Gostou do artigo? Compartilhe!

Manchas brancas na gengiva? Pode ser leucoplasia!

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é leucoplasia1?

A leucoplasia1 é a condição em que se formam espessamentos e manchas brancas na gengiva, no interior das bochechas, no fundo da boca2 e, às vezes, na língua3. Mais raramente, lesões4 semelhantes ocorrem também na mucosa5 genital.

Quais são as causas da leucoplasia1?

Os médicos não sabem com certeza o que causa a leucoplasia1, mas consideram a irritação crônica do tabaco fumado ou mastigado como o principal culpado pelo seu desenvolvimento. Um tipo de leucoplasia1, chamada leucoplasia1 pilosa, afeta principalmente pessoas cujo sistema imunológico6 tenha sido enfraquecido por alguma doença, especialmente AIDS ou terapias como a quimioterapia7 ante câncer8.

Outras causas podem incluir irritação crônica de dentes irregulares, quebrados ou afiados esfregando contra as superfícies da língua3, dentaduras quebradas ou mal ajustadas e uso prolongado de álcool. A leucoplasia1 pilosa resulta da infecção9 pelo vírus10 Epstein-Barr. Uma vez que a pessoa tenha sido infectada com esse vírus10, ele permanece de forma definitiva inativo no corpo, mas se o sistema imunológico6 se enfraquece, o vírus10 pode se reativar, levando a condições como a leucoplasia1 pilosa.

Saiba mais sobre "AIDS", "Quimioterapia7 " e "Doenças transmitidas pelo beijo".

Quais são as principais características clínicas da leucoplasia1?

A leucoplasia1 geralmente ocorre nas gengivas, no interior das bochechas, no fundo da boca2, abaixo da língua3 e, às vezes, na língua3. As lesões4 não são dolorosas e podem passar desapercebidas por um bom tempo. A leucoplasia1 pode aparecer como manchas brancas ou acinzentadas com textura irregular ou plana, espessadas ou endurecidas.

A maioria das manchas de leucoplasia1 é benigna (não cancerosa), embora algumas mostrem sinais11 precoces de câncer8. Lesões4 avermelhadas elevadas têm maior probabilidade de apresentar alterações pré-cancerosas. Cancros na parte inferior da boca2 podem ocorrer ao lado de áreas de leucoplasia1. Essas manchas não podem ser raspadas.

A leucoplasia1 pilosa causa manchas brancas difusas que se assemelham a dobras ou sulcos, na maioria dos casos nas laterais da língua3. Ela é frequentemente confundida com candidíase12 oral, uma infecção9 marcada por manchas brancas cremosas que podem ser eliminadas, o que também é comum em pessoas com um sistema imunológico6 enfraquecido.

Como o médico diagnostica a leucoplasia1?

Na maioria das vezes, o médico diagnostica a leucoplasia1 examinando13 as manchas na boca2 do paciente, tentando remover as placas14 brancas, discutindo o histórico médico e fatores de risco e descartando outras possíveis causas. Se o paciente tiver leucoplasia1, o médico provavelmente testará os primeiros sinais11 de câncer8 por uma biópsia15 de escova oral ou uma biópsia15 excisional, mais abrangente, muitas vezes resultando em um diagnóstico16 definitivo.

Leia sobre "Biópsia15", "Candidíase12", "Líquen plano" e "Eritroplasia de Queyrat".

Como o médico trata a leucoplasia1?

O tratamento da leucoplasia1 é melhor sucedido quando a lesão17 ainda é pequena e encontrada e tratada precocemente. Para a maioria das pessoas, a remoção da fonte de irritação das mucosas18 da boca2 elimina a condição. Quando isso não é eficaz ou se as lesões4 mostrarem sinais11 precoces de malignidade, o plano de tratamento pode envolver remoção de manchas, usando bisturi, laser ou congelamento que destrói as células19 cancerosas.

Uma vez que a pessoa teve leucoplasia1, as recorrências20 são comuns, pelo que devem ser feitas visitas médicas ou odontológicas de acompanhamento para verificar a integridade da área. Normalmente, a pessoa não precisa de tratamento para a leucoplasia1 pilosa. A condição geralmente não causa sintomas21 e provavelmente não leva ao câncer8 de boca2.

Como prevenir a leucoplasia1?

A melhor maneira de prevenir a leucoplasia1 é parar de usar tabaco e álcool. Converse com seu médico sobre os melhores métodos para interromper esses hábitos. Exames dentários periódicos e frequentes são também fundamentais, já que os cânceres orais são indolores até um nível bastante avançado. Se o paciente tiver um sistema imunológico6 debilitado, pode não ser capaz de prevenir a leucoplasia1 pilosa, mas identificá-la precocemente pode ajudar a receber tratamento adequado.

Quais são as complicações possíveis da leucoplasia1?

A leucoplasia1 não causa danos permanentes aos tecidos da boca2. No entanto, ela aumenta o risco de câncer8 bucal. Os cânceres orais formam frequentemente manchas de leucoplasia1 e as próprias manchas podem mostrar alterações cancerígenas. Mesmo após a remoção dos fragmentos22 de leucoplasia1, o risco de câncer8 de boca2 permanece alto.

Veja também sobre "Parar de fumar" e "Limitação do consumo de álcool reduz risco de câncer8".

 

ABCMED, 2019. Manchas brancas na gengiva? Pode ser leucoplasia!. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1342128/manchas-brancas-na-gengiva-pode-ser-leucoplasia.htm>. Acesso em: 10 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Leucoplasia: Termo que literalmente significa “formação brancacenta” e que é utilizada para designar lesões benignas, ou em certas ocasiões malignas, que produzem uma coloração esbranquiçada da superfície mucosa, geralmente na cavidade oral.
2 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
3 Língua:
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
6 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
7 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
8 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
13 Examinando: 1. O que será ou está sendo examinado. 2. Candidato que se apresenta para ser examinado com o fim de obter grau, licença, etc., caso seja aprovado no exame.
14 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
15 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
18 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
19 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
20 Recorrências: 1. Retornos, repetições. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.