Atalho: 6Y54RPG
Gostou do artigo? Compartilhe!

Giardia: como é a giardíase?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é giardíase?

A giardíase é uma infecção1 do intestino delgado2 causada por um protozoário3 flagelado unicelular que ocorre em todo o mundo, mas é mais frequente em regiões em que as condições sanitárias e de higiene são precárias.

Além do ser humano, a giardíase pode afetar também cães, gatos, gado e roedores, dentre outros.

Quais são as causas da giardíase?

A giardíase é causada pelo protozoário3 flagelado Giardia lamblia, transmitido pela ingestão dos cistos oriundos das fezes de indivíduos contaminados, os quais podem estar presentes na água, no alimento ou nas mãos4. Eles também podem ser transportados por moscas e baratas e transmitidos por sexo anal desprotegido. É discutível se a transmissão da Giardia lamblia pode se dar pelo contato próximo entre duas pessoas ou com animais domésticos. O cisto da Giardia lamblia pode durar até dois meses fora do organismo humano ou animal.

Quais são os principais sinais5 e sintomas6 da giardíase?

As infecções7 podem ser assintomáticas ou gerar:

  • Diarreias crônicas com odor forte, devido à má absorção de gorduras.
  • Fraqueza.
  • Dor abdominal.
  • Febre8 baixa.
  • Náuseas9 e vômitos10.
  • Perda de peso.
  • Cólicas11 abdominais.

Essas manifestações podem também gerar um quadro de deficiência vitamínica e mineral e, em crianças, podem causar a morte, se não tratadas.

Como o médico diagnostica a giardíase?

Nenhum método diagnóstico12 para giardíase é 100% preciso. O diagnóstico12 clínico pode ser difícil, embora haja certos sintomas6 sugestivos. Um diagnóstico12 mais aproximado pode ser feito via exame de fezes ou, em casos raros, através de aspiração de líquido ou biópsia13 duodenal. O exame de fezes nunca detecta giardíase em pessoas que não têm a doença, mas naquelas que têm, só é positivo em cerca de 73% dos casos. Outro exame é a pesquisa de anticorpos14 nas fezes. O teste ELISA mostra anticorpo15 para a Giardia lamblia em 95%, mas há cerca de 2% de casos falso-positivos.

Como o médico trata a giardíase?

O tratamento da giardíase pode ser feito com o uso de fármacos adequados. O mais empregado tem sido o metronidazol, embora se use também o albendazol, o secnidazol e o tinidazol, além de outros. A quinacrina, embora muito eficiente, pode causar mal-estar gastrointestinal e pode induzir uma psicose16 tóxica (rara).

Como evolui a giardíase?

Habitualmente, a giardíase é uma doença autolimitada e cerca de 85% das pessoas param de apresentar sintomas6, geralmente em menos de um mês.

Algumas pessoas, no entanto, podem desenvolver uma infecção1 crônica.

Como prevenir a giardíase?

  • Lavar bem as mãos4 após ir ao banheiro, trocar fraldas, brincar com animais, antes de comer ou preparar alimentos.
  • Beber apenas água tratada filtrada ou fervida e higienizar os alimentos antes do consumo.

Advertência: a água ou os alimentos tratados unicamente com cloro não impedem a infecção1 deste protozoário3, porque não mata seus esporos17.

ABCMED, 2013. Giardia: como é a giardíase?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/349954/giardia+como+e+a+giardiase.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
3 Protozoário: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
4 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
9 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
10 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
11 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
14 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
15 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
16 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
17 Esporos: Estruturas unicelulares e uninucleares, resistentes ao calor e à dessecação, capazes de germinar em determinadas condições e reproduzirem assexuadamente o indivíduo que as originou.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.