Atalho: 64IBGWP
Gostou do artigo? Compartilhe!

Alcoolismo. O que é? Quais as causas e consequências? Como é o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é alcoolismo?

Nem todo consumo de álcool configura o alcoolismo. Define-se o alcoolismo como o consumo excessivo, duradouro e compulsivo de bebidas alcoólicas, o qual degrada a vida pessoal, familiar, profissional e social do indivíduo. Diz-se que uma pessoa é dependente do álcool quando ela não tem mais forças para interromper o consumo e, se o interrompe, apresenta sintomas1 desagradáveis que cedem com o retorno ao álcool. A esse fato chama-se abstinência.

Antes da dependência ocorre a tolerância, que é o fato de uma pessoa precisar de doses cada vez maiores para produzir os mesmos efeitos que antes conseguia com doses menores.

O álcool também pode ser consumido “socialmente” sem que a pessoa se torne alcoólatra. Na verdade, dentro do consumo “social” de álcool deve-se considerar como aspectos separados e clinicamente específicos:

  1. O abuso do álcool, que é o consumo excessivo, mas episódico.
  2. A intoxicação aguda ou embriaguez.

Ambas as situações podem gerar eventos desagradáveis e graves como alterações do comportamento, coma2, ataque epiléptico, acidentes de vários tipos, desastres automobilísticos, etc.

Quanto ao alcoolismo propriamente dito, temos que considerar a dependência ao álcool e a síndrome3 de abstinência do álcool, ambas com consequências muito deletérias.

Segundo a revista médica “The Lancet”, dois bilhões de pessoas no mundo consomem álcool, das quais mais de 76 milhões têm problemas com esta substância. No Brasil, diversas estatísticas apontam que o alcoolismo afeta entre 3 e 6% da população, havendo uma prevalência4 de 5 homens para cada mulher acometida pela doença.

O alcoolismo gera custos muito altos para os serviços de saúde5 em todo o mundo, além de outros representados pela queda de produtividade, pois os alcoólatras têm os seus rendimentos profissionais seriamente prejudicados ou ficam impedidos de trabalhar.

Quais as causas do alcoolismo?

Em nosso meio, as bebidas alcoólicas são cada vez mais consumidas e até exaltadas e as pessoas são introduzidas nelas cada vez mais cedo. É verdade que a maioria das pessoas que consome bebidas alcoólicas não se torna alcoólatra, mas essa disponibilidade aumentada estimula em muito o alcoolismo. Outros fatores sociais, psicológicos e sobretudo genéticos, contribuem decisivamente para a instalação do alcoolismo.

Quais as consequências do alcoolismo?

O alcoolismo continuado leva a alterações dos padrões funcionais do fígado6, do aparelho digestivo7, do coração8, do sangue9, dos músculos10 e das glândulas endócrinas11. Em sua evolução, o alcoolismo também leva a doenças físicas e psíquicas, algumas das quais irreversíveis e que podem resultar em morte.

As doenças mais comuns associadas ao alcoolismo são a cirrose12 hepática13, as síndromes amnéstica, demencial, alucinatória e delirante, além de ansiedade, distúrbios sexuais, alterações do sono, etc. O alcoolismo também aumenta a predisposição a outras doenças, como às infecções14. Por fim, o delirium tremens15, o quadro clínico mais grave da abstinência, pode terminar pela morte.

O consumo crônico16 do álcool por prazo muito longo acaba por levar a mudanças psicológicas profundas, entre as quais aquelas que incluem alterações dos padrões éticos e emocionais da pessoa, deterioração das relações familiares e sociais e descaso com as tarefas laborativas. O alcoólatra (e às vezes o mero usuário não alcoólatra) pode ter um comportamento violento e até mesmo criminal.

Com é o tratamento do alcoolismo?

O tratamento do alcoolismo está fadado ao fracasso se o próprio alcoólatra não engajar-se nele, o que não acontece, na maioria das vezes. Depois de instalada, a dependência pelo álcool é de muito difícil tratamento. O tratamento principal consiste em exortar o alcoolista a parar de beber, ao mesmo tempo dando-lhe apoio.

