Gostou do artigo? Compartilhe!

Isotretinoína: prós e contras

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O problema da acne1

A acne1 é um sério problema estético para muitas pessoas, especialmente para as mulheres adolescentes. Sua ocorrência principal é na face2, conferindo um aspecto inestético3 e inevitavelmente visível pelas demais pessoas. Se apenas uma lesão4 é bastante para tirar o sossego da pessoa, imagine os casos em que a face2 é abundantemente pontilhada pelas lesões5... A isotretinoína é uma substância muito eficaz para tratar a acne1, embora imponha restrições e tenha efeitos colaterais6 desagradáveis, exigindo, por isso, um acompanhamento médico mais estrito.

O que é a isotretinoína?

A isotretinoína (Roacutan) é um fármaco7 utilizado pela medicina no tratamento da acne1 severa, rosácea e acne1 resistente. É utilizado também como medicamento na quimioterapia8 de certos tipos de cânceres, como o Neuroblastoma, por exemplo. Trata-se de um isômero sintético da tretinoína, uma substância teratogênica9, cujo uso na gravidez10 é expressamente proibido. No Brasil, a isotretinoína é comercializada com o nome Roacutan e também é vendida como droga genérica.

Saiba mais sobre "Acne1", "Acne1 nos adolescentes", "Acne1 na mulher adulta", "Rosácea" e "Neuroblastoma".

Qual é o mecanismo de ação da isotretinoína?

Ainda não se conhece o exato mecanismo de atuação da isotretinoína, mas os pesquisadores sugerem que o fármaco7 regula fatores que desencadeiam uma série de mecanismos que resultam em apoptose11 (morte celular programada) de várias células12 do organismo. Esta hipótese explicaria todos os efeitos colaterais6 causados pela droga.

No que se refere ao tratamento da acne1, seu efeito consiste na redução do tamanho da glândula13 sebácea e redução da secreção oleosa. A isotretinoína consegue também eliminar as condições que propiciam o desenvolvimento de bactérias, agindo ainda para evitar a obstrução da abertura dos folículos pilosos (poros), reduzindo a inflamação14.

Como usar a isotretinoína?

A isotretinoína pode ser usada por via oral (cápsulas) ou tópica (creme). As cápsulas não devem ser abertas, cortadas ou mastigadas e devem ser administradas durante as refeições, juntamente com algum alimento rico em gordura15 para melhorar a absorção. A isotretinoína somente deve ser prescrita por médicos que entendam do risco de teratogenicidade (malformação16 fetal) associada ao tratamento.

A duração do tratamento é de aproximadamente 6 a 8 meses, a critério médico. As doses usuais são de 0,5 a 1 mg por quilograma de peso. Geralmente, há uma melhora da acne1 desde o início do tratamento, mas é possível ocorrer uma piora temporária, antes da involução gradativa e desaparecimento das lesões5.

Quais são os efeitos secundários e cuidados ao tomar isotretinoína?

Estudos recentes sugerem que a isotretinoína pode estar associada a um aumento de casos de depressão e de disfunção erétil. Outros possíveis efeitos colaterais6, reversíveis na maioria dos casos, são: ressecamento labial e das mucosas17 bucal, nasal, genital e ocular; queda e ressecamento dos cabelos; sangramento nasal; ressecamento intenso da pele18; dores musculares e nas articulações19; diminuição da imunorresistência; asma20 ou bronquite; dor de cabeça21; aumento do colesterol22 LDL23 (mau colesterol22) e triglicerídeos; redução do colesterol22 HDL24 (bom colesterol22); urticária25; alterações das enzimas hepáticas26; hipotireoidismo27; pancreatite28 (inflamação14 do pâncreas29) e hepatite30 (inflamação14 do fígado31); além de redução dos níveis de testosterona e lesões5 graves aos testículos32, nos homens. Esses possíveis efeitos são individuais e dose dependentes.

A isotretinoína torna a pele18 mais sensível ao sol e a pessoa deve ser protegida com o uso de filtros solares, mesmo nas exposições pouco duradouras. O ressecamento das mucosas17 pode ser combatido com cremes umectantes nos lábios, soro33 fisiológico34 no nariz35, lubrificante ocular nos olhos36 e lubrificante próprio para mucosa37 genital feminina. Os usuários de lentes de contato podem necessitar de lubrificantes oculares com maior frequência.

Os antibióticos do tipo tetraciclina ou derivados devem ser evitados, devido à possibilidade de surgirem efeitos colaterais6 resultantes da interação entre os dois medicamentos. A isotretinoína deve ser tomada durante ou logo após as refeições para evitar efeitos irritativos sobre o estômago38.

A pessoa que esteja tomando a medicação ou que a tenha tomado há menos de um mês não deve doar sangue39 nem deve fazer exercícios físicos puxados. Deve-se evitar também a ingestão de bebidas alcoólicas durante o tratamento. A terapêutica40 concomitante com vitamina41 A deve ser evitada, pois os sintomas42 de hipervitaminose A podem ser intensificados.

Quem não deve tomar isotretinoína?

Na gravidez10 e aleitamento, a mulher tem contraindicação absoluta de tomar isotretinoína, porque ela causa graves defeitos na face2, nas orelhas43, no coração44 e no sistema nervoso45 do feto46. Nas mulheres em período fértil, é extremamente importante que não engravidem durante o tratamento, devendo aguardar até, no mínimo, um mês após o mesmo.

A isotretinoína também não deve ser tomada por pessoas com hipersensibilidade à droga ou alergia47. A isotretinoína é desaconselhada para pessoas com níveis elevados de vitamina41 A no organismo. Deve também ser evitada em caso de doença hepática48 ou insuficiência renal49 grave.

Veja também sobre "Tipos de pele18", "Biotina para cabelos e unhas50", "Unhas50 fracas" e "Manchas escuras na pele18".

 

ABCMED, 2018. Isotretinoína: prós e contras. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1326668/isotretinoina+pros+e+contras.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
2 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
3 Inestético: Contrário à estética, ao bom gosto; não estético.
4 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
7 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
8 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
9 Teratogênica: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Apoptose: Morte celular não seguida de autólise, também conhecida como “morte celular programada“.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
14 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
15 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
16 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
17 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
18 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
19 Articulações:
20 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
21 Cabeça:
22 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
23 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
24 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
25 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
26 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
27 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
28 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
29 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
30 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
31 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
32 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
33 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
34 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
35 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
36 Olhos:
37 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
38 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
39 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
40 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
41 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
42 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
43 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
44 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
45 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
46 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
47 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
48 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
49 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
50 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.