Gostou do artigo? Compartilhe!

Dor no peito ao respirar? Pode ser pleurite!

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é pleurite?

Pleurite, também chamada pleurisia, é a inflamação1 das pleuras, duas camadas finas de tecido2 que separam os pulmões3 da parede torácica4 e que revestem os pulmões3 e a parede do peito5.

Quais são as causas da pleurite?

As causas mais comuns da pleurite são as infecções6 virais. Entre outras possíveis causas estão a pneumonia7, câncer8 do pulmão9, embolia10 pulmonar, doenças autoimunes11, sequelas12 de cirurgia cardíaca, pancreatite13, trauma torácico e asbestose14 (doença causada pela aspiração do pó de amianto).

Qual é o substrato fisiopatológico da pleurite?

A pleura15 é constituída por duas camadas: uma camada de tecido2 envolve a parte externa dos pulmões;16 a outra, reveste internamente a parede torácica4. Entre essas duas camadas existe um pequeno espaço, chamado espaço pleural, que geralmente é preenchido com uma quantidade muito pequena de líquido, o qual permite que essas camadas deslizem suavemente uma sobre a outra, sem atrito, à medida que os pulmões3 se expandem e se contraem durante os movimentos respiratórios.

Na pessoa que tem pleurite, essas camadas normalmente incham e ficam inflamadas e, como resultado, roçam uma na outra como duas lixas, causando dor ao inspirar e expirar.

Leia sobre "Água no pulmão9 ou derrame17 pleural", "Empiema18 pleural ou pus19 na cavidade pleural20" e "Pneumotórax21".

Quais são as características clínicas da pleurite?

Um dos sintomas22 da pleurite é a dor no peito5, devido a que os tecidos inchados e inflamados das camadas da pleura15 roçam um no outro. A dor pleurítica piora quando a pessoa respira, tosse ou espirra, e diminui ou cessa quando ela prende a respiração, porque deixa de haver atrito.

Quando há uma boa quantidade de líquido no espaço pleural, mesmo que patológica, a dor pleurítica também pode diminuir ou desaparecer, porque as duas camadas da pleura15 não estão mais em contato e não se esfregam.

Sintomas22 adicionais de pleurite podem incluir dor nos ombros e nas costas23; respiração superficial (para evitar sentir dor); dores de cabeça24; dor nas articulações25; dores musculares; falta de ar.

Como o médico diagnostica a pleurite?

Para diagnosticar a pleurite, o médico provavelmente começará levantando a história médica da pessoa e fazendo um exame físico, incluindo o exame de tórax26 com um estetoscópio. Para identificar a causa, o médico pode recomendar:

(1) um exame de sangue27 para confirmar ou descartar uma infecção28 e para detectar um eventual distúrbio autoimune29;

(2) radiografias do tórax26, para mostrar se os pulmões3 estão totalmente inflados ou se há ar ou líquido entre os pulmões3 e as costelas30;

(3) tomografia computadorizada31, para mostrar a condição da pleura15 e se há outras causas de dor, como um coágulo32 de sangue27 no pulmão9;

(4) ultrassonografia33, para determinar a existência ou não de derrame17 pleural;

(5) um eletrocardiograma34, para descartar certos problemas cardíacos que também causam dor no peito5.

Em alguns casos, o médico pode remover fluido e/ou tecido2 eventualmente existente no espaço pleural para exame, por meio de uma toracocentese35 (inserção de uma agulha entre as costelas30), ou pode realizar uma toracoscopia (visão36 direta do interior do tórax26) para procurar anormalidades ou para obter uma amostra de tecido2 pleural ou pulmonar para biópsia37.

Como o médico trata a pleurite?

O tratamento da pleurite depende fundamentalmente da causa subjacente. Por exemplo: se a causa for viral, a pleurite pode se resolver sozinha; se a causa for pneumonia7 bacteriana, um antibiótico será prescrito para controlar a infecção28. Além disso, o tratamento dos sintomas22 pode ser feito com anti-inflamatórios, analgésicos38 e outras medicações de suporte.

Como evolui a pleurite?

O resultado do tratamento da pleurite depende da gravidade da doença subjacente. Se a condição que causou a pleurite for diagnosticada e tratada precocemente, uma recuperação completa pode ser esperada. Os casos de morte por essa doença são bastante raros.

