Gostou do artigo? Compartilhe!

Fumante passivo - como evitar os danos?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é fumante passivo?

Fumante passivo é a pessoa que fica permanentemente exposta ao ar contaminado pela fumaça ambiental do tabaco, em geral proveniente de uma pessoa que fuma cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos, etc.

Quem é o fumante passivo?

O fumante passivo é uma pessoa que convive muito próximo e permanentemente com outra que fuma, como esposa, marido, filhos, colegas de trabalho, etc. Os principais locais de exposição ao tabagismo passivo são, pois, a residência e o ambiente de trabalho. Os efeitos da exposição dependem do número de cigarros fumados, do tamanho do local, da circulação1 do ar no ambiente e da duração do tempo de exposição.

O índice de exposição também é elevado entre frequentadores de bares, restaurantes e casas noturnas. Nos espaços reservados para fumantes, mesmo havendo ventilação2 adequada, a concentração de agentes tóxicos no ar pode ser muito elevada.

Saiba mais sobre "Parar de fumar", "Asma3 brônquica" e "Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)".

Qual é o mecanismo fisiológico4 que ocorre no organismo de um fumante passivo?

Não existe um nível seguro de exposição passiva à fumaça. Mesmo pequenas exposições podem trazer riscos à saúde5, aumentando a ocorrência de doenças e morte. A queima do cigarro libera mais de 4.000 substâncias químicas, capazes de irritar os olhos6 e as vias respiratórias, dentre as quais há cerca de 50 agentes capazes de provocar câncer7.

Leia também sobre "Câncer7 de pulmão8" e "Enfisema9 pulmonar".

Quais são as principais características clínicas do fumante passivo?

As pessoas não fumantes quando expostas à fumaça de cigarro podem se sentir muito incomodadas e apresentar irritação nos olhos6, dor de cabeça10 e de garganta11, enjoo e dificuldade respiratória. Além disso, os não fumantes, quando em presença de fumantes, podem apresentar tosse intermitente12, irritação na laringe13, odores no suor e nas vestes; falta de apetite; falta de olfato e de paladar14.

Como se caracteriza o fumante passivo?

A caracterização do fumante passivo parte da história pessoal da pessoa. Além disso, a cotinina, dosada no sangue15, indica a intensidade de exposição ao tabagismo.

Como prevenir-se das consequências de ser fumante passivo?

A Lei Anti-Fumo proíbe fumar cigarros, charutos, cachimbos, narguilés e outros produtos derivados do tabaco em locais coletivos, públicos ou privados, de todo o país. A prevenção individual cabe principalmente à pessoa que fuma. Idealmente, ela deveria parar de fumar. Se isto for impossível ela deve, pelo menos, fumar à distância das demais pessoas, de preferência em locais abertos. Os não-fumantes, por seu turno, devem evitar a companhia frequente de fumantes.

Quais são as complicações possíveis do fumante passivo?

O tabagismo passivo pode causar as mesmas doenças provocadas pelo tabagismo ativo, incluindo câncer7 de pulmão8, doenças respiratórias e cardiovasculares. Na gravidez16, pode prejudicar o crescimento do feto17 e aumentar o risco de complicações da gestação e do parto, tais como parto prematuro, baixo peso ao nascer e mesmo morte fetal.

Os recém-nascidos ou crianças pequenas quando expostos à fumaça do cigarro têm maior risco de morte súbita, bronquite, pneumonia18, asma3 ou exacerbações da asma3 e infecções19 de ouvido. O crescimento das crianças também pode ser prejudicado. Nos adultos, o tabagismo passivo pode provocar doenças crônicas e aumentar a mortalidade20. Mesmo quando a exposição é interrompida, a diminuição é gradual e ocorre ao longo do tempo.

O tabagismo passivo é um importante causador de agravamento no caso de pessoas com asma3, alergias e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). O tabagismo passivo também diminui a capacidade para o exercício físico. A convivência com um fumante aumenta o risco de derrame21 cerebral, doenças cardiovasculares22 e diminui o colesterol23 bom, mesmo em pessoas jovens. Afeta, também, a coagulação24 do sangue15, favorecendo a ocorrência de tromboses25. Os riscos de arritmias26 cardíacas, infarto do miocárdio27, perda da visão28 por degeneração29 da retina30 e mesmo morte, também aumentam.

Veja mais sobre "Infarto do Miocárdio27", "Acidente Vascular Cerebral31", "Alergia32 respiratória" e "Rinite33".

 

ABCMED, 2016. Fumante passivo - como evitar os danos?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1283403/fumante+passivo+como+evitar+os+danos.htm>. Acesso em: 10 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
2 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
3 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
4 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Olhos:
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
9 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
10 Cabeça:
11 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
12 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
13 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
14 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
17 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
18 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
19 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
21 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
22 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
23 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
24 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
25 Tromboses: Formações de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Podem ser venosas ou arteriais e produzem diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
26 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
27 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
28 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
29 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
30 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
31 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
32 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
33 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.