Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é Kwashiorkor?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é Kwashiorkor1?

Kwashiorkor1 é o termo médico utilizado para designar um estado de desnutrição2 grave, causado primariamente pela deficiência de proteínas3. A desnutrição2 proteica é encontrada principalmente em pessoas que vivem em áreas geográficas com recursos alimentares limitados. Costuma ser observada em crianças com dietas pobres em proteínas3 e calorias4.

A palavra se originou de um dos idiomas de Gana, país da África, e significa algo como "mal do filho mais velho", pois costuma ocorrer quando a criança é desmamada e passa a ser alimentada com muito carboidrato5 e pouca proteína.

Uma outra forma severa de má nutrição6 é o Marasmo7. O Marasmo7 é uma condição causada principalmente por uma deficiência geral de calorias4 e energia, enquanto o Kwashiorkor1 indica uma deficiência de proteína associada, resultando em uma aparência edematosa, ausente no Marasmo7. As duas formas de desnutrição2 podem se sobrepor, às vezes se tornando difícil distinguir uma de outra.

Quais são as causas do Kwashiorkor1?

A principal causa do Kwashiorkor1 é não comer proteína e/ou outras vitaminas e minerais essenciais em doses suficientes. A condição é mais comum em países em desenvolvimento com suprimento limitado de alimentos, falta de higiene e falta de educação sobre a importância de dar às crianças uma dieta adequada.

Ela é rara em países desenvolvidos, mas ocasionalmente pode acontecer como resultado de grave negligência8 alimentar, doença de longo prazo, falta de conhecimento sobre boa nutrição9 ou dieta muito restrita. Embora o Kwashiorkor1 possa afetar pessoas de todas as idades, é mais comum em crianças do que em adultos.

Leia sobre "Micronutrientes10", "Macronutrientes11" e "Dieta hiperproteica".

Qual é o substrato fisiopatológico do Kwashiorkor1?

Toda célula12 do corpo contém e necessita de proteínas3. A pessoa precisa ingerir proteínas3 em sua dieta para que seu corpo repare as células13 danificadas e faça novas células13. É por esse meio que o corpo humano14 saudável regenera constantemente as suas células13.

A proteína também é especialmente importante para o crescimento durante a gestação e a infância. Se o corpo não dispuser de proteína em quantidade suficiente, o crescimento e as funções normais do corpo começarão a sofrer e o Kwashiorkor1 pode se desenvolver.

Quais são as características clínicas do Kwashiorkor1?

O principal sinal15 do Kwashiorkor1 é o excesso de líquido nos tecidos do corpo, o que causa inchaço16 sob a pele17 (edema18), que geralmente começa nas pernas, mas pode envolver todo o corpo, inclusive o rosto. Outros sintomas19, além do edema18, podem incluir:

  • atraso de crescimento em crianças;
  • barriga inchada ("barriga de pote");
  • infecções20 frequentes, mais graves ou duradouras que geralmente se observa;
  • perda de massa muscular;
  • manchas vermelhas e inflamadas da pele17 que escurecem e descascam ou se abrem em feridas;
  • cabelo21 seco e quebradiço que cai facilmente e pode perder a cor;
  • unhas22 enrugadas ou rachadas;
  • incapacidade de crescer em altura;
  • cansaço ou irritabilidade.

Como o médico diagnostica o Kwashiorkor1?

Muitas vezes o Kwashiorkor1 pode ser diagnosticado apenas com base na aparência física da criança e em perguntas sobre sua dieta e cuidados. No entanto, um exame de sangue23 e um exame de urina24 podem ser feitos para descartar outras condições e verificar as repercussões daquela condição. Isso pode incluir testes para medir os níveis de açúcar25 e proteínas3 no sangue23, verificar como o fígado26 e os rins27 estão funcionando, testar o sangue23 para anemia28 e medir os níveis de vitaminas e minerais no corpo.

Outros testes podem avaliar o crescimento, calcular o índice de massa corporal29, medir o teor de água corporal, fazer coleta de uma amostra de pele17 para biópsia30 ou do cabelo21 para teste.

Como o médico trata o Kwashiorkor1?

