Atalho: 6OF3CIX
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é a febre maculosa?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

A febre1 maculosa, também chamada de febre1 do carrapato, é uma doença febril aguda, de gravidade variável veiculada por carrapatos contaminados pela bactéria2 Rickettsia rickettsii. Ao picarem uma pessoa para se alimentarem, esses carrapatos hematófagos3 regurgitam saliva contaminada que eles trazem em suas glândulas salivares4.

É uma doença mais comum nos meios rurais do que nos urbanos e naqueles que têm uma grande população de animais, sobretudo equinos e bovinos. Sua maior incidência5 se verifica durante a primavera e o verão. Nos Estados Unidos, é conhecida como Rocky Mountain Fever (Febre1 das Montanhas Rochosas). No Brasil, febre1 maculosa é uma doença de notificação compulsória6.

Quais são as causas da febre1 maculosa?

A febre1 maculosa é causada pela bactéria2 Rickettsia rickettsii, transmitida principalmente pelos carrapatos Amblyomma aureolatum (carrapato-amarelo-do-cão) e Amblyomma cajennense (carrapato estrela, carrapato-de-cavalo), além de algumas outras espécies. Potencialmente, todo carrapato pode ser um reservatório da bactéria2. Esses carrapatos atacam o homem ainda nas suas fases de larvas e ninfas, bem como na fase adulta. As capivaras são o maior reservatório natural desses carrapatos, mas eles podem ser encontrados também em animais de grande porte (bois, cavalos, etc), cães, aves domésticas, roedores e cobras. Não há contágio7 de uma pessoa para outra.

Quais são os sinais8 e sintomas9 da febre1 maculosa?

Os primeiros sintomas9 da febre1 maculosa aparecem de 2 a 14 dias (sete em média) depois da picada do carrapato. A sintomatologia inicial não é específica e pode ser confundida com outras doenças, infecciosas ou não. Os sinais8 e sintomas9 iniciais mais comuns são:

  • Febre1 súbita (que pode durar de 2 a 3 semanas).
  • Calafrios10.
  • Fortes cefaleias11.
  • Dores musculares.
  • Exantemas12.
  • Náuseas13 e vômitos14.
  • Falta de apetite.

Tendo em vista a não especificidade desses sintomas9, torna-se muito importante que a história de mordida de carrapato possa ser confirmada ou excluída. Com a evolução da doença podem surgir:

  • Petéquias15.
  • Dor abdominal.
  • Dores articulares.
  • Diarreia16.

As máculas17 eritematosas18 (origem do nome da doença) na pele19 geralmente se localizam nos punhos, tornozelos, tronco, face20, mãos21 e pés e podem aparecer logo nos primeiros dias. As máculas17 são manchas de cor avermelhada, provocadas pela dilatação dos capilares22 sanguíneos da pele19. Rosadas, de início, após alguns dias ganham tonalidades arroxeadas. Na área em que houve a picada do carrapato, pode aparecer uma úlcera23 necrótica e nos casos mais graves pode haver necrose24 nos dedos, orelhas25, palato26 mole e genitais. Como os exantemas12 só aparecem 2 a 5 dias após o início da febre1, geralmente ele ainda não existe ou é muito sutil quando o médico vê o paciente pela primeira vez. Além disso, certa porcentagem de pacientes (10% a 15%) nunca desenvolve exantemas12. Uma vez que a Rickettsia rickettsii infecta as células27 que revestem internamente os vasos sanguíneos28 de todo o corpo, causando vasculites, as manifestações severas desta doença podem envolver o sistema respiratório29, o sistema nervoso central30, o sistema gastrointestinal e o sistema renal31 causando complicações graves.

Como o médico diagnostica a febre1 maculosa?

No exame laboratorial de sangue32, o paciente com febre1 maculosa apresentará anemia33, trombocitopenia34, hiponatremia35 e elevação das enzimas hepáticas36. O médico deve providenciar uma reação de imunofluorescência indireta – RIFI (exame específico para esta doença), mas não deve esperar pelos resultados dela para começar a medicar o paciente, porque os resultados desse exame são muito demorados (21 dias ou mais). A histopatologia37 da pele19 lesada ou de material de necropsia38, como fragmentos39 de pulmão40, fígado41, baço42, coração43, músculos44 e cérebro45 e a cultura e isolamento da Rickettsia rickettsii podem confirmar o diagnóstico46.

Como o médico trata a febre1 maculosa?

A maioria das pessoas necessita apenas de medicações sintomáticas como analgésicos47, antitérmicos48, hidratação oral e repouso, mas como a febre1 maculosa pode ser uma doença grave, os pacientes frequentemente têm de ser hospitalizados. Mesmo assim, a maioria deles se cura, desde que o tratamento adequado seja introduzido precocemente.

Em virtude da vasculite49 causada pelas bactérias, quanto mais se retardar o tratamento, maiores as chances de complicações graves. A medicação básica é feita com antibióticos (tetraciclina e cloranfenicol), os quais devem ser mantidos por dez a quatorze dias.

Como prevenir a febre1 maculosa?

