Gostou do artigo? Compartilhe!

Mastalgia - causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é mastalgia1?

Mastalgia1 significa dor nas mamas2, comumente encontrada nas mulheres, mas que também pode ocorrer nos homens. Acredita-se que esteja presente em até 69% das mulheres e é mais frequente entre as idades de 30 e 50 anos, sendo o sintoma3 mais comum relacionado à mama4 que leva as mulheres a uma consulta médica.

Quais são as causas da mastalgia1?

A dor mamária pode ser devido a alterações cíclicas normais nos níveis hormonais ou causada por certas doenças sistêmicas ou da própria mama4. A dor mamária é também um efeito colateral5 frequente nas terapias hormonais, como no uso de pílulas anticoncepcionais ou na reposição hormonal em mulheres na menopausa6.

Certas medicações como a teofilina e a espironolactona, também podem causar ginecomastia7 (aumento das mamas2) e dor nas mamas2 em homens e em mulheres. Dor, sensibilidade mamária e secreção mamilar podem ainda ser causadas por ectasia (aumento) dos ductos lácteos presentes nos seios8.

Outras doenças ou condições envolvidas são mastite9 (inflamação10 da mama4), que é principalmente causada por estase11 do leite; inchaço12 do mamilo e/ou pele13 ao redor do mamilo, durante o processo de lactação14; câncer15 inflamatório da mama4 (subtipo de câncer15 de mama4), que geralmente se mostra como uma mama4 vermelha, inflamada e dolorida; e o câncer15 de mama4 masculino, que pode apresentar-se como um nódulo16 mamário dolorido.

Saiba mais sobre "Pílulas anticoncepcionais", "Terapia de reposição hormonal", "Menopausa6" e "Ginecomastia7".

Quais são as principais características clínicas da mastalgia1?

A dor mamária associada às alterações hormonais do ciclo menstrual é de natureza cíclica e varia com a fase do mês. Essa dor mamária, de natureza fisiológica17, se apresenta cerca de uma semana antes do início da menstruação18. Afeta mais frequentemente as duas mamas2 e é pior no quadrante superior externo das mamas2.

Um terço das mulheres pode, no entanto, ter uma dor não cíclica (não relacionada com o ciclo menstrual), que é menos sensível ao tratamento. Este tipo de dor mamária também é tipicamente associado a alterações fibrocísticas, que são tumores não cancerosos causados por alterações hormonais durante o ciclo menstrual e que desaparecem após a menopausa6, a qual ocorre, em média, perto dos 51 anos.

Leia sobre "Ciclo menstrual", "Transtorno disfórico pré-menstrual", "TPM", "Alívio da TPM" e "Cistos de ovários19".

Como o médico diagnostica a mastalgia1?

O diagnóstico20 das causas de dor nas mamas2 depende fundamentalmente do relato da(o) paciente e de um exame físico que examine os seios8 e as áreas circundantes, incluindo as axilas, procurando por alterações da pele13, linfonodos21 aumentados, nódulos mamários e secreção mamilar.

O médico acrescentará investigações adicionais, como exames de imagem e de sangue22, que podem ser necessários para determinar a causa da dor mamária ou determinar o tipo de tratamento necessário. Uma mamografia23 pode ser feita para detectar ou descartar possíveis lesões24 na mama4. A ultrassonografia25 é útil na detecção de nódulos no local da dor, se presentes. Também pode ser usada na localização de abscessos26, se a drenagem27 cirúrgica for necessária.

Um diferencial deve ser estabelecido com outras condições que envolvem dores nas mamas2. Elas incluem problemas musculares, esqueléticos e mecânicos, que podem causar dor na parede torácica28 e imitar dor no peito29. Lesões24 medulares cervical e/ou torácica também podem resultar em dor referida à parede torácica28 e mimetizar a dor mamária.

A espondilite anquilosante (doença inflamatória crônica que afeta o esqueleto30) também pode envolver a parede torácica28 e apresentar dor semelhante à dor mamária. A síndrome31 de Tietze (aumento da cartilagem32 ao redor do osso do peito29) é outra condição que pode ser confundida com dor mamária. Problemas mecânicos, como sutiã muito apertado ou outros problemas com o uso de sutiãs, alterações de peso corporal e a presença de seios8 grandes também podem resultar em dor nos seios8.

É até possível confundir um ataque cardíaco com dor nas mamas2. Condições gastrointestinais, como doença da vesícula biliar33, úlceras34 estomacais e pancreatite35, entre outras, podem causar dor no peito29 e serem confundidas com dor nos seios8. O câncer15 de mama4, por outro lado, raramente causa dor mamária (1,2 a 6,7% dos casos).

Veja mais sobre "Mamografia23", "Câncer15 de mama4" e "Sintomas36 de câncer15 que muitas mulheres ignoram".

Como o médico trata a mastalgia1?

O tratamento para a dor na mama4 depende de sua causa e até mesmo da causa de outras condições que não doenças da mama4. Quando se verifica que a dor no seio37 é por uso de um medicamento que a(o) paciente esteja tomando, ele deve ser diminuído ou suprimido, se possível. A simples confirmação de que a dor não é devido ao câncer15, já é um grande alívio para a maioria das mulheres.

Os tratamentos podem variar desde simplesmente usar suportes mecânicos, como os representados por um sutiã com suporte adequado para seios8 volumosos, até uma dieta com baixo teor de gordura38, restrição ou eliminação de cafeína, medicamentos como analgésicos39, anti-inflamatórios gerais ou tópicos, hormônios, moduladores seletivos dos receptores de estrogênio e outros agentes terapêuticos.

Todo paciente com mastalgia1 deve agendar uma consulta médica para verificar a causa da dor mamária.

Veja também sobre "Climatério40 e menopausa6", "Menstruação18 atrasada", "Menstruação18 forte" e "Dor na relação sexual".

 

ABCMED, 2019. Mastalgia - causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1332538/mastalgia-causas-sintomas-diagnostico-e-tratamento.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Mastalgia: Dor nas mamas. Costuma ser um distúrbio benigno em mulheres jovens devido a um desequilíbrio hormonal durante o ciclo menstrual. Mas, pode ter outras causas.
2 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
6 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
7 Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática.
8 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
9 Mastite: Inflamação da mama. Manifesta-se por dor, secreção purulenta pelo mamilo, vermelhidão local e febre. Geralmente é produzida durante o puerpério, na amamentação, por infecção bacteriana.
10 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
11 Estase: 1. Estagnação do sangue ou da linfa. 2. Incapacidade de agir; estado de impotência.
12 Inchaço: Inchação, edema.
13 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
14 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
15 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
16 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
17 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
18 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
19 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
22 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
23 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
24 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
25 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
26 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
27 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
28 Parede torácica: A parede torácica abrange a caixa torácica óssea, os músculos da caixa torácica e o diafragma. Ela abriga órgãos como o coração, pulmões e á atravessada pelo esôfago no seu trajeto em direção ao abdome.
29 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
30 Esqueleto:
31 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
32 Cartilagem: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
33 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
34 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
35 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
36 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
37 Seio: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
38 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
39 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
40 Climatério: Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.