Atalho: 6E8FUWH
Gostou do artigo? Compartilhe!

Sarna ou escabiose. O que é isso?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a escabiose1?

A escabiose1, popularmente chamada de sarna2, é uma infestação3 parasitária da pele4 que pode ocorrer tanto em seres humanos como em animais. É causada por um parasita5 minúsculo, nem sempre visível, que produz intenso prurido6.

A infecção7 em animais é causada por uma espécie diferente de ácaros, mas muito relacionada a aqueles que causam a infestação3 no homem. A sarna2 canina, capaz de trazer um grande sofrimento ao animal se não tratada, não é transmissível ao ser humano.

Quais são as causas de escabiose1?

A doença é transmitida por contato direto e relativamente prolongado entre as pessoas como abraço, luta, relação sexual, mãe amamentando o bebê, etc. Também pode resultar do compartilhamento de roupas íntimas ou objetos.

Trata-se de uma infestação3 por um ácaro, o Sarcoptes scabiei, e não está associada diretamente com a falta de higiene. É frequente em ambientes de aglomerações como quarteis, colégios, presídios, etc.

O parasita5 alimenta-se da queratina, uma proteína própria da camada superficial da pele4. Em geral, a infestação3 começa entre os dedos das mãos8 e daí espalha-se para outras áreas do corpo.

Quais são os sintomas9 da escabiose1?

Os sintomas9 mais característicos são alérgicos e, por isso, pode haver um atraso significativo no alívio dos mesmos, mesmo depois que os parasitas tenham sido erradicados.

O ácaro perfura a pele4 em questão de minutos e a penetra, produzindo ”túneis” pelos quais as fêmeas depositam os ovos, o que leva a um prurido6 intenso, associado a lesões10 de pele4 causadas pela perfuração e, posteriormente, pelas coçaduras.

A lesão11 típica da sarna2 é um pequeno trajeto linear pouco elevado, ligeiramente avermelhado, corresponde aos “túneis” escavados sob a pele4. Em geral, estas lesões10 são deformadas pelas coçaduras e, quase sempre, o que se encontra são pontos escoriados ou recobertos por crostas. A elas, seguem-se infecções12 secundárias, com surgimento de pústulas13 e crostas amareladas.

A infestação3 atinge principalmente as áreas mais finas e aquecidas da pele4 como punhos, axilas, ventre, nádegas14, seios15 e órgãos genitais.

Como o médico diagnostica a escabiose1?

O exame direto das lesões10, bem como os sintomas9 clínicos costumam ser suficientes para não deixar dúvidas, mas pode-se ainda proceder a exames complementares confirmatórios.

Como se trata a escabiose1?

O tratamento é feito à base de inseticidas ou escabicidas especiais, que devem ser aplicados no corpo todo, exceto no rosto, por dois ou três dias. A aplicação deve ser repetida depois de sete a dez dias de intervalo para combater os ácaros oriundos de ovos que ainda não haviam eclodido quando da primeira aplicação. Embora os ácaros morram facilmente, as lesões10 e as infecções12 secundárias podem demorar a serem curadas.

Devido à alta taxa de contágio16 da infestação3, todas as pessoas que mantenham contatos íntimos com o paciente (familiares morando na mesma residência, parceiros sexuais, etc.) devem ser tratados preventivamente com os mesmos procedimentos.

O tratamento medicamentoso se faz em geral com a aplicação tópica do creme de permetrina17 a 5%, uma aplicação à noite, por seis noites consecutivas ou aplicação diária de loção e xampus de deltametrina por 7 a 10 dias. Como existem contraindicações ao uso, um médico (clínico geral, pediatra ou dermatologista) deve ser sempre consultado.

Em mulheres grávidas deve ser usado o enxofre diluído em petrolatum.

Podem ser usados anti-histamínicos e sedantes, com o objetivo de aliviar o prurido6. Atualmente já existem remédios por via oral que são eficientes no tratamento da escabiose1.

Como alguns dos sintomas9 da sarna2 humana são alérgicos, pode haver um atraso significativo no alívio dos mesmos após os parasitas serem erradicados.

Tem jeito de prevenir a escabiose1?

  • As roupas de cama e as de uso pessoal do paciente devem ser trocadas, lavadas e passadas a ferro diariamente até a repetição do tratamento tópico18.
  • As pessoas do círculo próximo de relações do paciente (parentes, companheiros próximos e parceiros sexuais) devem ser tratadas simultaneamente.
  • A pessoa contaminada deve deixar de frequentar a escola, igrejas, clubes ou outros ambientes com aglomerações até o término do tratamento.
  • Em ambientes onde haja pessoas confinadas como presídios, por exemplo, há maior dificuldade em erradicar a sarna2, uma vez que a infestação3 é facilmente transmissível.
ABCMED, 2012. Sarna ou escabiose. O que é isso?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/292705/sarna-ou-escabiose-o-que-e-isso.htm>. Acesso em: 14 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Escabiose: Doença contagiosa da pele causada nos homens pelo Sarcoptes scabiei e nos animais por diversos ácaros. Caracteriza-se por intenso prurido e eczema. Popularmente conhecida como sarna ou pereba.
2 Sarna: Doença produzida por um parasita chamado Sarcoptes scabiei. Infesta a superfície da pele produzindo coceira e vesículas branco peroladas juntamente com lesões por coçadura. Localiza-se mais freqüentemente nas pregas interdigitais, inguinais e submamárias. É contagiosa, passando de pessoa para pessoa por contato íntimo, e por isto muito freqüente em aglomerações humanas (asilos, creches, abrigos). Nestes casos toda a população deve ser tratada ao mesmo tempo.
3 Infestação: Infecção produzida por parasitas. Exemplos de infestações são sarna (escabiose), pediculose (piolhos), infecção por parasitas intestinais, etc.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
6 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
14 Nádegas:
15 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
16 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
17 Permetrina: Medicamento tópico utilizado no tratamento de combate aos piolhos, seus ovos e também contra a sarna.
18 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.

Artigos selecionados

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.