Gostou do artigo? Compartilhe!

Espondilite anquilosante: como ela é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é espondilite anquilosante?

A espondilite anquilosante é uma doença inflamatória crônica, de etiologia1 desconhecida, do tecido conectivo2 entre os ossos da coluna vertebral3 e das articulações4 entre a coluna vertebral3 e a pelve5. Com o tempo, essa inflamação6 faz com que os ossos da coluna vertebral3 se soldem uns aos outros. O termo deriva do grego spondylos = vértebra e ankylos = enrijecimento.

Quais são as causas da espondilite anquilosante?

A causa da espondilite anquilosante é desconhecida, mas sabe-se que ocorre mais em indivíduos geneticamente predispostos e que sua incidência7 é maior em homens que em mulheres, na proporção de 4:1. A doença é trinta vezes mais comum em pessoas com histórico familiar da doença do que no restante da população. É mais frequente nos indivíduos de raça caucasiana e rara em negros. Pode ser que as células8 autoimunes9 agridam as articulações4, mas também o fato de ser uma doença inflamatória e por vezes febril permite especular que talvez possa se tratar de uma doença de etiologia1 infecciosa.

Quais são os principais sinais10 e sintomas11 da espondilite anquilosante?

A espondilite anquilosante é uma doença de jovens, tendo o seu início geralmente entre os 20 e 40 anos, mas podendo surgir antes. Ela começa com uma dor na região lombar12 que vem e vai, que piora à noite e costuma melhorar com atividades ou exercícios. A dor na coluna pode começar nas articulações4 entre a pelve5 e a coluna vertebral3 e, com o tempo, pode afetar toda a coluna. Há uma rigidez progressiva da coluna e o paciente pode perder a mobilidade na parte inferior da coluna ou não conseguir expandir totalmente o tórax13 quando as articulações4 entre as costelas14 são afetadas. Geralmente ocorre uma curvatura permanente e progressiva da coluna na região dorsal. Outros sintomas11 menos comuns são: fadiga15, uveíte16 (inflamação6 nos olhos17, na úvea18), dor no calcanhar19, rigidez no quadril, dor nas articulações4 dos ombros, joelhos e tornozelos, inapetência20, febre21 baixa. Em casos especialmente graves podem ocorrer lesões22 cardíacas, pulmonares, intestinais e na pele23.

Como o médico diagnostica a espondilite anquilosante?

Os exames complementares ao exame físico visam captar alguns sinais10 típicos da espondilite anquilosante e podem incluir: hemograma completo, sedimentação dos eritrócitos24, dosagem do antígeno25 HLA-B27, radiografias da coluna vertebral3 e da pelve5, ressonância magnética26 da coluna vertebral3 e outros exames da imagem.

Como o médico trata a espondilite anquilosante?

A doença não possui cura, mas com tratamento precoce adequado pode ser bem tolerada. Os tratamentos sintomáticos com medicamentos e fisioterapia27 visam aliviar a dor e reduzir o risco de deformações. Só se recorrerá à cirurgia se for necessário substituir a articulação do quadril28.

Como evolui a espondilite anquilosante?

A espondilite anquilosante é, potencialmente, uma doença incapacitante, embora só 25% dos pacientes evoluam para anquilose29 total da coluna.

A espondilite anquilosante é uma doença evolutiva e pode piorar com o tempo, podendo causar dor crônica e reduzir a capacidade de movimentos.

Esta condição pode provocar o enrijecimento da caixa torácica e reduzir a capacidade respiratória em alguns pacientes.

Excepcionalmente, pode ocorrer morte súbita devido a lesões22 entre as primeiras vértebras cervicais30 (C1-C2).

ABCMED, 2014. Espondilite anquilosante: como ela é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/520387/espondilite-anquilosante-como-ela-e.htm>. Acesso em: 29 mar. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
2 Tecido conectivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
3 Coluna vertebral:
4 Articulações:
5 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
8 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
9 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Região Lombar:
13 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
14 Costelas:
15 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
16 Uveíte: Uveíte é uma inflamação intraocular que compromete total ou parcialmente a íris, o corpo ciliar e a coroide (o conjunto dos três forma a úvea), com envolvimento frequente do vítreo, retina e vasos sanguíneos.
17 Olhos:
18 Úvea: A úvea, também chamada trato uveal, consta de três estruturas: a íris, o corpo ciliar e a coroide. A íris, o anel colorido que rodeia a pupila negra, abre-se e fecha-se como a lente de uma câmara fotográfica. O corpo ciliar é o conjunto de músculos que dilatam o cristalino para que o olho possa focar os objetos próximos e que o tornam mais fino ao focar os mais distantes. A coroide é o revestimento interior do olho que se estende desde a extremidade dos músculos ciliares até ao nervo óptico, localizado na parte posterior do olho.
19 Calcanhar:
20 Inapetência: Ausência de apetite, de vontade de comer; anorexia. Por extensão de sentido, é a falta de desejo ou de vontade.
21 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
22 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
23 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
24 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
25 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
26 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
27 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
28 Articulação do Quadril:
29 Anquilose: Anquilose ou ancilose é a imobilidade e a consolidação de uma articulação.
30 Vértebras Cervicais:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.