Gostou do artigo? Compartilhe!

Câncer de boca e suas características

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é câncer1 de boca2?

O câncer1 de boca2 ou câncer1 oral é uma lesão3 que afeta os lábios e outras estruturas da boca2, como gengivas, bochechas, céu da boca2, assoalho da boca2 (região embaixo da língua4) e língua4. O tipo mais frequente do câncer1 de boca2 é o chamado carcinoma5 espinocelular ou carcinoma5 epidermoide, que aparece com maior frequência na língua4 e no lábio6 inferior.

Tumores malignos também podem se desenvolver nas glândulas salivares7, nas amígdalas8 na parte de trás da boca2 e na parte da garganta9 que conecta a boca2 à traqueia10. No entanto, esses tumores são menos comuns e têm um comportamento diferente do câncer1 de cavidade oral11.

Quais são as causas do câncer1 de boca2?

A maioria dos cânceres de boca2 são devidos a mutações de células12 escamosas das mucosas13 que revestem os lábios e o interior da boca2. Não está claro o que causa as mutações nessas células12, mas há evidentes fatores que aumentam o risco de câncer1 de boca2:

  1. fumar cigarro ou utilizar outros produtos derivados do tabaco;
  2. consumo imoderado de bebidas alcoólicas;
  3. exposição ao sol, sem proteção;
  4. excesso de gordura14 corporal;
  5. exposição prolongada ao pó de amianto, poeira de madeira, couro, cimento, formaldeído, sílica, fuligem de carvão, solventes orgânicos e agrotóxicos;
  6. infecção15 pelo papilomavírus humano (HPV).

Qual é o substrato fisiopatológico do câncer1 de boca2?

Os cânceres de boca2 ocorrem quando as células12 localizadas nos lábios ou na boca2 experimentam mutações em seu DNA. O DNA determina o papel a ser desempenhado pelas células12 e as mutações “dizem” a elas para continuar crescendo e se dividindo quando as células12 saudáveis morrerem. A massa de células12 mutadas acumuladas pode formar um tumor16. Com o tempo, essas células12 podem se espalhar para outras partes do corpo. Como dito acima, mais comumente, os cânceres de boca2 começam nas células12 escamosas que revestem os lábios e o interior da boca2.

Leia sobre "Prevenção do câncer1", "Manchas brancas na gengiva: pode ser leucoplasia17" e "Marcadores tumorais".

Quais são as características clínicas do câncer1 de boca2?

O câncer1 de boca2 é mais comum em homens que em mulheres, numa proporção de cerca de 2,7:1, sendo o quarto tumor16 mais frequente no sexo masculino na região Sudeste do Brasil. Quase sempre ocorre numa idade acima dos 40 anos.

Os sinais18 e sintomas19 do câncer1 de boca2 são muito variáveis, na dependência de sua localização, mas no geral incluem:

  • uma ferida no lábio6 ou na boca2 que não cicatriza em duas semanas;
  • uma mancha branca ou avermelhada no interior da boca2 ou língua4 (principalmente nas bordas da língua4);
  • dentes soltos;
  • crescimento ou caroço dentro da boca2;
  • dor na boca2 ou ouvido;
  • deglutição20 difícil ou dolorosa.

Como diagnosticar o câncer1 de boca2?

A maioria dos casos de câncer1 de boca2 é diagnosticada em estágios avançados, seja porque a princípio os tumores são assintomáticos e mais difíceis de serem notados, seja porque são confundidos com outras lesões21 benignas da boca2.

O diagnóstico22 deve cumprir alguns passos sequenciais a começar pela história clínica e seguir por um exame físico e outros procedimentos. No exame físico, o médico ou o dentista (muitas vezes o primeiro profissional a ter contato com as lesões21) examinará os lábios e boca2 e constatará a presença e a natureza das lesões21. Se for encontrada lesão3 suspeita, o médico ou dentista removerá uma amostra de células12 para biópsia23. No laboratório, as células12 são analisadas para câncer1 ou alterações pré-cancerosas que indicam um risco de câncer1 futuro.

Uma vez que o câncer1 de boca2 tenha sido diagnosticado, o médico procurará determinar a extensão e estágio do câncer1. Ademais, por meio de uma pequena câmera, inspecionará a garganta9 do paciente. Durante um procedimento chamado endoscopia24, o médico pode passar uma câmera pequena e flexível equipada com uma luz na garganta9 para procurar sinais18 de que o câncer1 se espalhou além da boca2.

