Gostou do artigo? Compartilhe!

Estenose aórtica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a válvula aórtica?

A válvula aórtica, ou valva aórtica1, é uma das quatro válvulas do coração2 humano, que fica entre o ventrículo esquerdo e a aorta3. Ela é composta de um anel de sustentação, no qual normalmente são fixadas três cúspides4 ou folhetos (1 a 2% da população tem uma válvula aórtica congenitamente com dois ou quatro folhetos) que se ajustam perfeitamente quando a válvula se fecha e se afastam totalmente quando ela se abre. Nesses movimentos, ela permite que o sangue5 flua à frente quando ela se abre, na sístole6 cardíaca, e não reflua quando ela se fecha, na diástole7 cardíaca.

O que é estenose8 aórtica?

A estenose8 aórtica é uma condição em que a válvula aórtica se torna estreitada. Esse estreitamento impede que ela se abra completamente, o que reduz ou bloqueia o fluxo de sangue5 do coração2 para a aorta3 e daí para o restante do corpo. Quando o fluxo sanguíneo através da válvula aórtica é parcialmente bloqueado, o coração2 precisa trabalhar mais para bombear o sangue5 necessário para o corpo. Eventualmente, este trabalho extra limita a quantidade de sangue5 bombeado e isso pode causar sintomas9 e espessar o músculo cardíaco10.

Quais são as causas da estenose8 aórtica?

A estenose8 da válvula aórtica pode ocorrer devido a várias causas, incluindo:

  • Defeito cardíaco congênito11: o principal defeito cardíaco congênito11 ocorre quando algumas crianças nascem com uma válvula aórtica que tem apenas uma, duas ou quatro cúspides4, ao invés de três.
  • Acúmulo de cálcio na válvula: o acúmulo de cálcio na válvula pode acontecer porque o cálcio é encontrado no sangue5 circulante e com a idade as válvulas cardíacas podem acumular um depósito desse mineral, realizando a calcificação12 desta estrutura cardíaca. Como o sangue5 flui repetidamente sobre a válvula aórtica, depósitos de cálcio podem se acumular nas cúspides4 da válvula.
  • Febre reumática13: é uma complicação da infecção14 de garganta15 por estreptococos, pode resultar na formação de tecido16 cicatricial que estreita a válvula.

Qual é o mecanismo fisiológico17 da estenose8 aórtica?

Quando a válvula aórtica é estreitada, o ventrículo esquerdo tem que trabalhar mais para bombear uma quantidade suficiente de sangue5 para a aorta3 e para o resto do corpo. Isso pode fazer com que a parede do ventrículo esquerdo se espesse e aumente de volume. Eventualmente, o trabalho extra que o coração2 tem de fazer pode enfraquecer o ventrículo esquerdo e o coração2 e isso pode levar à insuficiência cardíaca18 e a outros problemas.

Quais são as principais características clínicas da estenose8 aórtica?

A estenose8 da válvula aórtica varia de leve a grave. Algumas pessoas com estenose8 leve podem não apresentar sintomas9 por muitos anos. Os sinais19 e sintomas9 da estenose8 geralmente se desenvolvem ostensivamente quando o estreitamento é grave e podem incluir: sopro cardíaco20, audível por meio de um estetoscópio; dor (angina21) ou aperto no peito22; sensação de fraqueza, tontura23 ou desmaio; falta de ar; fadiga24 e palpitações25 cardíacas.

Todos esses sintomas9 aumentam com a atividade. Além disso, principalmente em crianças, é comum que as pessoas não comam o suficiente, nem ganhem o peso normal para a idade.

Saiba mais sobre "Cardiopatias congênitas26", "Febre reumática13", "Insuficiência cardíaca18", "Sopro cardíaco20" e "Angina21 de peito22".

Como o médico diagnostica a estenose8 aórtica?

Como primeiro passo para diagnosticar a estenose8 da válvula aórtica, o médico pode rever os sinais19 e sintomas9, discutir o histórico de saúde27 do paciente e realizar um exame físico completo. Ouvindo o coração2 com um estetoscópio, um médico treinado em cardiopatias pode determinar se há sopro cardíaco20 que indique a condição anômala da válvula aórtica.

Além disso, ele pode solicitar exames para diagnosticar a condição e determinar a causa e a gravidade dela. Os testes podem incluir um ecocardiograma28, um eletrocardiograma29, radiografia de tórax30, teste de esforço, tomografia computadorizada31, ressonância magnética32 cardíaca e cateterismo33 cardíaco. Estes exames também podem ser usados para medir o tamanho da aorta3 e examinar a válvula aórtica mais de perto.