Quais são as complicações possíveis com a pleurite?

Em alguns casos de pleurite, um fluido resultante de exsudação39 se acumula no pequeno espaço entre as duas camadas da pleura15, constituindo aquilo que se chama de derrame17 pleural. Uma grande quantidade de líquido no espaço pleural pode criar pressão, comprimindo o pulmão9 a ponto de entrar em colapso40 parcial ou total (atelectasia41). Isso torna a respiração difícil e pode causar tosse. O líquido extra também pode infeccionar, resultando em um acúmulo de pus19, sendo chamado de empiema18. Um empiema18 costuma ser acompanhado de febre42.

Veja também sobre "Síndrome43 respiratória aguda grave (SARS)", "Saturação de oxigênio", "Oxigenoterapia" e "Tipos de oxímetros".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic e da Johns Hopkins Medicine.

ABCMED, 2021. Dor no peito ao respirar? Pode ser pleurite!. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1393280/dor-no-peito-ao-respirar-pode-ser-pleurite.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
2 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
3 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
4 Parede torácica: A parede torácica abrange a caixa torácica óssea, os músculos da caixa torácica e o diafragma. Ela abriga órgãos como o coração, pulmões e á atravessada pelo esôfago no seu trajeto em direção ao abdome.
5 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
8 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
9 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
10 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
11 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
12 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
13 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
14 Asbestose: É a cicatrização disseminada do tecido pulmonar causada pela aspiração de pó de asbesto (amianto). Quando inaladas, as fibras de asbesto depositam-se profundamente nos pulmões, provocando a formação de cicatrizes. A inalação de asbesto pode acarretar o espessamento das pleuras. Os indivíduos que trabalham com asbesto apresentam risco de desenvolver uma doença pulmonar. Os operários do setor de demolição, que trabalham em edifícios com isolamento que contém asbesto, também correm risco, embora menor. Quanto mais o indivíduo se expõe às fibras de asbesto, maior é o risco de ele desenvolver uma doença relacionada a esse material.
15 Pleura: Membrana serosa que recobre internamente a parede torácica e a superfície pulmonar.
16 Pulmões;: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
17 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
18 Empiema: Coleção de pus na cavidade pleural.
19 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
20 Cavidade pleural: Cavidade dupla (porém, separada) dentro da CAVIDADE TORÁCICA. Consiste em um espaço entre as PLEURAS visceral e parietal e contém normalmente uma camada capilar de um líquido seroso que lubrifica as superfícies da pleura.
21 Pneumotórax: Presença de ar na cavidade pleural. Como o pulmão mantém sua forma em virtude da pressão negativa existente entre a parede torácica e a pleura, a presença de pneumotórax produz o colapso pulmonar, podendo levar à insuficiência respiratória aguda. Suas causas são traumáticas (ferida perfurante no tórax, aumento brusco da pressão nas vias aéreas), pós-operatórias ou, em certas ocasiões, pode ser espontâneo.
22 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
23 Costas:
24 Cabeça:
25 Articulações:
26 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
27 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
28 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
29 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
30 Costelas:
31 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
32 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
33 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
34 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
35 Toracocentese: Punção da cavidade pleural para drenar um derrame.
36 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
37 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
38 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
39 Exsudação: Líquido que, transudando pelos poros de uma planta ou de um animal, adquire consistência viscosa na superfície onde aparece.
40 Colapso: 1. Em patologia, é um estado semelhante ao choque, caracterizado por prostração extrema, grande perda de líquido, acompanhado geralmente de insuficiência cardíaca. 2. Em medicina, é o achatamento conjunto das paredes de uma estrutura. 3. No sentido figurado, é uma diminuição súbita de eficiência, de poder. Derrocada, desmoronamento, ruína. 4. Em botânica, é a perda da turgescência de tecido vegetal.
41 Atelectasia: Colapso total ou parcial de um órgão do corpo, geralmente do pulmão. Ocorre uma falta de expansão dos alvéolos de uma parte do pulmão ou do pulmão inteiro devido a uma ausência de ventilação consecutiva à obstrução total ou parcial de um brônquio.
42 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
43 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.