Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento da toxoplasmose

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é toxoplasmose1?

A toxoplasmose1 é uma doença infecciosa causada pelo protozoário2 Toxoplasma gondii, transmitida por animais como suínos, bovinos, caprinos, aves, animais silvestres, gatos e a maioria dos vertebrados terrestres homeotérmicos3. Quando acomete mulheres grávidas, a toxoplasmose1 pode acarretar abortos e nascimento de fetos malformados.

Os gatos e outros felinos ingerem os cistos que estão nos tecidos de animais como ratos e pássaros, por exemplo, os quais ao encontrarem condições ideais no ambiente, levam de um a cinco dias para se tornarem infectantes. A infecção4 da toxoplasmose1 é de ocorrência muito comum, mas nem sempre é grave e muitas vezes pode ser mesmo assintomática. Apesar de geralmente ser tratada apenas quando o indivíduo apresenta sintomas5, o tratamento pode ser feito mesmo na ausência destes, se o Toxoplasma é detectado.

Como tratar a toxoplasmose1?

A toxoplasmose1, quando adequadamente tratada, tem cura. Os tratamentos dessa doença são sempre demorados e, nos casos ligados à gravidez6, à toxoplasmose1 congênita7 e a indivíduos com deficiência do sistema imunológico8, como pessoas com AIDS ou doença de Hodgkin9, são ainda mais longos. Eles sempre são feitos através do uso de antibióticos como a pirimetamina, a sulfadiazina e a espiramicina, por exemplo. No entanto, o tratamento não garante uma cura definitiva porque o Toxoplasma pode voltar a infectar o indivíduo. Por isso, a melhor forma de livrar-se da toxoplasmose1 continua sendo a prevenção.

Na gravidez6, o tratamento varia de acordo com o tempo de gestação e o grau de infecção4 da gestante. O tratamento está sempre indicado para tentar reduzir a chance de acometimento fetal. Contudo, este tratamento não garante a proteção total do feto10 contra o agente causal da toxoplasmose1 e há a chance de ocorrência de malformação11 fetal e de que os bebês12 contraiam a toxoplasmose1 congênita7. Por isso, a grávida deve fazer exame de sangue13 para diagnosticar a toxoplasmose1 o mais cedo possível. Usa-se uma combinação de antibióticos, dependendo da fase da gravidez6 em que a gestante se encontra.

O tratamento para a toxoplasmose1 congênita7 é feito com o uso de antibióticos. Porém, algumas malformações14 causadas pela doença podem ser definitivas. Todos os bebês12 devem ser tratados, mesmo os assintomáticos, já que existe a possibilidade de desenvolverem sequelas15 neurológicas tardias.

O tratamento da toxoplasmose1 ocular varia de acordo com a localização, com o grau de infecção4 dos olhos16 e com o estado clínico do paciente. Geralmente é feito com uma mistura de antibióticos. Após o tratamento, pode ser necessário realizar cirurgia oftálmica para resolver outros problemas provocados pela toxoplasmose1 ocular, como o descolamento de retina17, por exemplo.

A forma cerebral da toxoplasmose1 deve também ser tratada com antibióticos e, algumas vezes, faz-se necessário o uso de corticoides.

Em pacientes imunocomprometidos, o tratamento é feito com doses mais altas de antibióticos do que as usadas nos imunocompetentes. Algumas vezes os efeitos colaterais18 podem determinar a suspensão do tratamento.

Como evolui a toxoplasmose1?

A toxoplasmose1 é assintomática em cerca de 90% das pessoas com sistema imune19 saudável e a maioria das pessoas só descobre estar infectada quando faz exames de sangue13 por outros motivos, como nos exames pré-natais de rotina. A maioria dos pacientes tem uma toxoplasmose1 benigna, autolimitada, com duração de semanas ou meses. O aumento dos gânglios20 também desaparece com o tempo, mas em casos raros pode persistir cronicamente.

Nos pacientes saudáveis, é muito raro haver complicações da toxoplasmose1. No entanto, complicações como pneumonia21, miocardite22, pericardite23, polimiosite, hepatite24 ou encefalite25 podem ocorrer em pacientes imunodeprimidos. A coriorretinite (infecção4 profunda dos olhos16) é uma lesão26 que pode surgir mesmo nos pacientes com um sistema imunológico8 normal, apesar de também ser uma manifestação mais comum em imunodeprimidos. Adultos com doença adquirida mais cedo podem apresentar envolvimento ocular bilateral, cicatrizes27 e recorrências28 da lesão26 ocular, que pode evoluir para a cegueira. A infecção4 adquirida na idade adulta costuma causar dor ocular e redução da acuidade visual29.

Como prevenir a toxoplasmose1?

Os animais domésticos devem ser regularmente levados ao veterinário para fazer exames que identifiquem a presença ou não da toxoplasmose1. Ademais, as pessoas devem:

  • Higienizar as frutas e legumes que serão consumidos crus com água sanitária diluída (uma colher de sopa de água sanitária para um litro de água).
  • Consumir somente água potável.
  • Evitar colocar as mãos30 na boca31 após mexer em carnes cruas.
  • Cozinhar bem as carnes e evitar o consumo de carnes mal passadas.
  • Evitar o contato com gatos, quando possível.
  • Lavar bem as mãos30 quando tocar em animais desconhecidos.
  • Evitar o contato direto com fezes de animais domésticos.

 

ABCMED, 2016. Tratamento da toxoplasmose. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/818469/tratamento+da+toxoplasmose.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Toxoplasmose: Infecção produzida por um parasita unicelular denominado Toxoplasma gondii. Este parasita cumpre um primeiro ciclo no interior do tubo digestivo de certos animais domésticos como o gato. A infecção é produzida ao ingerir alimentos contaminados e pode ocasionar graves transtornos durante a gestação e em pessoas imunossuprimidas.
2 Protozoário: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
3 Homeotérmicos: Que possui temperatura constante; que conserva temperatura constante. É o mesmo que homotérmico ou isotérmico.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
8 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
9 Doença de Hodgkin: Doença neoplásica que afeta o tecido linfático, caracterizada por aumento doloroso dos gânglios linfáticos do pescoço, axilas, mediastino, etc., juntamente com astenia, prurido (coceira) e febre. Atualmente pode ter uma taxa de cura superior a 80%.
10 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
11 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
12 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
15 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
16 Olhos:
17 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
18 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
19 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
20 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
21 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
22 Miocardite: 1. Inflamação das paredes musculares do coração. 2. Infecção do miocárdio causada por bactéria, vírus ou outros microrganismos.
23 Pericardite: Inflamação da membrana que recobre externamente o coração e os vasos sanguíneos que saem dele. Os sintomas dependem da velocidade e grau de lesão que produz. Variam desde dor torácica, febre, até o tamponamento cardíaco, que é uma emergência médica potencialmente fatal.
24 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
25 Encefalite: Inflamação do tecido encefálico produzida por uma infecção viral, bacteriana ou micótica (fungos).
26 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
27 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
28 Recorrências: 1. Retornos, repetições. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
29 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
30 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
31 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.