Atalho: 69Y95FR
Gostou do artigo? Compartilhe!

Icterícia em adultos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é icterícia1?

A icterícia1, popularmente conhecida como "amarelão", é uma síndrome2 em que a pele3, as mucosas4 e a conjuntiva5 adquirem uma coloração amarelo-alaranjada em decorrência do acúmulo de pigmentos biliares no organismo. Ela ocorre fisiologicamente em um grande número de recém-nascidos, mas em adultos é sinal6 de alguma patologia7.

Em sua maior parte a bilirrubina8 provém da hemoglobina9 liberada pela destruição das hemácias10 velhas. Existem dois tipos: a bilirrubina8 conjugada ou direta e a não conjugada ou indireta. A bilirrubina8 conjugada ou direta é resultante da metabolização hepática11 da bilirrubina8 não conjugada ou indireta e geralmente é liberada no intestino pela bile12 e degradada em urobilinogênio pelas bactérias intestinais, a qual é parcialmente reabsorvida no intestino e excretada pela urina13.

Quais as causas da icterícia1 em adultos?

A icterícia1 ocorre pelo acúmulo no sangue14 de bilirrubina8 direta (conjugada) ou indireta (não conjugada).

A acumulação da bilirrubina8 direta (conjugada) deve-se a uma colestase15 (acumulação de bile12), por algum impedimento do fluxo natural da bile12 do fígado16 ao intestino pelo colédoco. Isso pode ocorrer com os cálculos biliares, os tumores ou os processos inflamatórios.

A acumulação da bilirrubina8 indireta (não conjugada) pode dever-se a várias causas, como déficit de conjugação hepática11 (hepatites17, cirroses etc.) ou aumento da produção de bilirrubina8 (hemólise18, eritropoiese19 excessiva), por exemplo.

Quais os sintomas20 da icterícia1 em adultos?

Os sintomas20 da icterícia1 em adultos podem aparecer de modo repentino ou paulatinamente, dependendo da causa. O mais chamativo deles é a cor amarelada da pele3, mucosas4 e conjuntivas. Além desta alteração na coloração, podem ocorrer também, dependendo do tipo da icterícia1, uma cor de coca-cola característica na urina13 e embranquecimento das fezes, devido à ausência de urobilinogênio (produto da degradação da bilirrubina8) nessas excreções.

Os sais biliares que se acumulam no sangue14 também provocam pruridos (coceiras) e bradicardia21 (diminuição do ritmo cardíaco). Nas icterícias por acúmulo de bilirrubina8 indireta, as fezes usualmente são bastante escuras.

Juntamente com os sintomas20 da icterícia1, ocorrem os da enfermidade de base que a causou e que são muito variáveis.

Qual o tratamento das icterícias em adultos?

Não há um tratamento específico para a icterícia1. As medicações usadas são apenas sintomáticas, assim como as que visam combater o prurido22, pois ela tende a ter um curso paralelo ao da enfermidade de base, a qual deve ser tratada de maneira específica.

  • Alguns pacientes ictéricos podem apresentar também deficiências de vitaminas lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K), as quais devem ser repostas após exames laboratoriais comprobatórios.
  • Também podem ocorrer dores devido a xantomas múltiplos, as quais devem ser tratadas apropriadamente.
  • A xeroftalmia23 (olho24 seco) melhora com colírios que simulam as lágrimas.
  • O fenômeno de Raynaud25 tende a ceder com a administração de bloqueadores dos canais de cálcio.

As icterícias tendem a desaparecer quando as suas causas são removidas. Os tratamentos podem ser simples e realizados em domicílio (hepatite26 viral, por exemplo) ou mais complexos e envolver cirurgias ou outros procedimentos que exijam internação (tumores, por exemplo).

ABCMED, 2012. Icterícia em adultos. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/254380/ictericia+em+adultos.htm>. Acesso em: 18 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
2 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
3 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
4 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
5 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
6 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
7 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
8 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
9 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
10 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
11 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
12 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
13 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
14 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
15 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
16 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
17 Hepatites: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
18 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.
19 Eritropoiese: Formação de hemácias.
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
22 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
23 Xeroftalmia: Distúrbio caracterizado pelo ressecamento excessivo das mucosas que recobrem o olho. Produz a sensação de ter um corpo estranho ou areia no mesmo, juntamente com dor e irritação ocular. Pode ser produzido por doenças locais ou que afetam também outros órgãos.
24 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
25 Fenômeno de Raynaud: O fenômeno de Raynaud (ou Raynaud secundário) ocorre subsequentemente a um grande grupo de doenças, como artrite, vasculite, esclerodermia, dentre outras. Esta forma de Raynaud pode progredir para necrose e gangrena dos dedos.
26 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.