Atalho: 6IWIIOS
Gostou do artigo? Compartilhe!

Menopausa. Você já chegou nela?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é menopausa1?

A menopausa1 não é uma doença, mas um estágio normal na vida da mulher. Tecnicamente, chama-se menopausa1 a última menstruação2 da mulher, que marca o encerramento dos ciclos menstruais e da ovulação3. Essa cessação não acontece abruptamente, na maioria das vezes. Ao aproximar-se a menopausa1, os ciclos menstruais tornam-se mais irregulares e escassos e o espaçamento entre eles vai ficando maior. Por isso, considera-se que uma mulher esteja efetivamente na plena menopausa1 depois que ela deixou de menstruar há mais de um ano.

Chama-se climatério4 a fase, de limites imprecisos, que assina a transição do período fértil para o não mais fértil da mulher. O uso popular nem sempre faz distinção entre menopausa1 e climatério4 e consagrou para ambos o uso do termo menopausa1. Em termos cronológicos, a menopausa1 acontece entre os 45 e 55 anos. Daí em diante, a mulher se torna incapaz de gerar filhos.

Quais são as causas da menopausa1?

Ao nascer, a menina já traz em seus ovários5 a totalidade dos folículos que se transformarão em óvulos durante a sua vida (e que produzirão estrógenos) e gastará todo esse “estoque” entre a primeira e a última menstruação2. Assim que eles terminam, sobrevém a menopausa1.

A menopausa1 fisiológica6 é um processo normal do envelhecimento e acontece quando os ovários5 cessam a produção de estrógenos (principalmente estradiol). Fala-se em menopausa1 precoce quando os ovários5 param de funcionar antes dos 40 anos. As causas dela ainda são desconhecidas, mas algumas dessas mulheres precisarão fazer reposição hormonal com a orientação de um ginecologista ou de um endocrinologista7.

Uma menopausa1 cirúrgica pode ocorrer em qualquer idade se, por qualquer motivo, for necessária a remoção cirúrgica de ambos os ovários5.

Quais são os sintomas8 principais da menopausa1?

Há mulheres que chegam à menopausa1 sem nada sentir, principalmente as que se exercitam e têm uma alimentação balanceada. Para outras, a falta do estrogênio causa ondas de calor (que costumam ser o sintoma9 predominante), palpitações10, suores noturnos, diminuição do brilho da pele11, distribuição de gordura12 de forma mais masculina, irregularidades menstruais, secura vaginal, diminuição do desejo sexual, desequilíbrio entre as gorduras e colesterol13 do sangue14, chances maiores de ataques cardíacos, doenças cardiovasculares15, insônia, irritabilidade e depressão.

O estrogênio também é responsável pela fixação do cálcio nos ossos e por isso a sua falta pode levar as mulheres à osteoporose16, doença responsável pelo maior número de fraturas ósseas a partir da terceira idade, em mulheres.

Como tratar os sintomas8 principais da menopausa1?

Não se trata propriamente de “tratar”, no sentido habitual da palavra, já que a menopausa1 não é uma doença, mas de aliviar os sintomas8.

Uma das providências possíveis consiste na reposição de um ou mais estrogênios (que os ovários5 deixaram de produzir), usualmente em combinação com progesterona (e algumas vezes com testosterona). Essa reposição, contudo, deve ser feita sob supervisão médica estrita, porque alguns estudos indicam que ela aumenta o risco de ataques cardíacos, de trombos17 vasculares18, de acidentes vasculares18 cerebrais e de câncer19 de mama20. Além disso, em algumas pessoas pode ocorrer um sangramento vaginal semelhante às menstruações (sem ovulação3), no início da reposição hormonal.

Algumas medicações fitoterápicas e mudanças dietéticas podem ter efeito positivo no alívio das ondas de calor, como evitar o consumo de cafeína, bebidas quentes, chocolate, comidas apimentadas e álcool. Ainda faltam comprovações científicas.

Medicações sintomáticas aliviam algumas manifestações, como antidepressivos, ansiolíticos, cremes vaginais, etc.

A ocorrência de gravidez21 nesse período é muito improvável, mas pode ocorrer. Para uma segurança completa os métodos anticoncepcionais devem continuar sendo usados até um ano depois da menopausa1.

Como evoluem os sintomas8 da menopausa1?

Os sintomas8 da menopausa1 tendem a desaparecer ou diminuir muito dentro de dois ou três anos.

A principal consequência da menopausa1, em longo prazo, talvez seja a fragilidade dos ossos causada pela osteoporose16.

As ondas de calor, um dos sintomas8 mais típicos e incômodos da menopausa1, diminuem ou desaparecem dentro de, no máximo, dois anos depois da última menstruação2.

A partir da menopausa1, sobretudo quando se faz reposição hormonal, é ainda mais importante fazer os exames preventivos para o câncer19 da mama20 e do útero22 e de doenças cardiovasculares15.

Como prevenir os sintomas8 da menopausa1?

