Gostou do artigo? Compartilhe!

Distúrbios da testosterona

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a testosterona?

A testosterona é um dos hormônios mais conhecidos do corpo humano1, fundamental tanto para os homens quanto para as mulheres, embora mais importante para os primeiros. É o principal hormônio2 masculino. Nas mulheres, a testosterona existe em menor quantidade que nos homens.

Nos homens, a testosterona é produzida principalmente nos testículos3 e, nas mulheres, nos ovários4 e na glândula5 adrenal. A testosterona tem mais de 200 funções no organismo, as quais se alteram significativamente, conforme os níveis desse hormônio2 se tornam diminuídos ou aumentados.

Nos homens, a testosterona opera diversas mudanças físicas e mentais. Na puberdade, aumenta a gravidade da voz, o crescimento do pênis6 e de outras características masculinas, como a barba e a distribuição de pelos, por exemplo. Ela também é responsável pelo desenvolvimento do desejo sexual e aumento do prazer sexual, que cresce até os 30 anos e diminui desde então. Além disso, ela responde pela fertilidade (produção de espermatozoides7), pela saúde8 mental, pela sensação de maior ou menor energia, por variações do humor, pela distribuição da gordura9 corporal, pela função de cognição10, pelo correto funcionamento do coração11 e pela formação de músculos12 e ossos.

Nas mulheres, esses hormônios também possuem um papel muito importante para o bom funcionamento de várias funções do organismo, tais como função ovariana, crescimento e força óssea e aumento da libido13, entre outras.

Saiba mais sobre "Uso de testosterona", "Impotência14 sexual ou disfunção erétil", "Queda da libido13" e "Viagra: prós e contras".

O que são os distúrbios da testosterona?

O nível ideal de testosterona circulando na corrente sanguínea varia muito de pessoa para pessoa e depende de diversos fatores, como a idade, por exemplo, e pode sofrer alterações durante um mesmo dia. As atividades físicas são também responsáveis por alterar consideravelmente o nível de testosterona no organismo masculino. Qualquer variação na quantidade da testosterona pode resultar em alterações metabólicas e comprometer algumas de suas funções.

A testosterona no organismo pode ser medida por uma de duas maneiras simples: pelo exame de sangue15 e pelo teste de saliva. Em média, considerando as bases gerais, uma variação normal de testosterona no homem está entre 300 a 900 ng (nanogramas) por decilitro de sangue15. A testosterona atinge o pico durante a puberdade, mas homens com menos de 25 anos apresentam uma quantidade maior e isso é muito natural. Já as mulheres produzem uma proporção bem menor comparada aos homens, entre 15 a 70 ng/dl. Além disso, as taxas diminuem progressivamente a partir dos 30 anos, portanto, homens mais velhos terão uma taxa menor de testosterona no sangue15.

Quais são os efeitos da testosterona baixa?

A diminuição da produção da testosterona pode ser devido a danos no testículo16, como o câncer17 testicular, por exemplo, a doenças hepáticas18, à diabetes19 do tipo 2 e à obesidade20.

Os principais sintomas21 da diminuição de testosterona nos homens, entre outros, são:

(1) redução dos pelos corporais e faciais
(2) baixo interesse sexual
(3) disfunção erétil
(4) cansaço fora do normal
(5) mudanças significativas no humor
(6) perda de massa muscular
(7) aumento do tamanho da mama22
(8) gordura9 corporal acumulada
(9) ondas de calor
(10) aumento de peso
(11) deficiências do poder de cognição10
(12) mal funcionamento do coração11
(13) alterações da constituição óssea e da formação muscular
(14) intolerância à glicose23
(15) aumento do risco de doenças cardiovasculares24

Nas mulheres com testosterona baixa também podem ocorrer problemas na saúde8 mental, como depressão, baixa da libido13, problemas na concentração, ossos mais fracos e, consequentemente, maior risco de fraturas. Uma mulher com baixo nível de testosterona também não possui o suficiente para ajudar a produzir novas células sanguíneas25, manter o desejo sexual ou aumentar os níveis de outros hormônios reprodutivos.

Outros sintomas21 de baixa testosterona em mulheres podem ser: lentidão, fraqueza muscular, fadiga26, distúrbios do sono, diminuição da satisfação sexual, ganho de peso, questões de fertilidade, ciclos menstruais irregulares, secura vaginal e perda de densidade óssea (osteoporose27).

Como o médico trata os distúrbios da testosterona?

A terapia de reposição hormonal com testosterona é a forma mais utilizada no tratamento dos homens com déficit de hormônio2 masculino e tem como objetivo restabelecer os níveis normais do hormônio2.

As formas mais utilizadas são as injeções intramusculares de testosterona de curta ação, que necessitam de aplicações a cada 15 dias. São tratamentos eficazes e de baixo custo, embora sejam necessárias múltiplas aplicações. Recentemente, foram lançadas no Brasil as testosteronas tópicas para a reposição hormonal masculina. A reposição de testosterona deve ser feita por toda a vida.

Por outro lado, o uso de testosterona pelas mulheres, com finalidades estéticas ou esportivas, e não clínicas, pode levar a efeitos indesejados como acne28, excesso de pelos, queda de cabelo29, aumento do risco cardiovascular, engrossamento da voz, aumento do clitóris, além de dependência psicológica, transtorno da imagem corporal e transtornos alimentares.

Leia sobre "Anorexia30", "Bulimia31", "Ortorexia", "Compulsão alimentar" e "Distorção da imagem corporal".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos site da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e do Hospital Daher.

ABCMED, 2020. Distúrbios da testosterona. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1368383/disturbios+da+testosterona.htm>. Acesso em: 3 dez. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
2 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
3 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
4 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
5 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
6 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
7 Espermatozóides: Células reprodutivas masculinas.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
10 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
13 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
14 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Testículo: A gônada masculina contendo duas partes funcionais Sinônimos: Testículos
17 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
18 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
19 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
20 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
23 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
24 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
25 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
26 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
27 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
28 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
29 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
30 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
31 Bulimia: Ingestão compulsiva de alimentos, em geral seguida de indução do vômito ou uso abusivo de laxantes. Trata-se de uma doença psiquiátrica, que faz parte dos chamados Transtornos Alimentares, juntamente com a Anorexia Nervosa, à qual pode estar associada.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia e Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.