Gostou do artigo? Compartilhe!

Macrocitose - o que é? Quais as causas? O que deve ser feito?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é macrocitose?

Macrocitose é um termo usado para descrever um aumento de volume dos glóbulos vermelhos, que ficam maiores que o normal. A macrocitose não é uma doença específica, mas pode indicar um problema subjacente que requer avaliação e cuidados médicos. Na macrocitose, a quantidade de hemoglobina1 no sangue2 aumenta em proporção com o aumento do tamanho das células3 vermelhas.

Quais são as causas da macrocitose?

As causas da macrocitose são muitas, podendo variar de causas benignas a malignas. A macrocitose é mais prevalente em idosos, mas pode ocorrer em qualquer idade. As causas mais comuns incluem deficiência de vitamina4 B12, deficiência de folato, doença hepática5, alcoolismo e hipotireoidismo6 (baixa produção de hormônio7 tireoidiano).

A macrocitose pode acontecer, também, como efeito colateral8 de certos medicamentos, como aqueles usados para tratar o câncer9, convulsões e distúrbios autoimunes10, ou por um aumento da produção de glóbulos vermelhos pela medula óssea11, para corrigir anemia12, por exemplo, ou após a perda de sangue2.

Uma história de abuso de álcool pode ser uma causa importante de macrocitose, uma vez que o uso prolongado de álcool pode ter um efeito tóxico direto sobre a medula óssea11, independente da deficiência de vitamina4 B12 ou folato, gerando um aumento de volume das hemácias13. Certos agentes comumente usados em pacientes com doença falciforme ou com HIV14 também podem causar macrocitose, pelo que essas terapêuticas devem ser monitoradas de perto.

Saiba mais sobre "Ácido fólico", "Anemia perniciosa15", "Alcoolismo", "Hipotireoidismo6" e "Anemias".

Pacientes com doença hepática5 e icterícia16 obstrutiva podem ter macrocitose secundária à maior deposição de colesterol17 ou fosfolipídios nas membranas das hemácias13. Da mesma forma, em pacientes esplenectomizados (em que o baço18 tenha sido retirado) os lipídios da membrana de eritrócitos19, que geralmente são removidos durante a maturação no baço18, não são efetivamente removidos e o resultado é uma célula20 vermelha maior do que o normal.

Na anemia hemolítica21 ou anemia12 pós-hemorrágica22, a contagem de reticulócitos aumenta. O reticulócito, um eritrócito imaturo, é aproximadamente 20% maior que o eritrócito mais maduro. A macrocitose associada à DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) é atribuída ao excesso de água celular secundária à retenção de dióxido de carbono.

Em alguns pacientes com macrocitose foi relatado aumento da prevalência23 de depressões e psicoses.

Qual é o mecanismo fisiológico24 da macrocitose?

A causa mais comum de anemia12 macrocítica (de células3 de tamanho aumentado), não a megaloblástica (células gigantes25), é o resultado da deficiência na síntese de DNA, levando a um acúmulo de componentes citoplasmáticos, o que resulta em uma célula20 maior do que o normal. As coenzimas da vitamina4 B12 e do folato resultam em síntese retardada de DNA. A síntese de DNA pode também ser retardada quando da utilização de certos agentes quimioterápicos, incluindo antagonistas de folato e outros, e mesmo antimicrobianos antagonistas de folato.

Leia sobre "Esplenectomia" e "Icterícia16".

Quais são as principais características clínicas da macrocitose?

Normalmente, a macrocitose não causa sinais26 ou sintomas27 e é detectada incidentalmente em exames de sangue2 de rotina. Os sintomas27 que podem sugerir a macrocitose são atribuíveis à condição subjacente que causa a alteração, geralmente anemia12. Eles podem incluir dispneia28, dor de cabeça29, fadiga30, língua31 dolorida, diarreia32 ou outros sintomas27 gastrointestinais, parestesia33 ou distúrbios da marcha, etc.

Como o médico diagnostica a macrocitose?

O trabalho completo para determinar a etiologia34 da macrocitose é essencial. Tipicamente, o aumento de volume dos glóbulos vermelhos do sangue2 é relatado como VCM (volume celular médio) maior que 100 fL [fL = fentolitro, unidade de medida igual a 1 micrômetro cúbico (μm³)], apurado no hemograma. Exames de sangue2 podem ajudar a determinar a causa da macrocitose. Em alguns casos, pode ser necessário remover uma amostra de medula óssea11 para exame (biópsia35 e aspiração da medula óssea11).

Ao exame físico podem ser observados glossite36, taquicardia37, sopros cardíacos, esplenomegalia38, icterícia16, palidez conjuntival e distúrbios neurológicos.

Como o médico trata a macrocitose?

O tratamento da macrocitose deve ser direcionado para a causa subjacente. Por exemplo, no caso de deficiência de vitamina4 B12 ou folato o tratamento pode incluir modificações da dieta e suplementos dietéticos ou injeções. Se a macrocitose é causada por anemia12 grave, uma transfusão39 de sangue2 pode ser necessária. Se a causa puder ser cessada, a macrocitose desaparece em pouco tempo, mas a macrocitose do alcoolismo só se reverte após meses de abstinência do álcool.

Veja também sobre "Mielograma40", "Glossite36", "Sopros cardíacos" e "Esplenomegalia38".

 

ABCMED, 2019. Macrocitose - o que é? Quais as causas? O que deve ser feito?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1337143/macrocitose-o-que-e-quais-as-causas-o-que-deve-ser-feito.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
5 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
6 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
7 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
8 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
9 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
10 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
11 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
12 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
13 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
14 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
15 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
16 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
17 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
18 Baço:
19 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
20 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
21 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
22 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
23 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
24 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
25 Células Gigantes: Massas multinucleares produzidas pela fusão de muitas células; freqüentemente associadas com infecções virais. Na AIDS, há indução destas células quando o envelope glicoproteico do vírus HIV liga-se ao antígeno CD4 de células T4 vizinhas não infectadas. O sincício resultante leva à morte celular explicando então o efeito citopático do vírus.
26 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
27 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
28 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
29 Cabeça:
30 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
31 Língua:
32 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
33 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
34 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
35 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
36 Glossite: Inflamação da mucosa que reveste a língua, produzida por infecção viral, radiação, carências nutricionais, etc.
37 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
38 Esplenomegalia: Aumento tamanho do baço acima dos limites normais
39 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
40 Mielograma: Exame para avaliação da medula óssea.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia e Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.