Atalho: 6MVC9ZO
Gostou do artigo? Compartilhe!

Desnutrição: o que é? O que acontece com uma pessoa desnutrida?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a desnutrição1?

A nutrição2 correta implica em que o indivíduo ingira diariamente alimentos em qualidade e quantidade compatíveis com suas necessidades calóricas. A desnutrição1 é um estado causado por uma dieta hipocalórica3 e hipoproteica4; pela má-absorção de nutrientes, pela anorexia5, associada a determinadas doenças e por certos estados fisiológicos anormais ou pela escassez e consequente ingesta insuficiente de alimentos. Ela pode ir de situações leves, com repercussões orgânicas quase imperceptíveis, até estados graves e mortais.

A fome ocasionada pela extrema pobreza, guerras, catástrofes naturais ou problemas políticos é uma das mais sérias causas de desnutrição1 grave. As pessoas em maior risco de desnutrição1 são: crianças inapetentes, adolescentes em período de crescimento rápido, idosos e pessoas que não se alimentam adequadamente ou que tenham problemas de absorção intestinal, pessoas em dietas inadequadas, vegetarianos, pessoas com anorexia nervosa6 ou com condições orgânicas que prejudicam a alimentação e pessoas (sobretudo crianças) de regiões pobres ou miseráveis.

Quais são as causas da desnutrição1?

A causa mais comum da desnutrição1 leve ou moderada é uma alimentação deficiente ou errada, sendo frequente a má absorção ou dificuldade de alimentação causada por outras patologias. A desnutrição1 grave acontece com maior frequência entre pessoas de muito baixa renda, sem condições de se alimentar adequadamente. A desnutrição1 é influenciada por fatores sociais, psiquiátricos ou simplesmente patológicos.

Quais são os sinais7 e sintomas8 da desnutrição1?

Os sintomas8 da desnutrição1 dependem da sua gravidade e duração, mas podem compreender desmaios, ausência de menstruação9, atraso do crescimento nas crianças, perda de cabelo10. A depleção11 do glicogênio12 causada por ela leva à apatia13 e prostração14. Por sua vez, quando há hipoglicemia15, as funções do cérebro16 sofrem muito. Sem o tecido adiposo subcutâneo17 a pele18 torna-se mais grossa, há grande perda de massa muscular e as feições do indivíduo ficam mais esqueléticas. A força muscular diminui muito e pode sobrevir o óbito19. Um estado crônico20 de desnutrição1 leva a alterações notáveis e irreversíveis do desenvolvimento físico e mental. Pessoas desnutridas estão mais sujeitas às doenças, devido a uma debilitação do sistema imunológico21.

Como o médico diagnostica a desnutrição1?

Em geral, o diagnóstico22 da desnutrição1 evidente é clínico. O diagnóstico22 deve ser feito o mais precocemente possível para que possam ser prevenidas as complicações. Existem várias maneiras de identificar as pessoas adultas que estão desnutridas ou em risco de desnutrição1, que geralmente usam para isso tabelas e medidas de massas musculares e gordurosas.

Como tratar a desnutrição1?

A solução da desnutrição1 muitas vezes demanda mudanças no quadro social e passa pela reeducação alimentar da criança e da família. Em muitos casos é necessário tratar as condições clínicas que estejam levando à desnutrição1. A restituição de uma alimentação adequada é essencial.

Como prevenir a desnutrição1?

O melhor meio de prevenir a desnutrição1 é uma alimentação bem balanceada ou a eliminação dos fatores que estejam prejudicando a ingesta ou absorção de alimentos. Nos casos de insuficiência23 de alimentos é preciso garantir um aporte adequado.

Como evolui a desnutrição1?

Quando a ingesta de nutrientes é insuficiente, o organismo passa a utilizar as próprias fontes de energia, uma de cada vez, até que ela se esgote: primeiro ele usa as ATPs24 (adenosina trifosfóricas), depois a glicose25 dos tecidos e do sangue26, posteriormente o glicogênio12 do fígado27 e músculos28 e por último as proteínas29 contidas nesses mesmos órgãos. Com o andamento do quadro, a desnutrição1 afeta quase todos os órgãos do corpo. O coração30 perde massa muscular e fica enfraquecido e num estágio avançado entra em insuficiência23 e posteriormente leva à morte. As infecções31 tornam-se comuns porque o sistema imune32 se desativa e o corpo passa a não produzir mais as células33 de defesa; ocorre um quadro de anemia perniciosa34, menor secreção de ácido clorídrico35 pelo estômago36 e diminuição da peristalse37 e da absorção intestinais.

ABCMED, 2012. Desnutrição: o que é? O que acontece com uma pessoa desnutrida?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/318450/desnutricao-o-que-e-o-que-acontece-com-uma-pessoa-desnutrida.htm>. Acesso em: 14 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
2 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
3 Hipocalórica: Que é pouco calórica.
4 Hipoproteica: Pobre em proteínas.
5 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
6 Anorexia nervosa: Distúrbio alimentar caracterizado por uma alteração da imagem corporal associado à anorexia.
7 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
10 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
11 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
12 Glicogênio: Polissacarídeo formado a partir de moléculas de glicose, utilizado como reserva energética e abundante nas células hepáticas e musculares.
13 Apatia: 1. Em filosofia, para os céticos e os estoicos, é um estado de insensibilidade emocional ou esmaecimento de todos os sentimentos, alcançado mediante o alargamento da compreensão filosófica. 2. Estado de alma não suscetível de comoção ou interesse; insensibilidade, indiferença. 3. Em psicopatologia, é o estado caracterizado por indiferença, ausência de sentimentos, falta de atividade e de interesse. 4. Por extensão de sentido, é a falta de energia (física e moral), falta de ânimo; abatimento, indolência, moleza.
14 Prostração: 1. Ato ou efeito de prostrar(-se); prosternação 2. Debilidade física; fraqueza, abatimento, moleza. 3. Abatimento psíquico ou moral; depressão.
15 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
16 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
17 Tecido adiposo subcutâneo: Tecido gorduroso abaixo da pele em todo o corpo.
18 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
19 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
20 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
21 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
24 ATPs: Adenosina Trifosfato (ATP) é nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia. Ela é composta pela adenina (base azotada), uma ribose (açúcar com cinco carbonos) e três grupos de fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular e da fotossíntese, para consumo imediato, não podendo ser estocada. A energia pode ser utilizada em diversos processos biológicos, tais como o transporte ativo de moléculas, síntese e secreção de substâncias, locomoção e divisão celular, dentre outros.
25 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
26 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
27 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
28 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
29 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
30 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
31 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
32 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
33 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
34 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
35 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
36 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
37 Peristalse: Conjunto das contrações musculares dos órgãos ocos, provocando o avanço de seu conteúdo; movimento peristáltico, peristaltismo.

Veja também

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

21/10/2014 - Comentário feito por Eduardo
mano ajudou pra caramba ;D
mano ajudou pra caramba ;D

06/06/2014 - Comentário feito por laila
muito interrersante isso ta me ajudando muito.....
muito interrersante isso ta me ajudando muito....<3

  • Entrar
  • Assinar