  • Os sintomas8 da menopausa1 podem ser reduzidos imediatamente após o início da prática de exercícios aeróbicos.
  • Mulheres de sociedades que fazem alto consumo de soja têm menos ondas de calor durante a menopausa1.
  • As mulheres sedentárias parecem ser mais propensas a ter ondas de calor que as que se exercitam.
  • O fato de fumar parece estar muito relacionado à acentuação das ondas de calor em mulheres que estão passando pela menopausa1.
ABCMED, 2012. Menopausa. Você já chegou nela?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/307050/menopausa+voce+ja+chegou+nela.htm>. Acesso em: 25 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
2 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
3 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
4 Climatério: Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.
5 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
6 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
7 Endocrinologista: Médico que trata pessoas que apresentam problemas nas glândulas endócrinas.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
11 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
12 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
13 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
14 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
15 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
16 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
17 Trombos: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
18 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
19 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
20 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
21 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
22 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

11/09/2013 - Comentário feito por Nilva
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
sim, já estou com 60 anos, desde a ultima mestruação aos 40 anos que venho fazendo as reposiosos hormonais e nada, e o que me deixa triste é esses calores que não passam e me tiram do serio,já estou com cisto do seio devido esse longo tempo de tratamento, e noa sei mas o que fazer, já parei os remedios, estou tomando um natural(amora) mas nao vejo resultado. por favor me ajudem.

29/11/2012 - Comentário feito por Ines
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Tenho 52 anos e desde 40 anos que não mestruo, faço uso de medicamentos naturais, devido as dores de cabeça que tenho (cefaléia) com outros medicamentos utilizado e indicado pelo especialista, e ate hoje minhas ondas de calores ocorrem com muita frequencia, é terrível essa sensação, não sei mais aonde recorrer..me ajudem.

07/08/2012 - Comentário feito por Rosangela
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Já cheguei, e foi muito difícil, pois estava de país pra país sem um médico apenas para me acompanhar. Foi difícil, pois nunca soube o que deveria fazer. Foi difícil, pois tive medos, angustias, mas tudo isso esta passando. Realmente se poderia, os cientistas, os profissionais da saúde dedicar-se mais a mulher, neste estágio da vida.

08/07/2012 - Comentário feito por Margaret
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Sim.A menopausa pode ser vivida sem grandes preocupações, se a mulher procurar o médico que dará as orientações que ela precisa.
Reposição hormonal e uma alimentação balanceada.Os hormônios repostos,podem ser naturais ou químicos,depende qual o melhor tratamento para cada mulher.

05/07/2012 - Comentário feito por Cláudia
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Não sei o que é pior: menstruar ou "menopausar". Ficar sem os hormônios na menopausa é impossível. Eles fazem com que você volte a viver e continuar sendo uma mulher viva e sedutora para seu parceiro, além de aumentar a sua autoestima.
Gostei da informação que os sintomas diminuem após 2 anos. Meu ginecologista havia me dito que reduziria a dose após 2 - 3 anos. Já fazem 2 anos que tomo TIBOLONA 2,5 mg. A soja e os fitoterápicos para mim foram placebos, mas se você acreditar neles, continue tomando. Eu é que sou descrente com isso.
Todos meus exames bioquímicos, estruturais (densitomentria óssea) e de controle de malignidade estão sob controle e com bons resultados.
O importante é saber que a vida não acaba com a menopausa. Sabendo conviver com ela, a vida se torna uma liberdade sem aqueles malditos absorventes...

05/07/2012 - Comentário feito por Nana
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Prezado(a) Sr (a).

Acredito que devriam acham um meio de nos mulheres menstruarem até o final de nossas vidas, pois fivamos resecadas, usando cremes vaginal, repoisção hormornal e outras coisa..que so nos mulheres sentimos.
Sinto façlta dops meu s hormonios.....da minha parte intima sem lufricicação.
Todos esse s cremse..reposição ..não levam a nada.
Que tal as mulheres pedirem a reposição harmonal sem ter o risco do cance.
É muito bonito toda essa fala..mas quem tem a menopausa..sabe que nenhum desses cremes, reposição comrejuizos a saúde....não nos levam a nada.
por que a ciencia não se dedicou a mulher com uma pesquisa para mesntruarmos mais...pois chegamos aos quarenta anos e não podemos mais menstruar..ainda que temos alguns médicos no passam reposição harmonal antes mesmo de paararmos de mentruar..causando a nos mulheres o fim da nossa mesntruação antes do tempo.
Fale algo por favor ...vej aas maiorias das mulheres que estão na menopuasa..como lubrificar nossas partes intimas...veja cada situação e nos falem o que podem melhorar para nossa menopausa ser mais criativa.
Grata

05/07/2012 - Comentário feito por Sara
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Adorei, muito bem explicado , eu comecei com os sintomas aos 40 anos,(hoje tenho 51 anos).. daí fiz exames que constou que eu estava entrando na menopausa, engravidei, tive meu terceiro filho com 43 anos de idade, meu filho mais novo tinha 23 anos..até hoje tenho os sintomas de fogachos e colesterol alto.. só diminue os calores com hormonio que eu tomo quando os fogachos estão insuportáveis, tomo 2 meses, e dou um intervalo de mais 2 meses por ser muito caro..então eu sofro com calores e também falta de interesse por sexo.

03/07/2012 - Comentário feito por iramar
Re: Menopausa. Você já chegou nela?
Gostei, bastante do conteúdo esclareceu muitas dúvidas.

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.