Outros exames de imagem (radiografias, tomografia computadorizada25, ressonância magnética26 e tomografia por emissão de pósitrons, entre outros) podem ajudar a determinar se o câncer1 está limitado à boca2 ou se já se espalhou para outros órgãos além dela. Esses exames devem ser individualizados porque nem todo paciente precisará de todos eles.

Como o médico trata o câncer1 de boca2?

O tratamento para o câncer1 de boca2 depende da localização e estágio do câncer1, bem como da saúde27 geral do paciente. As opções de tratamento incluem cirurgia, radioterapia28 e quimioterapia29.

A cirurgia é feita para remover o tumor16. Tumores menores podem ser totalmente removidos através de pequenas cirurgias; tumores maiores podem exigir procedimentos mais extensos como, por exemplo, remoção de uma seção do maxilar ou de uma parte da língua4. Se as células12 cancerígenas já tiverem se espalhado para os gânglios linfáticos30 do pescoço31, eles também devem ser removidos. Dependendo dos efeitos dessa cirurgia, uma outra pode ser necessária para reconstruir a boca2 eventualmente deformada, para ajudar o paciente a recuperar a capacidade de falar e comer.

A radioterapia28 é a emissão de ondas de alta frequência dirigidas ao tumor16 para matar as células12 cancerosas que tenham restado no local. Quase sempre é usada após a cirurgia, mas às vezes pode ser usada sozinha, se o câncer1 estiver em estágio inicial. Antes ou após a cirurgia e a radioterapia28, o médico pode recomendar ao paciente uma visita ao dentista para avaliar a situação dos seus dentes.

A quimioterapia29 é um tratamento que usa produtos químicos para matar as células12 cancerosas que já tenham se espalhado para outros locais do corpo. A quimioterapia29 pode aumentar a eficácia da radioterapia28, de modo que os dois são frequentemente combinados.

Outros tratamentos possíveis consistem na terapia medicamentosa, com medicamentos agindo diretamente no câncer1, visando alterar aspectos específicos das células12 cancerígenas. A imunoterapia usa o sistema imunológico32 para combater o câncer1 ativando esse sistema. As células12 cancerígenas produzem proteínas33 que cegam as células12 do sistema imunológico32 em relação a elas. A imunoterapia funciona interferindo nesse processo, tornando mais ativo o sistema imunológico32.

Veja também sobre "Câncer1 de Cabeça34 e Pescoço31", "Parar de fumar: como é" e "Alimentação saudável".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do INCA - Instituto Nacional do Câncer, do Hospital Israelita Albert Einstein e da NHS – National Health Service.

ABCMED, 2022. Câncer de boca e suas características. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/cancer/1419315/cancer+de+boca+e+suas+caracteristicas.htm>. Acesso em: 29 set. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Língua:
5 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
6 Lábio: Cada uma das duas margens carnudas e altamente irrigadas da boca.
7 Glândulas salivares: As glândulas salivares localizam-se no interior e em torno da cavidade bucal tendo como objetivo principal a produção e a secreção da saliva. São elas: parótidas, submandibulares, sublinguais e várias glândulas salivares menores.
8 Amígdalas: Designação comum a vários agregados de tecido linfoide, especialmente o que se situa à entrada da garganta; tonsila.
9 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
10 Traqueia: Conduto músculo-membranoso com cerca de 22 centímetros no homem e de 18 centímetros na mulher. Da traqueia distingue-se uma parte que faz continuação direta à laringe (porção cervical) e uma parte que está situada no tórax (porção torácica). Possui anéis cartilaginosos em número variável de 12 a 16, unidos entre si por tecido fibroso. Destina-se à passagem do ar. A traqueia é revestida com epitélio ciliar que auxilia a filtração do ar inalado.
11 Cavidade Oral: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
14 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
15 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
16 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
17 Leucoplasia: Termo que literalmente significa “formação brancacenta” e que é utilizada para designar lesões benignas, ou em certas ocasiões malignas, que produzem uma coloração esbranquiçada da superfície mucosa, geralmente na cavidade oral.
18 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago; ação ou efeito de deglutir; engolir. É um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
21 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
24 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
25 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
26 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
27 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
28 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
29 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
30 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
31 Pescoço:
32 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
33 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
34 Cabeça:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia de Cabeça e Pescoço?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.