Se o Kwashiorkor1 for detectado precocemente, ele pode ser tratado com alimentos à base de leite especialmente formulados ou alimentos terapêuticos prontos para uso, constante de manteiga de amendoim, leite em pó, açúcar25 e óleo vegetal, adicionados de vitaminas e sais minerais.

Se o caso for grave e já existirem complicações, como infecções20, por exemplo, o tratamento deve ser feito num hospital. O tratamento hospitalar envolve:

Esse tratamento leva de 2 a 6 semanas.

Como evolui o Kwashiorkor1?

O Kwashiorkor1 de longa duração, não tratado, pode ser fatal porque as crianças se tornam muito vulneráveis às infecções20 e têm poucas defesas contra elas.

O quão bem uma pessoa se recupera do Kwashiorkor1 depende da gravidade dos sintomas19 quando o tratamento é iniciado. Se iniciado precocemente, a pessoa geralmente se recupera bem, embora as crianças possam nunca atingir todo o seu potencial de crescimento e ser mais baixas do que seus pares. Se o tratamento foi iniciado nos estágios posteriores da desnutrição2, a pessoa pode ficar com deficiências físicas e intelectuais definitivas.

Quais são as complicações possíveis com o Kwashiorkor1?

Uma das complicações comuns do Kwashiorkor1 são as infecções20 frequentes e a baixa atividade defensiva do sistema imunológico33.

Veja também sobre "Como ganhar massa muscular", "Atrofia34 muscular", "Sarcopenia" e "Caquexia35".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do NHS – National Health Service e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2022. O que é Kwashiorkor?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1410540/o+que+e+kwashiorkor.htm>. Acesso em: 17 ago. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Kwashiorkor: Variedade de desnutrição infantil, caracterizada por uma carência absoluta ou relativa do aporte de proteínas, em presença de oferta (ainda que pequena) de carboidratos. É caracterizada por lesões de pele e edema generalizado, fazendo com que a criança “não pareça desnutrida” devido a seu peso falseado pela presença do líquido de edema.
2 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
3 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
4 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
5 Carboidrato: Um dos três tipos de nutrientes dos alimentos, é um macronutriente. Os alimentos que possuem carboidratos são: amido, açúcar, frutas, vegetais e derivados do leite.
6 Má nutrição: Qualquer transtorno da alimentação tanto por excesso quanto por falta da mesma.A qualidade dos alimentos deve ser balanceada de acordo com as necessidades fisiológicas de cada um.
7 Marasmo: 1. Em patologia, é a atrofia progressiva dos órgãos e magreza excessiva que se sucedem a uma longa enfermidade. 2. Na pediatria, é o estado de apatia; abatimento moral; falta de coragem; prostração. 3. Período de inatividade; ausência de realizações ou de acontecimentos dignos de nota; estagnação, paralisação.
8 Negligência: Falta de cuidado; incúria. Falta de apuro, de atenção; desleixo, desmazelo. Falta de interesse, de motivação; indiferença, preguiça. Inobservância e descuido na execução de ato.
9 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
10 Micronutrientes: No grupo dos micronutrientes estão as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes estão presentes nos alimentos em pequenas quantidades e são indispensáveis para o funcionamento adequado do nosso organismo. Exemplos: cálcio, ferro, sódio, etc.
11 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
12 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
13 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
14 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
15 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
16 Inchaço: Inchação, edema.
17 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
18 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
21 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
22 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
23 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
24 Exame de urina: Também chamado de urinálise, o teste de urina é feito através de uma amostra de urina e pode diagnosticar doenças do sistema urinário e outros sistemas do organismo. Alguns testes são feitos em uma amostra simples e outros pela coleta da urina durante 24 horas. Pode ser feita uma cultura da urina para verificar o crescimento de bactérias na urina.
25 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
26 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
27 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
28 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
29 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
30 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
31 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
32 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
33 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
34 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
35 Caquexia: Estado de involução geral caracterizado por perda de peso, astenia e incapacidade de desempenhar atividades mínimas. Pode acompanhar estados terminais das doenças crônicas (SIDA, insuficiência cardíaca, insuficiência respiratória). Também se pode aplicar este termo a um órgão determinado, quando o mesmo se encontra afetado por um transtorno incapacitante terminal (caquexia cardíaca).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.