Como o médico trata a estenose8 aórtica?

O tratamento da estenose8 da válvula aórtica depende da gravidade da condição. Se os sintomas9 forem leves ou se o paciente não apresentar sintomas9, o médico poderá monitorar sua condição com consultas regulares de acompanhamento.

Eventualmente, o paciente pode precisar de cirurgia para reparar ou substituir a válvula aórtica doente. Esta cirurgia é realizada através de uma incisão34 no peito22, mas abordagens menos invasivas podem estar disponíveis, conforme o caso.

Como evolui a estenose8 aórtica?

A estenose8 da válvula aórtica pode ser tratada mesmo em lactentes35 e crianças. No entanto, a estenose8 tende a se estreitar novamente em adultos. Mesmo em adultos essa recidiva36 pode acontecer e por isso a cirurgia só é realizada em pacientes que estão muito doentes ou que estão aguardando uma substituição da válvula.

Como prevenir a estenose8 aórtica?

Algumas maneiras possíveis de prevenir a estenose8 da valva aórtica1 e as suas repercussões incluem tomar medidas para evitar a febre reumática13, controlar a pressão arterial37, a obesidade38 e os altos níveis de colesterol39 e cuidar dos dentes e das gengivas, porque pode haver uma ligação entre gengivite40 e endocardite41.

Uma vez constatada a estenose8 da válvula aórtica, o médico pode recomendar que o paciente limite atividades que sobrecarreguem o coração2.

Quais são as complicações possíveis da estenose8 aórtica?

Os efeitos de enfraquecimento cardíaco da estenose8 da válvula aórtica podem levar à insuficiência cardíaca18. Os sinais19 e sintomas9 de insuficiência cardíaca18 incluem fadiga24, falta de ar e tornozelos e pés inchados. Outras complicações incluem acidentes vasculares42 cerebrais, formação de coágulos sanguíneos, arritmias43, infecções44 que afetam o coração2 e, em casos graves, morte.

Leia mais "Arritmias43 cardíacas", "Cardiopatia reumática", "Estenose8 mitral" e "Insuficiência45 da válvula mitral".

 

ABCMED, 2018. Estenose aórtica. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1325863/estenose+aortica.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Valva Aórtica: Válvula localizada entre o ventrículo esquerdo e a aorta ascendente que previne o refluxo de sangue para dentro do ventrículo esquerdo.
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Aorta: Principal artéria do organismo. Surge diretamente do ventrículo esquerdo e através de suas ramificações conduz o sangue a todos os órgãos do corpo.
4 Cúspides: 1. Ponta aguda e geralmente alongada de (algo). 2. Por extensão de sentido, no sentido figurado, significa cume, vértice, píncaro de (alguma coisa). 3. Em geometria, é o ponto de uma curva contínua onde o vetor tangente inverte o sentido; ponto cuspidal, ponto de reversão. 4. Na odontologia, é a elevação cônica na face triturante dos dentes pré-molares e dos molares.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Sístole: Período em que o miocárdio (músculo cardíaco) se contrai. Nesta fase, o sangue é ejetado dos ventrículos para as artérias.
7 Diástole: Período em que o miocárdio (músculo cardíaco) se relaxa. Nesta fase o sangue entra nos átrios, proveniente das veias e, em seguida, passa aos ventrículos.
8 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
11 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
12 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
13 Febre reumática: Doença inflamatória produzida como efeito inflamatório anormal secundário a infecções repetidas por uma bactéria chamada estreptococo beta-hemolítico do grupo A. Caracteriza-se por inflamação das articulações, febre, inflamação de uma ou mais de uma estrutura cardíaca, alterações neurológicas, eritema cutâneo. Com o tratamento mais intensivo da faringite estreptocócica, a freqüência desta doença foi consideravelmente reduzida.
14 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
16 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
17 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
18 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
19 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
20 Sopro cardíaco: Som produzido pela alteração na turbulência dos fluxos cardíacos, devido a anormalidades nas válvulas e divisões cardíacas. Também pode ser auscultado em pessoas normais sem doença prévia (sopro benigno ou inocente).
21 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
22 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
23 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
24 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
25 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
26 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
27 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
28 Ecocardiograma: Método diagnóstico não invasivo que permite visualizar a morfologia e o funcionamento cardíaco, através da emissão e captação de ultra-sons.
29 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
30 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
31 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
32 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
33 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
34 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
35 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
36 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
37 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
38 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
39 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
40 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
41 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
42 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
43 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
44 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
45 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.