Atalho: 6YYOTOT
Gostou do artigo? Compartilhe!

“Água no pulmão” ou derrame pleural: o que é isso? Quando ocorre? Como são o diagnóstico e o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é “água no pulmão”?

Para compreendermos o que seja ”água no pulmão” precisamos compreender o que seja a pleura1. A pleura1 é a membrana que envolve os pulmões2. Ela é composta por duas camadas, a pleura1 visceral, interna, colada ao pulmão3, e a pleura1 parietal, externa, que fica em contato com as estruturas anatômicas ao redor dos pulmões2. Entre ambas, há uma fina camada de líquido lubrificante. Quando alguma enfermidade atinge as pleuras, sobretudo se infecciosa, esse líquido é produzido em grande quantidade e se acumula entre suas duas “folhas”, gerando o que medicamente se chama derrame4 plural e que é popularmente conhecido como ”água no pulmão”. Na verdade não é “água”, mas líquido biológico, nem está localizada no “pulmão”, mas na pleura1. É sempre uma situação potencialmente grave, indicando certo grau de perigo.

Quais são as causas da “água no pulmão”?

As causas da “água no pulmão” são múltiplas, mas as principais são: complicações cardíacas, tumores, reações secundárias a medicamentos ou infecção5 viral. Pode ocorrer também, embora menos frequentemente, em casos de inalação de substâncias tóxicas, alergia6 a medicamentos, obstrução das vias aéreas superiores, infecções7 outras, traumatismo8 nos pulmões2, etc.

Água no pulmão

Quais são os principais sinais9 e sintomas10 da “água no pulmão”?

Quando o acúmulo de líquido na pleura1 é pouco volumoso, pode nem chegar a dar sintomas10. Todavia, quando esse volume é maior e comprime os pulmões2, pode gerar dificuldade em respirar, palidez, pontas dos dedos e lábios arroxeados, etc. Pode ocorrer ainda tosse, aperto no peito11 e respiração ruidosa, dificuldade para ficar deitado, etc. Quanto mais volumoso for o derrame4 pleural e quanto mais rapidamente ele se formar, maiores serão os sintomas10. Quando o derrame4 se forma rapidamente os sintomas10 são evidentes, mas quando ele é de formação lenta os sintomas10 podem passar despercebidos durante certo tempo. A esses sintomas10 básicos que acontecem em decorrência da coleção líquida se somam os da enfermidade de base, aquela que causa o derrame4 na pleura1.

Como o médico diagnostica a “água no pulmão”?

Geralmente, as auscultas cardíaca e pulmonar já fornecem indícios do derrame4 pleural, mostrando uma área de silêncio, no tórax12, mas para confirmar o diagnóstico13 é necessário uma radiografia do tórax12. Coleções líquidas muito pequenas só podem ser diagnosticadas por meio da tomografia computadorizada14 ou da ultrassonografia15. Uma vez constatada a presença de líquido, o mesmo pode ser retirado por toracocentese16 (punção do líquido com uma agulha introduzida através do tórax12, entre as costelas17) e analisado em laboratório quanto a seus aspectos físicos, presença de células18 e composição química. Se necessário pode-se ainda realizar um toracoscopia, com introdução de um endoscópio (aparelho contendo em sua extremidade uma câmera de filmagem) dentro da cavidade pleural19 para visualização da pleura1 e dos pulmões2 e eventual realização de uma biópsia20.

Como o médico trata a “água no pulmão”?

O tratamento da “água no pulmão” depende da sua causa, mas uma providência geral, sobretudo quando a quantidade de líquido é grande, consiste em retirá-lo por meio de uma toracocentese16, associada ao uso de diuréticos21 e cateter ou máscara de oxigênio que ofereçam mais oxigênio ao paciente, quando for o caso. O paciente deve ser mantido sentado. Essas providências são apenas sintomáticas e visam apenas melhorar as condições respiratórias. A fisioterapia22 pode melhorar a perfusão sanguínea e facilitar a respiração. Além disso, deve ser eliminada a causa da ”água no pulmão”, sempre que possível.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic, da National Institutes of Health e da American Society of Clinical Oncology (ASCO).

