Gostou do artigo? Compartilhe!

Mamotomia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é mamotomia?

A mamotomia, também chamada Biópsia1 Percutânea Assistida a Vácuo, é uma biópsia1 que pode ser feita ambulatorialmente e que tem como objetivo esclarecer alterações observadas em uma mamografia2. Ela é uma alternativa à biópsia1 tradicional, obtida por meio de cirurgia.

Leia sobre "Informações e cuidados sobre o câncer3 de mama4", "Exames preventivos que toda mulher deve fazer", "Doença fibrocística da mama4" e "Câncer3 de mama4 triplo negativo".

Como se realiza a mamotomia?

Nenhum preparo prévio é necessário, mas para que a mamotomia possa ser realizada, o médico assistente precisa ordenar a suspensão de anticoagulantes5 que a paciente possa estar tomando sete dias antes e dois dias após o procedimento.

A biópsia1 pode ser guiada por ultrassonografia6 ou por mamografia2 estereotáxica, dependendo do tipo de lesão7 e de em qual método de imagem o achado será melhor identificado. No caso de mamotomia guiada por estereotaxia, a paciente é deitada em uma maca especial, a mama4 é comprimida de forma semelhante à mamografia2 tradicional e a lesão7 é localizada e biopsiada.

A mamotomia é uma técnica que obtém fragmentos8 de tecido9 por meio de um procedimento que utiliza um conjunto de agulhas de grosso calibre, uma dentro da outra e acopladas em um dispositivo que irá acionar a movimentação das agulhas, assim como o corte, produzindo a aspiração por vácuo. Ao acionar o mecanismo de corte, são obtidos os fragmentos8 de tecido9, e retirados por meio da agulha guia. A ultrassonografia6 ou a mamografia2 estereotáxica podem guiar o posicionamento da agulha durante a biópsia1.

O procedimento tem precisão máxima na retirada do material suspeito por utilizar o sistema de corte a vácuo e ser guiado por imagem.

É feita uma anestesia10 local e praticada uma pequena incisão11 na pele12, por onde deve-se entrar com a agulha que é guiada de forma exata até a lesão7 de interesse. O processo é relativamente simples e a grande maioria das pacientes o aceita de forma tranquila. Dura aproximadamente uma hora, mas a paciente deve permanecer na clínica por cerca de duas horas, tempo que inclui o período de repouso e a avaliação médica.

E depois da mamotomia?

O material recolhido na biópsia1 deve ser enviado a um laboratório de anatomopatologia13 para análise citológica. Grande parte das biópsias14 mamárias revelam material benigno, mas caso a alteração seja identificada como maligna, o fato de ter um diagnóstico15 precoce dará ao profissional a oportunidade de decidir a melhor abordagem de tratamento ou, caso ache necessária, uma cirurgia.

Como algumas alterações benignas podem ser precursoras de câncer3, a biópsia1 pode ser complementada com a retirada de uma maior quantidade de tecido9, por meio de cirurgia. Caso as lesões16 sejam pequenas e benignas, há possibilidade de retirada completa da lesão7 com esse procedimento. Nos casos em que a lesão7 é totalmente removida, é colocado um clipe marcador de Titânio no local da incisão11. Este clipe permite a identificação do local da lesão7, para o controle radiológico posterior ou para guiar o mastologista17, no caso de necessidade de uma eventual cirurgia.

Se, eventualmente, ocorrer sangramento após a mamotomia, alguns cuidados simples serão necessários: normalmente, gelo e compressão local são suficientes.

Após a mamotomia, a mama4 afetada pode ficar algo dolorida, mas um analgésico18 comum ajuda a aliviar a dor e o desconforto. Durante alguns dias pode haver aumento de sensibilidade da mama4 e inchaço19, resultados que são normais e que desaparecem espontaneamente.

Pode haver casos em que a quantidade de tecido9 retirada não seja suficiente e a paciente tenha de ser chamada para um novo procedimento.

Após o procedimento, a paciente deve evitar molhar o curativo por 24 horas e evitar esforço físico nos próximos dois dias.

Veja também sobre "Mastalgia20", "Mamas21 caídas", "Fibroadenomas" e "Plástica das mamas21".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites do Hospital São José, do CEPEM – Centro de Estudos e Pesquisa da Mulher e da UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo.

ABCMED, 2020. Mamotomia. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/1366578/mamotomia.htm>. Acesso em: 12 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
2 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
6 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
7 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
9 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
10 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
11 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
12 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
13 Anatomopatologia: Ramo da medicina voltado ao estudo das alterações estruturais, que resultam de processos patológicos, de órgãos, tecidos e células.
14 Biópsias: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
15 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
16 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
17 Mastologista: Médico especialista nas doenças das mamas.
18 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
19 Inchaço: Inchação, edema.
20 Mastalgia: Dor nas mamas. Costuma ser um distúrbio benigno em mulheres jovens devido a um desequilíbrio hormonal durante o ciclo menstrual. Mas, pode ter outras causas.
21 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Mastologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.