Gostou do artigo? Compartilhe!

Nefrocalcinose

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é nefrocalcinose?

A nefrocalcinose é a deposição de cálcio no parênquima1 e nos túbulos renais, sob a forma de fosfato ou oxalato. Alguns autores consideram nefrocalcinose apenas a deposição de fosfatos, denominando oxalose a deposição de oxalatos, embora seja mais usual o uso do termo no sentido mais amplo, cobrindo as duas substâncias.

A nefrocalcinose é um distúrbio generalizado e não inclui o depósito localizado de cálcio (calcificação2) devido a uma lesão3 renal4 focal.

Ela pode ser classificada em 3 formas diferentes que representam graus crescentes de gravidade:

  1. Molecular ou química, que inclui uma concentração de cálcio que é quantificável, mas não visível microscopicamente.
  2. Concentração de cálcio microscópica, visível ao microscópio no caso de biópsia5 e geralmente precursora da terceira fase.
  3. Concentração de cálcio macroscópica, que é a calcificação2 visível nas radiografias simples de abdômen ou na ultrassonografia6.

Embora a apresentação clínica dessas formas de nefrocalcinose sejam diferentes, na prática muitas vezes há alguma sobreposição delas. Usualmente, a nefrocalcinose envolve a medula renal7 e menos frequentemente o córtex renal8.

O termo nefrocalcinose foi primeiramente utilizado por Fuller Albright, em 1934.

Quais são as causas da nefrocalcinose?

A nefrocalcinose é causada por condições médicas que envolvem uma hipercalcemia, hiperfosfatemia, hipercalciúria9, hiperfosfatúria e hiperoxalúria. A causa mais comum da nefrocalcinose é a hipercalciúria9, com ou sem hipercalcemia. A formação de cristais de cálcio ocorre na urina10 de pH alcalino que tem origem em muitas doenças subjacentes.

Em geral, a nefrocalcinose aparece associada a condições como a síndrome11 de Alport ou a síndrome11 de Bartternecrose12 cortical (como costuma acontecer na gravidez13); glomerulonefrite14 crônica; rejeição aos transplantes renais; traumas renais; e tuberculose15.

Outras causas possíveis, porém mais raras, são: intoxicação por etilenoglicol; hiperparatireoidismo; sarcoidose16; tuberculose15 renal4; e toxicidade17 pela vitamina18 D.

A nefrocalcinose pode também ser causada pelo uso de certos medicamentos ou suplementos, por infecção19 ou qualquer condição que leve a altos níveis de cálcio no sangue20 ou na urina10 e por uma variedade de outras condições.

Alguns dos distúrbios subjacentes que podem causar nefrocalcinose são genéticos, com o padrão de herança dependendo do distúrbio específico. Uma nefrocalcinose cortical é sempre o resultado de uma calcificação2 distrófica devido à destruição de tecido21 parenquimatoso22, e não da precipitação de conteúdos urinários excessivos, sendo causada geralmente por infartos, quadros malignos e infecções23.

Leia sobre "Insuficiência renal24 aguda" e "Insuficiência renal24 crônica".

Qual é o substrato fisiopatológico da nefrocalcinose?

Os avanços recentes da genética ajudaram a identificar vários transportadores e receptores que estão envolvidos na regulação da reabsorção tubular de cálcio e fosfato, e vários genes têm sido envolvidos na nefrolitíase hipercalciúrica. Num sentido contrário, a urumodulina e a fatuína parecem ter um papel protetor.

Quais são as características clínicas da nefrocalcinose?

Mais geralmente, a nefrocalcinose ocorre em bebês25 prematuros. Ela tanto pode existir em pacientes com funções renais normais ou se apresentar como um sofrimento renal4 agudo26 ou crônico27. A nefrocalcinose está relacionada com cálculos renais, mas não é a mesma coisa que eles. Na maioria das vezes ambos os rins28 são afetados, mas em poucos casos apenas um deles é comprometido.

As pessoas acometidas podem não apresentar sintomas29, mas, se cálculos renais estiverem presentes, os sintomas29 podem incluir sangue20 na urina10, febre30, calafrios31, náuseas32, vômitos33 e dor intensa no abdômen, nas laterais das costas34 (flancos35), virilhas ou testículos36. Mais tardiamente, os sintomas29 podem estar associados à insuficiência renal24 crônica.

Como o médico diagnostica a nefrocalcinose?

Quase sempre, a nefrocalcinose é diagnosticada por técnicas de imagem: radiografias simples, tomografia computadorizada37 ou ultrassonografia6. Em alguns casos de diagnóstico38 mais difícil, uma biópsia5 renal4 pode ser realizada para confirmar o diagnóstico38.

Confirmado o diagnóstico38 de nefrocalcinose, outros exames serão necessários para determinar sua causa. Esses exames medirão eletrólitos39, cálcio, fosfato e pH da urina10, entre outras coisas. A urina10 de 24 horas deve ser medida, bem como a excreção diária de cálcio, fosfato, oxalato, citrato e creatinina40.

Como o médico trata a nefrocalcinose?