ABCMED, 2013. “Água no pulmão” ou derrame pleural: o que é isso? Quando ocorre? Como são o diagnóstico e o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/352834/agua-no-pulmao-ou-derrame-pleural-o-que-e-isso-quando-ocorre-como-sao-o-diagnostico-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 16 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pleura: Membrana serosa que recobre internamente a parede torácica e a superfície pulmonar.
2 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
3 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
4 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
7 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
12 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
15 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
16 Toracocentese: Punção da cavidade pleural para drenar um derrame.
17 Costelas:
18 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
19 Cavidade pleural: Cavidade dupla (porém, separada) dentro da CAVIDADE TORÁCICA. Consiste em um espaço entre as PLEURAS visceral e parietal e contém normalmente uma camada capilar de um líquido seroso que lubrifica as superfícies da pleura.
20 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
21 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
22 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

21/01/2016 - Comentário feito por Mozângela
Minha sogra está com água no pul...
Minha sogra está com água no pulmão. O que li aqui vai nós ajudar muito, pois aprendi que existe um desconforto quando fica deitado justificando assim a inquietação dela. Muito obrigada

31/01/2015 - Comentário feito por elizete
é a primeira vez que ouço que se ...
é a primeira vez que ouço que se tem um derrame pleural até em tão nunca obtive essa informação por conta do pai da minha amiga que ta com isso e sinceramente eu não sabia de nada mas acho que neste caso será muito difícil ele escapa desta porque ele fumou avida toda e tem diabete é idoso e não tem acompanhamento médico e eu peço que deus os prepare e esse site me deixou bem informada no assunto obrigado

18/05/2014 - Comentário feito por FERNANDO
MINHA ESPOSA FAZ HEMODIALISE HÁ 17 ANOS ...
MINHA ESPOSA FAZ HEMODIALISE HÁ 17 ANOS E A + OU - 3 MESES FICOU INTERNADA NO HC DE RECIFE E POR CAUSA DE UMA ALERGIA AO MEDICAMENTO METOTREXATO 10 MG E RECEBEU ALTA COM 2 DIAS DEPOIS VOLTOU COM PROBLEMAS DE RESPIRAÇÃO(CARDÍACA) FOI TRATADA E RECEBEU ALTA NOVAMENTE LOGO DEPOIS FICOU SE SENTINDO MAL COM DOR NO PEITO,RESPIRAÇÃO COMPLICADA,DOR NAS COSTAS E A NOITE QUANDO DEITAVA DOÍA MAIS AI FOI FEITO UMA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E DESCOBRIU QUE ESTAVA COM ÁGUA NO PULMÃO EU NÃO SABIA COMO SERIA TRATADO ESSE CASO DELA E COM ESSA PESQUISA ABRIU MAIS A MINHA MENTE,MUITO OBRIGADO PELAS INFORMAÇÕES SOU AGENTE DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE OLINDA A 8 ANOS VIVENDO E APRENDENDO.

06/02/2014 - Comentário feito por kelly
Re: “Água no pulmão” ou derrame pleural: o que é isso? Quando ocorre? Como são o diagnóstico e o tratamento?
muito proveitosa minha pesquisa, esclareceu minha duvuda estou satisfeitíssima...

27/10/2013 - Comentário feito por Luciana
Re: “Água no pulmão” ou derrame pleural: o que é isso? Quando ocorre? Como são o diagnóstico e o tratamento?
Há três semanas fiz uma cirurgia "PAN HISTERECTOMIA", após 6 dias de internação tive alta, 2 dias depois voltei para o hospital com pressão alta, edema e muita falta de ar. Após o Rx, foi descoberto o derrame pleural. Sentia muita falta de ar. dores nas costas, ombro e pescoço. Passei mais 6 dias no hospital. A causa foi aspirado muito líquido durante a cirurgia, já estava com o derrame quando ganhei a primeira alta. Como tenho doença de Addison e diabetes, foi mais um dos fatores para a piora do quadro.

  • Entrar
  • Assinar