Gostou do artigo? Compartilhe!

Disruptores endócrinos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são disruptores endócrinos?

Os disruptores endócrinos são uma gama de substâncias químicas xenobióticas (estranhas ao organismo) que interferem na regulação e sintonia do sistema hormonal, alterando a forma natural de comunicação intra sistema e causando distúrbios na vida normal e na saúde1 humana.

Os disruptores são substâncias naturais ou sintéticas, muitas delas contidas em compostos fungicidas, pesticidas e inseticidas, que apresentam ação antiandrogênica e antiestrogênica. Alguns desses compostos podem manter suas propriedades químicas na natureza por longos anos contaminando o ar, as águas e o solo e sendo acumulados nas plantas, nos animais e no homem.

Muitas dessas substâncias são, potencialmente, danosas para a saúde1 por serem de difícil excreção, podendo se acumular no organismo e causar alterações em todos os sistemas, em especial no sistema endócrino2. Esses produtos químicos criam problemas de desenvolvimento, reprodutivos, cerebrais, imunológicos e outros.

Leia sobre "Avaliação da tireoide3", "Modulação hormonal" e "Conheça o sistema imunológico4".

Como agem os disruptores endócrinos?

Costuma-se dizer que o sistema endócrino2 normal funciona como uma orquestra regida pela hipófise5 e que seu funcionamento harmônico é essencial para a saúde1 humana integral. Os disruptores endócrinos são substâncias químicas que desregulam o sistema endócrino2 (e outros sistemas) e causam efeitos adversos nitidamente reconhecidos em animais.

Ainda existem poucas informações científicas sobre a maneira como atuam na espécie humana, mas há observações relevantes sobre potenciais problemas de saúde1 das pessoas. Uma hipótese é que eles atuem no organismo humano por meio da imitação dos hormônios naturais e, dessa forma, produzam um bloqueio da ação hormonal natural e uma alteração dos níveis de hormônios endógenos.

Também se pensa que a ação deles possa estar relacionada com alterações de enzimas que participam do mecanismo de síntese dos hormônios. Ainda outras alterações possíveis são aquelas relativas à diminuição das concentrações tissulares de determinados elementos como o fósforo e o magnésio, entre outros, os quais estão envolvidos na síntese e ação dos hormônios.

Ademais, os disruptores endócrinos podem ocupar o sítio (local) de ligação dos receptores dos hormônios sexuais, comprometendo assim a ação deles e levando à diminuição das concentrações séricas e teciduais da testosterona e dos estrogênios, comprometendo também a função do eixo hipotálamo6-hipofisário.

Apesar de existirem na natureza muitas substâncias similares aos disruptores endócrinos, os artificiais representam um perigo muito maior, já que eles persistem no corpo durante anos, enquanto os naturais podem ser eliminados em poucos dias. Assim, muitos dos compostos artificiais resistem à excreção do organismo, submetendo animais e humanos a uma contaminação que, embora de baixo nível, é de longa duração.

Quais são e onde são encontrados os principais disruptores endócrinos?

Os disruptores endócrinos são encontrados em muitos produtos que fazem parte do dia a dia das pessoas, incluindo algumas garrafas e recipientes de plástico, revestimentos de latas de alimentos de metal, detergentes, retardadores de chamas, alimentos, brinquedos, cosméticos e pesticidas. Alguns desses produtos se decompõem no ambiente muito lentamente e isso os torna potencialmente ainda mais perigosos.

Os principais disruptores endócrinos são, entre outros: 

  1. O PBDE é um retardante de chamas, que evita que os equipamentos eletrônicos peguem fogo. É encontrado em eletrônicos como celulares, televisão, videogames, etc. Pode causar distúrbios na tireoide3, infertilidade7 feminina e problemas neurológicos em crianças.
  2. As dioxinas são encontradas em pesticidas como o DDT e no branqueamento químico do papel. Podem causar infertilidade7, aborto, diabetes8, endometriose9 e déficits imunológicos.
  3. A atrazina é encontrada em herbicida para as plantações de milho e cana-de-açúcar10. Pode causar infertilidade7 e câncer11.
  4. O chumbo é classicamente encontrado em tintas, cigarro e água encanada. Pode causar distúrbios da tireoide3 e outros.
  5. O bisfenol A é encontrado em alguns tipos de plástico e no revestimento de enlatados. Pode causar produção de espermatozoides12 defeituosos, puberdade precoce, câncer11, obesidade13, diabetes8 e doenças cardiovasculares14.
  6. O perclorato é encontrado em combustível de foguetes espaciais e fogos de artifício. Pode causar distúrbios na tireoide3.
  7. O arsênico é encontrado em pesticidas, alimentos e água encanada. Pode causar câncer11 de pele15, bexiga16 e pulmões17 e alterações sexuais.
  8. O mercúrio é encontrado em peixes, frutos do mar e usinas de energia movidas a carvão. Pode causar redução do QI18 de crianças e problemas no ciclo menstrual e no pâncreas19.
  9. O ftalato é encontrado em cosméticos, pavimentação de ruas, cortinas de chuveiro, couro sintético e vinil. Pode provocar anormalidades genitais e interferência em hormônios como testosterona e estrogênio e no desenvolvimento das mamas20.
  10. Os produtos químicos perfluorados são encontrados em panelas antiaderentes, roupas, carpetes e capas de chuva. Podem causar distúrbios na tireoide3 e infertilidade7.
  11. Os compostos organofosforados são encontrados em inseticidas. Podem causar déficit de testosterona e problemas na gestação (pré-eclâmpsia21 e aborto).
  12. O dietilenoglicol é encontrado em produtos de higiene pessoal e solventes industriais. Pode causar redução na movimentação dos espermatozoides12.
Veja mais sobre "Infertilidade7 feminina", "Infertilidade7 masculina" e "Diferenças entre infertilidade7 e esterilidade22".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da SBP – Sociedade Brasileira de Pediatria e da Abeso - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica.

ABCMED, 2022. Disruptores endócrinos. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1418900/disruptores+endocrinos.htm>. Acesso em: 26 set. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Sistema Endócrino: Sistema de glândulas que liberam sua secreção (hormônios) diretamente no sistema circulatório. Em adição às GLÂNDULAS ENDÓCRINAS, o SISTEMA CROMAFIM e os SISTEMAS NEUROSSECRETORES estão inclusos.
3 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
4 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
5 Hipófise:
6 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
7 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
10 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
11 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
12 Espermatozóides: Células reprodutivas masculinas.
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
15 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
16 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
17 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
18 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
19 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
20 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
21 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
22 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia e Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.