Atalho: 6RAEFZP
Gostou do artigo? Compartilhe!

Como é a oxiuríase?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é oxiuríase?

A oxiuríase (ou enterobiose) é causada por helmintos1 pequenos (15 milímetros a 2 centímetros), os Enterobius vermicularis, que parasitam principalmente o intestino. Ocorrem no mundo todo, principalmente em locais em que a higiene é mais precária, mas também onde haja um bom sistema de saneamento.

Os oxiúros são vermes visíveis a olho2 nu, de coloração branca e com pelos finos. O tempo transcorrido entre a ingestão dos ovos até o primeiro aparecimento dos vermes na região do ânus3 (incubação4) é de 4 a 6 semanas.

Quais são as causas da oxiuríase?

O verme causador da oxiuríase é o nematódeo Enterobius vermicularis, o qual afeta principalmente as crianças, uma vez que elas ainda não possuem noções básicas de higiene pessoal. Os ovos eliminados podem permanecer até por três semanas no meio ambiente e depois de ingeridos eclodirem no intestino delgado5 e alcançarem o intestino grosso6, onde os vermes ficam até atingir a maturidade sexual. A transmissão da doença pode dar-se de forma direta, principalmente na criança, devido à sua tendência de coçar a região anal e, posteriormente, colocar a mão7 infectada na boca8. Também pode acontecer de forma indireta através da contaminação da água, alimentos ou objetos. Ovos eventualmente aspirados do ar são posteriormente engolidos e cumprem daí em diante o ciclo normal do verme.

Quais são os sinais9 e sintomas10 da oxiuríase?

Nas infestações mais brandas a oxiuríase pode ser assintomática. Quando há sintomas10, o mais característico deles é o prurido11 na região anal, que acontece sobretudo nas crianças e à noite. Esse prurido11 é devido à migração das fêmeas, que normalmente depositam seus ovos entre as pregas da região anal.

Outros sintomas10 são: cólicas12 abdominais, irritabilidade, diarreia13, náuseas14, emagrecimento, vômitos15, dores abdominais, alterações do humor e perturbações do sono. Podem aparecer também na região anal (como decorrência do ato de coçar-se), lesões16 na mucosa17, dermatite18, infecções19 secundárias e, eventualmente, evacuações sanguinolentas. O fato de coçar reiterada e violentamente a região anal, como pode acontecer às crianças, pode dar origem a ferimentos e infecções19. Nas mulheres, em virtude da proximidade da vagina20 com o ânus3, os oxiúros podem se mover para dentro dela e atingir o útero21, trompas de falópio, ovários22 e cavidade peritoneal23, causando infecções19 e, em casos mais graves, podendo obstruir as trompas e provocar esterilidade24.

Como o médico diagnostica a oxiuríase?

O diagnóstico25 da oxiuríase é feito pela presença dos ovos e de fêmeas do verme em material retirado da região anal do paciente com auxílio de uma fita adesiva transparente.

Como o médico trata a oxiuríase?

O tratamento da oxiuríase consiste no uso de fármacos orais específicos, bastante eficazes, tomados em dose única e em lavagens intestinais com água morna. Os medicamentos mais eficientes no tratamento da oxiuríase são o albendazol e o mebendazol. A higienização e os cuidados pessoais e com o ambiente são fatores importantes para evitar a reinfestação pelo verme. O tratamento deve ser repetido alguns dias depois, para reforçar a cura, uma vez que os medicamentos matam os vermes adultos, mas não os ovos, que podem eclodir posteriormente.

A comichão (coceira) pode ser tratada com cremes ou unguentos aplicados sobre a área perianal, duas ou três vezes por dia. Deve-se estar ciente de que pode haver reinfecções de indivíduos já curados.

Como prevenir a oxiuríase?

Lavar bem as mãos26 das crianças depois de irem ao banheiro ou de manusearem a região anal. E sempre antes das refeições.

Como evolui a oxiuríase?

A oxiuríase é uma infestação27 benigna. O seu tratamento ajuda a aliviar os incômodos sintomas10 desta verminose.

Em casos de infecção28, o ideal é que todos os membros da família sejam medicados porque a reinfecção pode passar de uma pessoa para outra.

ABCMED, 2012. Como é a oxiuríase?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/330334/como+e+a+oxiuriase.htm>. Acesso em: 6 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Helmintos: Designação comum a diversas espécies de vermes endoparasitas, pertencentes aos filos dos platelmintos, asquelmintos e outros de afinidade taxonômica incerta; verme.
2 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
3 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
4 Incubação: 1. Ato ou processo de chocar ovos, natural ou artificialmente. 2. Processo de laboratório, por meio do qual se cultivam microrganismos com o fim de estudar ou facilitar o seu desenvolvimento. 3. Em infectologia, é o período que vai da penetração do agente infeccioso no organismo até o aparecimento dos primeiros sinais da doença.
5 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
6 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
7 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
8 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
12 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
13 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
14 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
15 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
16 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
17 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
18 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
19 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
21 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
22 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
23 Cavidade peritoneal: Espaço recoberto pelo peritônio. É dividido em duas partes, o grande saco e o pequeno saco ou bolsa omental, que se localiza atrás do ESTÔMAGO. Os dois sacos estão conectados pelo forame de Winslow ou forame epiplóico.
24 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
27 Infestação: Infecção produzida por parasitas. Exemplos de infestações são sarna (escabiose), pediculose (piolhos), infecção por parasitas intestinais, etc.
28 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

29/01/2016 - Comentário feito por Celia
Bem esclarecedora a matéria. Minhas filh...
Bem esclarecedora a matéria. Minhas filhas quando criancas tiveram. Eu nem sabia o que era, descobri quando elas acordavam a noite dizendo que tinha coceira, aí eu acendi uma vela, o ideal é uma lanterna, e abri as genitalias delas, e vi uma minuscula cobrinha branca se mexendo! Aí peguei um cotonete, retirei, aí elas conseguiam dormir, depois contei pra Pediatra, que medicou. Importante é quando a criança reclamar, ir la e retirar a oxiurus! pois como coça muito, a criança pode lesar o local, e nao dormem!

11/05/2014 - Comentário feito por izabel
Pesquisei a respeito de oxiúros aqui e f...
Pesquisei a respeito de oxiúros aqui e fiquei bastante satisfeita porque o enunciado preencheu minhas expectativas. Não tenho o costume de automedicar, mas numa emergência, foi necessário. Porém, antes de tomar a medicação, procurei informar sobre helmintos (acho que é isso mesmo). Então me senti mais segura pra tomar o Albendazol.

  • Entrar
  • Assinar