Gostou do artigo? Compartilhe!

Esclerose subcondral - como ela é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é esclerose1 subcondral2?

A esclerose1 subcondral2 é uma doença que tem impacto nos ossos das pessoas que sofrem de osteoartrites. É o endurecimento do osso logo abaixo da superfície da cartilagem3, especificamente nas zonas das articulações4, em decorrência do aumento da massa e da densidade óssea por uma camada fina de osso localizada logo abaixo da cartilagem3 da articulação5.

Quais são as causas da esclerose1 subcondral2?

A causa da esclerose1 subcondral2 ainda não é claramente compreendida. No entanto, sabe-se que ela aparece nas fases adiantadas e finais da osteoartrite6, quando há uma degeneração7 da cartilagem articular8.

Contudo, estudos mais recentes têm mostrado que pode haver alterações no osso subcondral2 nos estágios iniciais da osteoartrite6 e que essas mudanças iniciais podem ser uma das causas, não um resultado, da artrite9. Uma visão10 mais antiga prega o contrário: à medida que a ponta do osso se torna mais espessa, pode danificar a cartilagem3 da articulação5, levando à osteoartrite6.

Os fatores de risco para a esclerose1 subcondral2 são os mesmos da osteoartrite6: genética, idade avançada, mulheres na pós-menopausa11, obesos, lesões12 nas articulações4, estresse repetitivo nas articulações4 e ossos desalinhados.

Veja sobre "Dores nas pernas", "Dores nas juntas" e "Artrite reumatoide13".

Qual é o substrato fisiológico14 da esclerose1 subcondral2?

O tecido ósseo15 de uma pessoa está constantemente sendo reparado e substituído, especialmente na parte próxima à articulação5. Quando a pessoa tem esclerose1 subcondral2, algo faz com que o novo tecido16 se torne mais denso e tenha mais colágeno17 do que o osso normal. A esclerose1 subcondral2 ocorre devido a esse espessamento.

A junção osteocondral é a transição entre os tecidos moles e duros e, portanto, é crítica para absorver as tensões durante a atividade articular. A esclerose1 subcondral2 envolve a degradação da cartilagem3 e a remodelação óssea devido a uma resposta ativa dos condrócitos18 na cartilagem articular8 e das células19 inflamatórias nos tecidos circundantes. A liberação de enzimas dessas células19 decompõe o colágeno17, destruindo a cartilagem articular8. A exposição do osso subcondral2 subjacente resulta em esclerose1, seguida por alterações reativas de remodelação que levam à formação de cistos e osteófitos20 do osso subcondral2. O espaço articular é progressivamente perdido ao longo do tempo.

Quais são as características clínicas da esclerose1 subcondral2?

A esclerose1 subcondral2 aparece nas fases adiantadas da osteoartrite6 e não apresenta sintomas21 separados dos sintomas21 dessa doença. Ela é comum nos ossos envolvidos nas articulações4 que suportam cargas, como joelhos e quadris, mas outras articulações4 também podem ser afetadas, incluindo a mão22, o pé ou a coluna.

A esclerose1 subcondral2 pode acompanhar o agravamento da dor nas articulações4 próprias da osteoartrite6. Outros sinais23 e sintomas21 decorrentes da esclerose1 subcondral2 são a formação de cistos e os osteófitos20 (esporões ósseos). Um cisto subcondral2 é um espaço cheio de líquido dentro de uma articulação5, que se estende a partir de um dos ossos que formam a articulação5. Os osteófitos20 são uma das principais características clínicas dessa doença e podem se formar desde o início dela e ser uma fonte de dor e perda da função articular. Em geral, podem ser vistos antes de ocasionarem estreitamento do espaço articular.

Como o médico diagnostica a esclerose1 subcondral2?

À medida que a artrite9 piora, a área do osso logo abaixo da cartilagem3 torna-se mais densa, mas a pessoa não sente que isto está acontecendo, o que só pode ser detectado por radiografias ou ressonância magnética24. Os cistos aparecem pela primeira vez nas radiografias como pequenos sacos cheios de líquido logo abaixo da superfície da cartilagem3 da articulação5. Os esporões podem ser denunciados por dores e serem detectados igualmente por estes mesmos exames complementares.

Como o médico trata a esclerose1 subcondral2?

Não existem tratamentos específicos para a esclerose1 subcondral2, mas existem alguns para a osteoartrite6, e a esclerose1 subcondral2 é tratada como parte do tratamento daquela. São incluídos medicamentos anti-inflamatórios, fisioterapia25 para fortalecer os músculos26 ao redor de uma articulação5 comprometida, exercícios de baixo impacto, perda de peso, injeções de corticoide e ácido hialurônico.

Os cistos ósseos podem requerer aspiração, mas a condição de artrite9 também deve ser tratada para evitar a formação de novos cistos. Os esporões podem ser removidos por cirurgia. A cirurgia é o último recurso quando todos os outros tratamentos falham. A cirurgia de substituição de quadril e joelho atualmente é comum.

Quais são as complicações possíveis com a esclerose1 subcondral2?

Um estudo recente sugere que, em pessoas com osteoartrite6 do joelho, os cistos do osso subcondral2 podem indicar aumento da taxa de perda de cartilagem3 e progressão para piora da osteoartrite6. O estudo também descobriu que as pessoas com esses cistos têm, em média, o dobro da probabilidade de necessitarem de uma prótese27 de joelho dentro de um período de dois anos.

Leia também sobre "Reeducação postural global", "Benefícios do alongamento para o corpo" e "Musculação para idosos".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Science Direct e da Mayo Clinic

ABCMED, 2021. Esclerose subcondral - como ela é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1390335/esclerose-subcondral-como-ela-e.htm>. Acesso em: 18 mai. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Esclerose: 1. Em geriatria e reumatologia, é o aumento patológico de tecido conjuntivo em um órgão, que ocorre em várias estruturas como nervos, pulmões etc., devido à inflamação crônica ou por razões desconhecidas. 2. Em anatomia botânica, é o enrijecimento das paredes celulares das plantas, por espessamento e/ou pela deposição de lignina. 3. Em fitopatologia, é o endurecimento anormal de um tecido vegetal, especialemnte da polpa dos frutos.
2 Subcondral: Que está situado por baixo de uma cartilagem, sinônimo de subcartilagíneo.
3 Cartilagem: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
4 Articulações:
5 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
6 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
7 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
8 Cartilagem Articular:
9 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
10 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
11 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
12 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
13 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
14 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
15 Tecido Ósseo: TECIDO CONJUNTIVO especializado, principal constituinte do ESQUELETO. O componente celular básico (principle) do osso é constituído por OSTEOBLASTOS, OSTEÓCITOS e OSTEOCLASTOS, enquanto COLÁGENOS FIBRILARES e cristais de hidroxiapatita formam a MATRIZ ÓSSEA.
16 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
17 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
18 Condrócitos: Células polimórficas que formam a cartilagem.
19 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
20 Osteófitos: Desenvolvimentos patológicos de tecido ósseo em torno de uma articulação, cuja cartilagem está alterada pela artrose.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
23 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
24 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
25 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
26 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
27 Prótese: Elemento artificial implantado para substituir a função de um órgão alterado. Existem próteses de quadril, de rótula, próteses dentárias, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Reumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.