O tratamento deve ser dirigido à condição causal subjacente. Devem ser usadas estratégias para reduzir a concentração urinária de cálcio e a ingestão de líquidos deve ser feita de modo a produzir pelo menos 2 litros de urina10 em cada 24 horas.

Em pacientes com hipercalciúria9, a excreção de cálcio pode ser reduzida restringindo-se a quantidade de proteína animal, diminuindo a ingestão de sódio, aumentando a ingestão de potássio e usando um diurético41 tiazídico. No entanto, pacientes com hipercalcemia não devem usar diurético41 tiazídico.

Como evolui a nefrocalcinose?

A nefrocalcinose pode ser devida a muitas condições renais e seu prognóstico42 depende das condições causais. Se elas não forem identificadas precocemente e adequadamente tratadas, progridem para uma deficiência renal4 crônica. Uma nefrocalcinose que chega a ser detectada radiologicamente raramente é reversível.

Quais são as complicações possíveis com a nefrocalcinose?

O raquitismo43 hipofosfatêmico, se não tratado, causará anomalias ósseas. Nas síndromes de hipomagnesemia-hipercalciúria9, as crianças podem apresentar convulsões tetânicas, câimbras44 musculares e fraqueza. Em alguns pacientes, pode ocorrer perda auditiva e comprometimento ocular.

Veja também sobre "Hipocalcemia45 e Hipercalcemia", "Hiperparatireoidismo", "Câimbras44" e "Transplante renal4".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do GARD - Genetic and Rare Diseases Information Center e do NIH – National Institutes of Health.

ABCMED, 2022. Nefrocalcinose. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1426640/nefrocalcinose.htm>. Acesso em: 25 mar. 2023.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Parênquima: 1. Célula específica de uma glândula ou de um órgão, contida no tecido conjuntivo. 2. Na anatomia botânica, é o tecido vegetal fundamental, que constitui a maior parte da massa dos vegetais, formado por células poliédricas, quase isodiamétricas e com paredes não lignificadas, a partir das quais os outros tecidos se desenvolvem. 3. Na anatomia zoológica, é a substância celular mole que preenche o espaço entre os órgãos.
2 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
5 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
6 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
7 Medula Renal: Parte interna do rim. Consiste de estruturas cônicas estriadas - pirâmides de Malpighi, cujas bases são adjacentes ao córtex e os ápices formam papilas salientes que se projetam para dentro do lúmem dos cálices menores.
8 Córtex Renal: Zona mais externa do RIM (abaixo da cápsula), constituída pelos GLOMÉRULOS RENAIS, TÚBULOS RENAIS DISTAIS e TÚBULOS RENAIS PROXIMAIS.
9 Hipercalciúria: Eliminação de quantidade anormalmente grande de cálcio na urina.
10 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
11 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
12 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
13 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
14 Glomerulonefrite: Inflamação do glomérulo renal, produzida por diferentes mecanismos imunológicos. Pode produzir uma lesão irreversível do funcionamento renal, causando insuficiência renal crônica.
15 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
16 Sarcoidose: Sarcoidose ou Doença de Besnier-Boeck é caracterizada pelo aparecimento de pequenos nódulos inflamatórios (granulomas) em vários órgãos. A doença pode afetar qualquer orgão do corpo, mas os mais atingidos são os pulmões , os gânglios linfáticos (ínguas ), o fígado, o baço e a pele.
17 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
18 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
19 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
21 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
22 Parenquimatoso: Relativo a parênquima. Parênquima, na anatomia geral, é uma célula específica de uma glândula ou de um órgão, contida no tecido conjuntivo. Na anatomia botânica, é um tecido vegetal fundamental, que constitui a maior parte da massa dos vegetais, formado por células poliédricas, quase isodiamétricas e com paredes não lignificadas, a partir das quais os outros tecidos se desenvolvem. Já na anatomia zoológica, é uma substância celular mole que preenche o espaço entre os órgãos.
23 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
24 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
25 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
26 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
27 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
28 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
31 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
32 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
33 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
34 Costas:
35 Flancos: 1. O lado (de qualquer coisa). Na anatomia humana, é cada um dos lados do corpo, dos quadris aos ombros. 2. Em construção, é a parte entre o baluarte e a cortina. 3. Em futebol, é o lado do campo. 4. Em geologia, é cada um dos lados de uma dobra. 5. Em termo militar, é a parte lateral de uma posição ou de uma tropa formada em profundidade.
36 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
37 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
38 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
39 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
40 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
41 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
42 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
43 Raquitismo: Doença decorrente da mineralização inadequada do osso em crescimento, ou seja, da placa epifisária. Está entre as doenças mais comuns da infância em países em desenvolvimento. A causa predominante é a deficiência de vitamina D, seja por exposição insuficiente à luz solar ou baixa ingestão através da dieta; mas a deficiência de cálcio na dieta também pode gerar um quadro de raquitismo. A osteomalácia é o termo usado para descrever uma condição semelhante que ocorre em adultos, geralmente devido à falta de vitamina D.
44 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
45 Hipocalcemia: É a existência de uma fraca concentração de cálcio no sangue. A manifestação clínica característica da hipocalcemia aguda é a crise de tetania.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Nefrologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.