Gostou do artigo? Compartilhe!

Avaliação da tireoide

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a tireoide1?

A glândula2 tireoide1 é uma glândula2 endócrina em forma de borboleta, localizada na parte inferior e frontal do pescoço3. A função dessa glândula2 é produzir hormônios, que são secretados no sangue4 e depois transportados para todos os tecidos do corpo. Os hormônios da tireoide1 ajudam o corpo a usar energia e a manter o cérebro5, o coração6, os músculos7 e outros órgãos funcionando como deveriam.

O principal hormônio8 secretado pela glândula2 tireoide1 é a tiroxina, também chamada T4 porque contém quatro átomos de iodo. Para exercer seus efeitos, o T4 é convertido em tri-iodotironina (T3) pela remoção de um átomo de iodo. Isso ocorre principalmente no fígado9 e em certos tecidos nos quais o T3 atua, como no cérebro5.

A quantidade de T4 produzido pela glândula2 tireoide1 é controlada pelo hormônio8 estimulador da tireoide1 (TSH), produzido pela hipófise10, glândula2 localizada na base do cérebro5. A quantidade de TSH que a hipófise10 envia para a corrente sanguínea depende da quantidade de T4 que a tireoide1 esteja produzindo. Se a tireoide1 produz pouco T4, a hipófise10 produz mais TSH para dizer àquela glândula2 que produza mais T4. Acontece o contrário se o T4 é aumentado. Depois que o T4 na corrente sanguínea ultrapassa um certo nível, a produção de TSH pela hipófise10 é interrompida. Assim, a tireoide1 e a hipófise10 funcionam num permanente circuito de retroalimentação.

O que é a avaliação da tireoide1?

A avaliação da tireoide1 é a apuração do estado funcional da glândula2, o que é feito por vários exames. Os exames mais usados para avaliar a função de tireoide1 são:

Exame do TSH

O TSH pode ser dosado no sangue4, o que serve como um “sistema precoce de alerta”. Essa parece ser a melhor maneira de detectar muito cedo alguma alteração da função tireoidiana, porque o TSH geralmente se modifica antes dos hormônios tireoideanos T3 e T4. Um nível alto de TSH indica que a tireoide1 não está produzindo hormônios em níveis suficientes (hipotireoidismo11). A situação oposta indica que a tireoide1 os está produzindo em excesso (hipertireoidismo12).

Um TSH baixo pode resultar em alguma anormalidade da glândula2 pituitária (ou hipófise10) que, consequentemente, impede que a tireoide1 seja adequadamente estimulada (hipotireoidismo11 secundário). Na maioria das pessoas, um TSH normal (valores entre 0,4 e 4,5 mU/L) significa que a tireoide1 está em funcionamento normal.

Saiba mais sobre "O que é TSH", "Hipotireoidismo11", "Hipertireoidismo12", "Nódulos da Tireoide13" e "Mixedema14 ou hipotireoidismo11 grave".

Exame do T4

O T4 é o principal hormônio8 fabricado pela tireoide1 e lançado no sangue4. O exame mede o T4 livre, capaz de afetar os tecidos do corpo, e o T4 ligado a proteínas15. Este T4 livre reflete com mais precisão o estado de funcionamento da tireoide1 quando conjugado com o TSH.

Um TSH elevado, com baixo T4 indica hipotireoidismo11 primário. Um baixo TSH e um baixo T4 indica hipotireoidismo11 devido a problemas da glândula2 pituitária (hipófise10). Um baixo TSH com um T4 elevado é encontrado em pessoas com hipertireoidismo12.

Valores normais do T4 livre estão entre 0,7 a 1,8 ng/dl, e de T4 total estão entre 4,5 e 12,6 µg/dL (para pessoas com 12 anos ou mais de idade).

Exame do T3

O exame do T3 costuma ser útil para diagnosticar o hipertireoidismo12 ou para determinar a gravidade da doença. Pacientes com hipertireoidismo12 têm níveis altos de T3. Em algumas pessoas com baixo TSH, apenas o T3 está elevado e o T4 é normal. Em casos de hipotireoidismo11, o T3 raramente é útil, pois é o último exame a se tornar anormal. Valores normais do T3 total estão entre 80 e 180 ng/dL e do T3 livre entre 2,5 a 4 ng/dL.

Exames de anticorpos16 da tireoide1

Em muitos pacientes com hipotireoidismo11 ou hipertireoidismo12, os linfócitos reagem contra a tireoide1 (autoimunidade17 da tireoide1) e produzem anticorpos16 contra as proteínas15 das células18 dessa glândula2. Medir os níveis de anticorpos16 da tireoide1 pode ajudar a diagnosticar a causa do problema. A dosagem de alguns anticorpos16 em um paciente com hipotireoidismo11, por exemplo, resulta em um diagnóstico19 de tireoidite de Hashimoto.

A busca da detecção de anticorpos16 é útil no diagnóstico19 inicial de hipotireoidismo11 devido à possibilidade da tireoidite autoimune20, mas o acompanhamento de seus níveis ao longo do tempo não ajuda a detectar o desenvolvimento da doença ou a resposta à terapia. Se o paciente tem doença de Graves, o médico também pode solicitar um exame de anticorpos16 para receptores estimulantes e bloqueadores de tireotrofina. O acompanhamento dos níveis desses anticorpos16 pode ajudar a avaliar a resposta ao tratamento da doença, determinar quando é apropriado interromper a medicação antitireoidiana e avaliar o risco de transmissão de anticorpos16 ao feto21 durante a gravidez22.

Outros exames que não de sangue4

Como a glândula2 tireoide1 é uma grande captadora de iodo, para fabricar o T4, o teste de captação de iodo consiste em que o paciente ingira uma pequena quantidade de iodo radioativo23 que em seguida é acompanhado em sua distribuição no organismo. Quando uma captação muito alta é feita pela tireoide1, isso indica uma glândula2 hiperfuncionante (hipertireoidismo12) e, ao contrário, uma captação muito baixa indica hipotireoidismo11. Além dessa captação em termos gerais, pode também ser obtida uma imagem da tireoide1 que mostre a área de maior captação.

Em caso desse e de outros exames da tireoide1, deve ser informado ao médico as medicações que o paciente esteja tomando, porque há remédios que podem influenciar nos resultados dos exames.

Leia sobre "Doença de Graves", "Tireoidite de Hashmoto", "Bócio24", "Bócio24 mergulhante", "Biópsia25 de tireoide1" e "Câncer26 de tireoide1".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da American Thyroid Association, do National Center for Biotechnology Information e do Ministério da Saúde.

ABCMED, 2020. Avaliação da tireoide. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/tireoide/1375028/avaliacao+da+tireoide.htm>. Acesso em: 1 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
2 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
3 Pescoço:
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
7 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
8 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
9 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
10 Hipófise:
11 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
12 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
13 Nódulos da tireoide: Nódulos da tireoide resultam em crescimentos anormais de células da tireoide, que formam protuberâncias dentro da glândula, normalmente visíveis sob a pele do pescoço.
14 Mixedema: Infiltração cutânea causadora de edema firme e elástico nos tecidos, especialmente do rosto e dos membros, acarretada por diminuição da atividade da glândula tireoide (hipotireoidismo).
15 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
16 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
17 Autoimunidade: 1. Estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias. 2. Autoalergia.
18 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
19 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
20 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
21 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
22 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
23 Radioativo: Que irradia ou emite radiação, que contém radioatividade.
24 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
25 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
26 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia e Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.