Gostou do artigo? Compartilhe!

Parasitoses - quais são as principais? O que devemos fazer?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são parasitoses?

Parasitoses são doenças causadas por parasitas. Um parasita1 é um organismo que vive em associação com um hospedeiro, do qual retira os meios para a sua sobrevivência2, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro. As parasitoses são a doença mais comum do mundo, atingindo cerca de 25% da população mundial. A maioria delas está diretamente relacionada a populações que convivem com precariedade sanitária e pobreza.

Existem três classes principais de parasitas que podem causar doenças em humanos: (1) protozoários3, (2) helmintos4 e (3) ectoparasitas.

Leia sobre "Ascaridíase", "Oxiuríase" e "Ancilostomose".

Doenças causadas pelos protozoários3

Existem aproximadamente 10.000 espécies conhecidas de protistas (são microrganismos unicelulares e heterotróficos que não possuem a capacidade de produzir seu próprio alimento e, por isso, se alimentam de outros seres vivos). Eles parasitam diferentes animais, sendo que apenas algumas dezenas infectam o homem.

As principais parasitoses humanas causadas por protozoários3 são:

  1. Giardíase, infecção5 do intestino delgado6 causada pelo parasita1 Giardia lamblia. Ocorre mais frequentemente em crianças e é uma das causas mais comuns de diarreia7 na infância.
  2. Tricomoníase, doença venérea transmitida através do ato sexual, causada pelo Trichomonas vaginalis.
  3. Toxoplasmose8, causada pelo Toxoplasma gondii. Na maioria dos casos, não provoca sintomas9 e a infecção5 grave só se desenvolve em pessoas com sistema imunológico10 enfraquecido. Se for contraída durante a gravidez11, pode resultar em aborto espontâneo, feto12 natimorto ou com defeitos congênitos13.
  4. Doença de Chagas14, ou tripanossomíase americana, causada pelo Trypanossoma cruzi. A fase aguda pode ser sintomática15 ou não e a fase crônica pode se manifestar nas formas indeterminada, cardíaca, digestiva ou cardio-digestiva.
  5. Malária, causada por protozoários3 do gênero Plasmodium, é uma doença infecciosa febril aguda que pode ter evolução rápida e ser grave.

Doenças causadas por helmintos4

Há três grandes grupos de helmintos4: (1) nematelmintos, constituídos por vermes que apresentam o corpo cilíndrico, (2) platelmintos16, vermes com o corpo achatado dorso17-ventralmente, e (3) anelídeos. Estes últimos não são considerados parasitas e o único deles com importância médica são os sanguessugas.

As principais doenças causadas por helmintos4 são:

  1. Teníase, representada pela presença no intestino da Taenia solium, que pode estar contida na carne de porco, ou Taenia saginata, presente na carne bovina.
  2. Cisticercose, ocasionada por ovos da Taenia solium que se localizam nos músculos18 ou no cérebro19. A forma mais grave é quando os cisticercos estão localizados no sistema nervoso central20.
  3. Esquistossomose21, causada pelo Schistosoma mansoni, adquirido quando a pessoa entra em contato com água onde existam caramujos infectados pelos vermes causadores da esquistossomose21. Dentro do organismo de uma pessoa, vivem nas veias22 do mesentério23 e do fígado24, causando sintomas9.
  4. Filariose, também conhecida como elefantíase, causada pela Wuchereria Bancrofti, transmitida pela picada do mosquito Culex quiquefasciatus (pernilongo ou muriçoca) infectado com larvas do parasita1.

Doenças causadas por ectoparasitas

Os ectoparasitas são seres de espécies diferentes que vivem sobre o hospedeiro, na pele25 e pelos, e que necessitam dos mesmos para obterem alguns elementos básicos de sua sobrevivência2. Os principais ectoparasitos humanos são os carrapatos, pulgas, piolhos e ácaros.

As principais doenças causadas pelos ectoparasitos são:

  1. Escabiose26, também conhecida como sarna27, é uma parasitose humana causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei hominis, que se alimenta da queratina, proteína que constitui a camada superficial da pele25. O contágio28 se dá por contato direto com a pessoa ou roupas e outros objetos contaminados.
  2. Pediculose é causada por piolhos, seres sugadores de sangue29 que vivem e se reproduzem na superfície da pele25 e dos pelos. Há 2 tipos de pediculose: a pediculose do corpo, que afeta o couro cabeludo, e a pediculose do púbis30, vulgarmente chamada de “chato”.
  3. Febre31 maculosa, causada por bactéria32 do gênero Rickettsia, transmitida pela picada do carrapato. É uma doença febril aguda que pode variar desde formas clínicas leves e atípicas até formas graves e potencialmente letais.