Não há vacina50 contra a febre1 maculosa, mas a imunidade51 deixada pela doença é muito duradoura.

  • Se possível evite o contato com carrapatos e mantenha os animais de sua propriedade livres deles.
  • Quando em ambientes onde os carrapatos possam existir, examine seu corpo a pequenos intervalos de tempo, porque para transmitir a doença eles precisam ficar pelo menos quatro horas fixados à pele19 das pessoas. Além disso, procure usar roupas claras, que facilitam enxergá-los.
  • Coloque a barra das calças dentro das meias ou calce botas de cano alto quando estiver nas áreas que possam estar infestadas por carrapatos.
  • Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado em sua pele19, porque os espremendo você pode produzir uma injeção52 maciça de bactérias na corrente sanguínea.

Como evolui a febre1 maculosa?

Pode haver a evolução para cura espontânea após três semanas, mas geralmente se não diagnosticada e tratada rapidamente, a doença pode levar a complicações como miocardite53, insuficiência respiratória54, insuficiência renal55 e septicemia56 e pode, inclusive, ser fatal (cerca de 20% dos casos).

São fatores associados a uma evolução desfavorável da febre1 maculosa:

  • Idade avançada.
  • Sexo masculino.
  • Raça negra.
  • Abuso crônico57 de álcool.

Outras complicações podem ainda ocorrer, conforme o órgão ou região corporal afetada, tais como paralisia58 parcial das pernas; gangrena59 de dedos das mãos21 ou dos pés, braços ou pernas; perda da audição; perda do controle esfincteriano60 intestinal ou da bexiga61; desordens motoras e desordens da fala.

ABCMED, 2012. O que é a febre maculosa?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/322870/o+que+e+a+febre+maculosa.htm>. Acesso em: 27 set. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
3 Hematófagos: Hematófagos Que ou o que se alimenta de sangue (diz-se de animal).
4 Glândulas salivares: As glândulas salivares localizam-se no interior e em torno da cavidade bucal tendo como objetivo principal a produção e a secreção da saliva. São elas: parótidas, submandibulares, sublinguais e várias glândulas salivares menores.
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Notificação compulsória: Doenças de Notificação Compulsória são aquelas que devem ser obrigatoriamente notificadas quando identificadas em uma pessoa, ou seja, elas são comunicadas às secretarias de saúde, para que se possa ter controle e evitar o aumento dos casos. Algumas doenças de Notificação Compulsória são: AIDS, dengue, hepatites virais, rubéola, sarampo, febre Amarela, raiva, meningite e cólera.
7 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
11 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
12 Exantemas: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
13 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
14 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
15 Petéquias: Pequenas lesões da pele ou das mucosas, de cor vermelha ou azulada, características da púrpura. São lesões hemorrágicas, que não desaparecem à pressão, cujo tamanho não ultrapassa alguns milímetros.
16 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
17 Máculas: Máculas ou manchas são lesões planas, não palpáveis, constituídas por uma alteração circunscrita da cor da pele.
18 Eritematosas: Relativas a ou próprias de eritema. Que apresentam eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
19 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
20 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
21 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
22 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
23 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
24 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
25 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
26 Palato: Estrutura que forma o teto da boca. Consiste em palato duro anterior (PALATO DURO) e de palato mole posterior (PALATO MOLE).
27 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
28 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
29 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
30 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
31 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
32 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
33 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
34 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
35 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
36 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
37 Histopatologia: Histologia de tecidos orgânicos que apresentam lesões. A histologia é uma disciplina biomédica que realiza estudos da estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
38 Necropsia: 1. Em medicina legal, necropsia ou autópsia é o exame minucioso de um cadáver, realizado por especialista qualificado, para determinar o momento e a causa da morte. 2. Exame, inspeção de si próprio. No sentido figurado, é uma análise minuciosa; crítica severa.
39 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
40 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
41 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
42 Baço:
43 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
44 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
45 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
46 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
47 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
48 Antitérmicos: Medicamentos que combatem a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
49 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
50 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
51 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
52 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
53 Miocardite: 1. Inflamação das paredes musculares do coração. 2. Infecção do miocárdio causada por bactéria, vírus ou outros microrganismos.
54 Insuficiência respiratória: Condição clínica na qual o sistema respiratório não consegue manter os valores da pressão arterial de oxigênio (PaO2) e/ou da pressão arterial de gás carbônico (PaCO2) dentro dos limites da normalidade, para determinada demanda metabólica. Como a definição está relacionada à incapacidade do sistema respiratório em manter níveis adequados de oxigenação e gás carbônico, foram estabelecidos, para sua caracterização, pontos de corte na gasometria arterial: PaO2 50 mmHg.
55 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
56 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
57 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
58 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
59 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
60 Esfincteriano: Relativo ou pertencente ao esfíncter; esfinctérico. Esfíncter é uma estrutura muscular que contorna um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituído de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
61 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

10/11/2014 - Comentário feito por marcio
Muito completo e bem pratico para leitura.
Muito completo e bem pratico para leitura.

  • Entrar
  • Receber conteúdos