e sem fôlego após esforço físico rotineiro.

Uma arritmia33 é um problema com o ritmo do batimento cardíaco. Quando a pessoa tem uma arritmia33, percebe que o coração24 está “pulando” batidas ou batendo muito rápido. Algumas pessoas descrevem arritmias44 como uma sensação de vibração no peito25. Algumas arritmias44 podem fazer com que o coração24 pare de repente de bater.

Veja mais sobre "Insuficiência cardíaca32", "Arritmia33 cardíaca" e "Angina12 de peito25".

Como o médico diagnostica as doenças arteriais coronarianas?

O médico diagnostica a doença arterial coronariana com base na história médica e familiar, nos fatores de risco para a doença, num exame físico e em resultados de testes e procedimentos. Se houver a suspeita de doença arterial coronariana, o médico provavelmente recomendará um ou mais dos seguintes testes: eletrocardiograma45, teste de esforço, ecocardiografia, radiografia do tórax37, exames de sangue3, angiografia46 coronária e cateterismo47 cardíaco.

Como o médico trata a doença arterial coronariana?

Tratamentos para doença cardíaca coronária incluem mudanças para um estilo de vida mais saudável para o coração24, uso de medicamentos, procedimentos médicos, cirurgia e reabilitação cardíaca. As metas de tratamento podem incluir ainda a redução do risco de formação de coágulos sanguíneos, prevenção de complicações da doença arterial coronariana, redução dos fatores de risco, alívio dos sintomas31 e dilatação ou “bypass” das artérias11 entupidas.

Como prevenir a doença arterial coronariana?

Mudanças no estilo de vida, medicamentos e procedimentos médicos podem ajudar a prevenir ou tratar doenças cardíacas coronárias. A prevenção da doença arterial coronariana pode ser feita tomando medidas para controlar os fatores de risco, como colesterol5 alto, pressão alta e obesidade18. Apenas alguns fatores de risco, como idade, sexo e histórico familiar, não podem ser controlados.

Leia também sobre "Sete passos para um coração24 saudável", "Saúde48 cardiovascular ideal na infância" e "Sinais30 de doenças cardíacas em mulheres".

 

ABCMED, 2018. Doença arterial coronariana. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1323213/doenca-arterial-coronariana.htm>. Acesso em: 10 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
2 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
8 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
9 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
10 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
11 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
12 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
13 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
14 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
15 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
16 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
17 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
18 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
19 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
20 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
21 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
22 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
23 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
24 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
25 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
26 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
27 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
28 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
29 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
30 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
31 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
32 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
33 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
34 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
35 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
36 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
37 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
38 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
39 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
40 Inchaço: Inchação, edema.
41 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
42 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
43 Pescoço:
44 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
45 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
46 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
47 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
48 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.