Parasitoses intestinais

As parasitoses intestinais merecem um destaque especial porque são muito frequentes na infância e resultam muitas vezes em deficiências no desenvolvimento físico, cognitivo33 e mental, além de morbidades intercorrentes, como desnutrição34, anemias, problemas neurológicos, derrames peritoneais, etc. Elas são consideradas problema de saúde35 pública e incidem principalmente nas áreas rurais e periferias das cidades dos países chamados subdesenvolvidos, onde as medidas de saneamento básico são muito precárias ou inexistentes.

As parasitoses intestinais são a doença mais comum do mundo, atingindo cerca de 25% da população mundial.

As principais delas são a amebíase, a giardíase, a ascaridíase (lombriga que fica alojada no intestino), a ancilostomíase, também chamada amarelão, a enterobíase ou oxiuríase e a teníase.

A maioria das parasitoses é transmitida pela alimentação ou pela água e pelo contato direto com os pés no chão. O germe36 entra pela boca37 ou através da pele25 até chegar ao intestino, onde vai crescer e se alimentar. A maioria dos quadros de verminose não causa sintoma38. As pessoas podem ter vermes e não saber.

Os principais testes de laboratório disponíveis para diagnosticar as parasitoses são: exame parasitológico de fezes, sorologia, esfregaço de sangue29 e diagnóstico39 molecular.

Para evitar a contaminação, a pessoa deve lavar bem os alimentos, cozinhar ou assar bem os alimentos, ferver e filtrar a água, lavar bem as mãos40 antes de comer, andar sempre calçado(a) e evitar o contato com terra ou lama.

Veja também sobre "Simbiose41, parasitismo, comensalismo", "Toxoplasmose8 ocular" e "Tratamento da toxoplasmose8".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade, da Sociedade Brasileira de Pediatria e do Canal Saúde - FIOCRUZ.

ABCMED, 2020. Parasitoses - quais são as principais? O que devemos fazer?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1373328/parasitoses-quais-sao-as-principais-o-que-devemos-fazer.htm>. Acesso em: 23 set. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
2 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
3 Protozoários: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
4 Helmintos: Designação comum a diversas espécies de vermes endoparasitas, pertencentes aos filos dos platelmintos, asquelmintos e outros de afinidade taxonômica incerta; verme.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
7 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
8 Toxoplasmose: Infecção produzida por um parasita unicelular denominado Toxoplasma gondii. Este parasita cumpre um primeiro ciclo no interior do tubo digestivo de certos animais domésticos como o gato. A infecção é produzida ao ingerir alimentos contaminados e pode ocasionar graves transtornos durante a gestação e em pessoas imunossuprimidas.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
11 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
12 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
13 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
14 Doença de Chagas: Doença parasitária transmitida ao homem através da picada do Triatoma infestans (barbeiro). É endêmica em alguns países da América do Sul e associa-se a condições precárias de habitação. Produz em sua forma crônica um distúrbio cardíaco que termina por causar insuficiência cardíaca e distúrbios do ritmo cardíaco.
15 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
16 Platelmintos: Filo de animais bilaterais que reúne vermes chatos parasitas ou de vida livre, distribuídos em quatro classes, desprovidos de sistema circulatório, que se caracterizam pela locomoção através de cílios e presença de protonefrídios.
17 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
18 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
19 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
20 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
21 Esquistossomose: Doença produzida no homem por vermes do gênero Schistosoma, especialmente S. mansoni, S. haematobium e S. japonicum. No Brasil, há apenas a espécie Schistossoma mansoni, que causa diarreia, hepatomegalia e esplenomegalia.
22 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
23 Mesentério: Camada do peritônio que liga as vísceras abdominais à PAREDE ABDOMINAL e transporta seus vasos sangüíneos e nervos.
24 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
25 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
26 Escabiose: Doença contagiosa da pele causada nos homens pelo Sarcoptes scabiei e nos animais por diversos ácaros. Caracteriza-se por intenso prurido e eczema. Popularmente conhecida como sarna ou pereba.
27 Sarna: Doença produzida por um parasita chamado Sarcoptes scabiei. Infesta a superfície da pele produzindo coceira e vesículas branco peroladas juntamente com lesões por coçadura. Localiza-se mais freqüentemente nas pregas interdigitais, inguinais e submamárias. É contagiosa, passando de pessoa para pessoa por contato íntimo, e por isto muito freqüente em aglomerações humanas (asilos, creches, abrigos). Nestes casos toda a população deve ser tratada ao mesmo tempo.
28 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
29 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
30 Púbis:
31 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
32 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
33 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
34 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
35 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
36 Germe: Organismo microscópico (vírus, bactérias, parasitas unicelulares, fungos) capaz de produzir doenças no homem e outros animais.
37 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
38 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
39 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
40 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
41 Simbiose: Tipo de associação intima e duradora entre seres vivos de 2 espécies diferentes, pela qual é assegurada a sobrevivência de ambas as espécies em função das trocas metabólicas ou de outros fatores indispensáveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.