Gostou do artigo? Compartilhe!

HPV (Papilomavírus humano) e verrugas genitais

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o HPV (Papilomavírus humano)?

HPV é a forma abreviada de referir-se ao Papilomavírus humano, um grupo de mais de 100 tipos de vírus1. O HPV pode ser eliminado do organismo sem causar problemas, mas se persiste, geralmente causa verrugas ou câncer2, especialmente o câncer2 do colo do útero3. O HPV pode ser transmitido por meio de contato íntimo pela-a-pele4, como no sexo vaginal, anal ou oral. Hoje em dia, o HPV é a infecção5 mais comum transmitida por via sexual. O HPV é tão comum que praticamente todos os homens ou mulheres sexualmente ativos acabam por serem contaminados por ele em algum momento de suas vidas. Ele pode ser transmitido mesmo quando a pessoa infectada não apresenta sintomas6 e a pessoa contaminada pode vir a só exibir sintomas6 depois de anos após ter contraído o vírus1. Há vacinas que podem prevenir as infecções7 pelos tipos mais comuns do HPV.

Como saber se a pessoa tem o HPV (Papilomavírus humano)?

Muitas pessoas que permanecem sem sintomas6 nunca descobrem ter o vírus1; outras só descobrem tê-lo quando adoecem com verrugas ou câncer2. Algumas mulheres se descobrem portadoras do vírus1 quando fazem seus exames preventivos para o câncer2 de colo8 de útero9 (Papanicolaou).

O diagnóstico10 do HPV geralmente é feito pelo exame ginecológico simples quando há verrugas presentes. Quando a mulher não apresenta nenhum sinal11 da infecção5 pelo vírus1, o diagnóstico10 só é possível pelo exame Papanicolau12 e pela colposcopia13, seguida ou não de biópsia14. Quando permanece a dúvida do diagnóstico10, o melhor exame a ser realizado é a captura híbrida15, que detecta o tipo do HPV, se ele é de alto ou de baixo risco e determina também a carga viral.

As alternativas de tratamento variam desde a cauterização16 das lesões17 com ácido ou laser até cirurgias.

Quais são as doenças que podem ser causadas pelo HPV (Papilomavírus humano)?

O HPV pode afetar a pele4 e as membranas incluindo a boca18 e a garganta19, a vulva20, a vagina21, o colo do útero3 e o ânus22. Assim, ele pode causar verrugas plantares, que são crescimentos rígidos e salientes que aparecem na sola dos pés, verrugas únicas ou aglomeradas nas áreas genitais ou nas margens do ânus22 e câncer2, especialmente o câncer2 do colo do útero3, mas também da vulva20, vagina21, ânus22 e pênis23. Ele também causa câncer2 na parte posterior da garganta19, inclusive na base da língua24 e nas tonsilas (amígdalas25). Os tipos de HPV que causam verrugas genitais não são os mesmos que causam câncer2. Não há como prever se uma pessoa que tem o HPV desenvolverá ou não câncer2. As pessoas com um sistema imune26 enfraquecido são menos capazes de lutar contra o HPV e por isso são mais propensas a adoecer.

Como prevenir as infecções7 pelo HPV (Papilomavírus humano)?

  • A medida mais importante para evitar o HPV é estar vacinado. A vacina27 pode ser aplicada a partir dos nove anos, sem limite máximo de idade. As vacinas existentes são seguras e efetivas.
  • As mulheres devem ser monitoradas com relação ao câncer2 cervical, fazendo exames preventivos periódicos em consultas com os seus ginecologistas.
  • Use sempre camisinha nas relações sexuais.
  • Procure ter o mínimo de parceiros sexuais possíveis. Muitos portadores do vírus1 não apresentam sintomas6, mas transmitem o HPV.

Quais são as complicações possíveis das infecções7 pelo HPV (Papilomavírus humano)?

As principais complicações da infecção5 pelo HPV são o câncer2 de colo8 de útero9 e o câncer2 de pênis23. Além de uma maior probabilidade de adquirir outras infecções7 tais como monilíase, gonorreia28, sífilis29 e herpes genital.

ABCMED, 2015. HPV (Papilomavírus humano) e verrugas genitais. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/743087/hpv-papilomavirus-humano-e-verrugas-genitais.htm>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
9 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
12 Papanicolau: Método de coloração para amostras de tecido, particularmente difundido por sua utilização na detecção precoce do câncer de colo uterino.
13 Colposcopia: Exame ginecológico auxiliar na visualização de lesões do colo uterino e da região genital feminina.
14 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
15 Híbrida: Em genética, diz-se do organismo formado pelo cruzamento de dois progenitores de raças, linhagens, variedades, espécies ou gêneros diferentes e que frequentemente é estéril. O hibridismo, natural ou manipulado, é comum entre as plantas, mas o exemplo mais conhecido é o burro ou mula, cruza entre o cavalo e a jumenta ou entre a égua e o jumento. Em linguística, diz-se da palavra formada por elementos tomados de línguas diferentes, como bicicleta: bi (latim), cicle (grego), eta (do italiano etta). Em sentido figurado, que ou o que é composto de elementos diferentes, heteróclitos, disparatados.
16 Cauterização: Queima ou coagulação de tecidos de diferentes órgãos para deter uma hemorragia ou eliminar um tecido de crescimento anormal.
17 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
18 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
19 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
20 Vulva: Genitália externa da mulher, compreendendo o CLITÓRIS, os lábios, o vestíbulo e suas glândulas.
21 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
22 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
23 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
24 Língua:
25 Amígdalas: Designação comum a vários agregados de tecido linfoide, especialmente o que se situa à entrada da garganta; tonsila.
26 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
27 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
28 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
29 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.