Atalho: 68IFDIO
Gostou do artigo? Compartilhe!

Angina de peito. Você sabe o que é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é angina1 de peito2?

A angina1, angina1 de peito2, angina1 pectoris ou angor pectoris não é uma doença, mas um conjunto de sintomas3 (uma síndrome4) que ocorre devido ao baixo suprimento de oxigênio ao músculo cardíaco5 em razão de obstruções ou espasmos6 das artérias7 coronarianas.

Essa insuficiência8 quase sempre é transitória e se verifica naquelas condições em que o coração9 exige um desgaste maior de oxigênio como esforços físicos ou excitações emocionais intensas e geralmente cede em poucos minutos, sem deixar sequelas10. Quase sempre é indicativa de uma doença coronariana11. Um de seus principais componentes é uma dor no peito2 e o termo “angor pectoris” significa algo como "estrangulamento do peito2", que é a forma característica como essa dor é sentida.

Quais as causas da angina1 de peito2?

A angina1 ocorre quando as artérias coronárias12 ficam demasiado estreitas para fornecerem sangue13 suficiente ao coração9. A sua principal causa é a aterosclerose14 das artérias7 cardíacas. Outras causas menos comuns são, por exemplo, a compressão das artérias7 por algo próximo às mesmas, inflamações15 ou infecções16 das artérias7 e doenças nas válvulas cardíacas.

Os fumantes, os obesos, os sedentários e as pessoas com colesterol17 ou pressão arterial18 alta têm mais probabilidade de ter angina1 que as demais pessoas.

Quais os sintomas3 da angina1?

O sintoma19 principal da angina1 é a dor no peito2. Na maioria das pessoas ela é referida como um desconforto no peito2, habitualmente descrito como pressão, peso, aperto, ardor20 ou sensação de choque21, localizado principalmente no centro do peito2, nas costas22 ou no pescoço23, no queixo ou nos ombros, com frequentes irradiações para os braços (esquerdo principalmente).

Em geral, é exacerbada pelo excesso de estresse emocional, pelo esforço físico, pela digestão24 depois de uma refeição farta e por temperaturas frias. Essa dor dura de um a cinco minutos e pode ser acompanhada por suor e náuseas25 em alguns casos e é aliviada pelo repouso ou por medicação específica.

Como se faz o diagnóstico26 da angina1?

As primeiras suspeitas podem ser levantadas pelo exame clínico que detecte sintomas3 típicos.

Nas anginas em que não haja dores no peito2 e em que não tenham ocorrido problemas cardíacos anteriores, o eletrocardiograma27 é tipicamente normal, mas modificações dele podem ser observadas durante os episódios de dor.

Para se detectar eventuais deficiências circulatórias, usa-se fazer um teste ergométrico tomando-se o eletrocardiograma27 enquanto o paciente corre em uma esteira.

Em casos específicos, é necessária a realização de uma angiografia28 coronariana a qual sugerirá o tratamento a ser seguido, inclusive em casos cirúrgicos.

Qual é o tratamento da angina1?

O tratamento principal da angina1 deve visar três fatores:

  • Aliviar os sintomas3.
  • Diminuir o ritmo de progressão da doença.
  • Reduzir a ocorrência de complicações cardíacas futuras.

A nitroglicerina é usada comumente para tratar as dores agudas da angina1.

Doses baixas diárias de aspirina usadas por pacientes que não tenham problemas com o seu uso são bastante úteis em pacientes com angina1 estável.

Algumas medicações com diferentes mecanismos de ação, à base de nitrato, betabloqueadores, bloqueadores do canal de cálcio e antiagregantes plaquetários são usados para aliviar os sintomas3 da angina1.

Torna-se ainda mais importante manter controle sobre os fatores de risco para doenças cardíacas, como parar de fumar, perder peso, fazer exames para o colesterol17 alto, controlar o diabetes29 e a pressão alta, etc.

Diversas técnicas cirúrgicas, como a angioplastia30, com ou sem a colocação de stent ou uma revascularização cardíaca, podem estar indicadas.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2011. Angina de peito. Você sabe o que é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/251370/angina-de-peito-voce-sabe-o-que-e.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
2 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
5 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
6 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
7 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
8 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
9 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
10 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
11 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
12 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
15 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
16 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
18 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
19 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
21 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
22 Costas:
23 Pescoço:
24 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
25 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
28 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
29 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
30 Angioplastia: Método invasivo mediante o qual se produz a dilatação dos vasos sangüíneos arteriais afetados por um processo aterosclerótico ou trombótico.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.