As psicoterapias individuais são pouco efetivas. As de grupo oferecem melhores resultados. Um movimento leigo, denominado alcoólicos anônimos, parece oferecer resultados ainda melhores. Este grupo existe há mais de 76 anos e em vários países ao redor do mundo.

Quanto aos remédios, até muito recentemente não se tinha nenhuma medicação visando diminuir o desejo pelo álcool. Muito recentemente três substâncias – a naltrexona, a ondansetrona e o acamprosato – vêm sendo testadas com esse objetivo, mas são de uso muito recente e ainda não contam com uma experiência inquestionável.

O dissulfiram, de uso mais antigo, gera um acúmulo de acetaldeído, um metabólito17 do álcool, e produz sintomas1 muito desagradáveis (náuseas18, vômitos19, tonturas20, etc.). Com isso, espera-se que ele seja aversivo em relação ao ato de beber bebidas alcoólicas. No entanto, muitos alcoólatras não conseguem conter o desejo pelo álcool e acabam por interromper a medicação. Alguns nem mesmo conseguem esperar pela eliminação dela e, ingerindo o álcool, experimentam os sintomas1 desagradáveis que a associação acarreta.

ABCMED, 2011. Alcoolismo. O que é? Quais as causas e consequências? Como é o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/236300/alcoolismo-o-que-e-quais-as-causas-e-consequencias-como-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
7 Aparelho digestivo: O aparelho digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
8 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
11 Glândulas endócrinas: Grupo de células especializadas em liberar hormônios na corrente sangüínea. Por exemplo, as células das ilhotas pancreáticas que secretam insulina são glândulas endócrinas.
12 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
13 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
14 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Delirium tremens: Variedade de delírio associado ao consumo ou abstinência de álcool.
16 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
17 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
18 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
19 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
20 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

15/03/2016 - Comentário feito por Ernesto
Obrigado pela ajuda que encontrei neste texto t...
Obrigado pela ajuda que encontrei neste texto tenho a certeza que vai me capacitar ainda mais

01/06/2015 - Comentário feito por Jaqueline
Adorei,estou fazendo o trabalho sobre esse tema
Adorei,estou fazendo o trabalho sobre esse tema

02/01/2015 - Comentário feito por Laura
Obg, foi util para o meu trabalho de escola
Obg, foi util para o meu trabalho de escola

10/11/2014 - Comentário feito por Quiteria
Obrigado por esse artigo tão valioso par...
Obrigado por esse artigo tão valioso para ajudar compreender melhor o assunto sobre o alcoolismo 10/11/2014

01/07/2014 - Comentário feito por thais
obg por ter criado este site pq ele foi importa...
obg por ter criado este site pq ele foi importante para o meu trabalho de escola

01/07/2014 - Comentário feito por Thayna
obrigado pelo esforco em colocar este site, pre...
obrigado pelo esforco em colocar este site, precisa para uma redacao! <3

11/04/2014 - Comentário feito por Anderson
Re: Alcoolismo. O que é? Quais as causas e consequências? Como é o tratamento?
Porque é tão difícil encontrar o conceito do alcoolismo?

21/10/2013 - Comentário feito por andré
Re: Alcoolismo. O que é? Quais as causas e consequências? Como é o tratamento?
obg precisava para um trabalho escolar vlw msm !

23/09/2013 - Comentário feito por erick
Re: Alcoolismo. O que é? Quais as causas e consequências? Como é o tratamento?
Para mim.o alcoolismo é um vício muito grave e muito ruim para a vida.Alem de doensas o alcoolismo tambem não presta a nada. não perca a sua vida por bobagem .
eu gostei do site e vo passar passar para meus amigos

18/09/2013 - Comentário feito por iana
Re: Alcoolismo. O que é? Quais as causas e consequências? Como é o tratamento?
alcolismo é um vício que algumas pessoas não conseguem se livrar.as consqueÊncias as vezes são fatais.devemos nos disser para nós mesmo,que não vamos mais consumir álcool,e por ai que começa o tratamento para nos livrar desse vício.

  • Entrar
  • Assinar