Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é respirar normalmente?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O sistema respiratório1: esboço de anatomia

O sistema respiratório1 humano é constituído por um par de pulmões2 que ficam alojados na cavidade torácica e por vários órgãos que conduzem o ar para dentro e para fora deles.

Para fins compreensivos, com algumas repercussões fisiológicas3, costuma-se dividir o sistema respiratório1 em três seções:

  • Trato respiratório superior, que é constituído pelo nariz4 e cavidades nasais, seios paranasais5 e faringe6.
  • Trato respiratório medial, compreendido pelas chamadas vias aéreas, que incluem a laringe7, a traqueia8 e os brônquios9.
  • Trato respiratório inferior, constituído pelos bronquíolos10, ductos alveolares e sacos alveolares (alvéolos11), já localizados no interior dos pulmões2.

Funções do sistema respiratório1

A principal função do sistema respiratório1 é realizar a troca gasosa, mediante a qual o organismo absorve o oxigênio (O2) do ar e elimina o gás carbônico (CO2) produzido pelos tecidos. Os alvéolos11 são o local onde as trocas gasosas se processam. Cada pulmão12 apresenta cerca de 200 milhões deles, que são estruturas muito pequenas, em forma de minúsculos sacos agrupados como cachos de uva. De um lado, em cada inspiração13, os alvéolos11 se enchem do ar que chega até eles através dos bronquíolos10, e de outro lado, são cercados por capilares14 sanguíneos que trazem o sangue15 portador de CO2 oriundo dos tecidos periféricos. Entre ambas as estruturas há uma membrana muito fina que permite que a troca gasosa se realize.

Saiba mais sobre "Falta de ar", "Asma16 - Prevenção e Tratamento" e "Gasometria arterial".

Fisiologia17 da respiração

Basicamente, a respiração consiste em promover a entrada (inspiração13) e saída (expiração18) de ar nos pulmões2. Isso acontece a partir de estímulos e comandos emitidos pelo sistema nervoso central19 e da ação dos músculos intercostais20 (músculos21 entre as costelas22) e do diafragma23 (músculo que separa o tórax24 do abdômen). A cavidade torácica e os próprios pulmões2 são extensíveis e quando se dilatam, seguindo a contração desses músculos21, diminuem a pressão no seu interior, tornando-a menor que a pressão atmosférica ambiente. Assim dilatada e com a pressão interna diminuída, a cavidade torácica e os pulmões2 “sugam” o ar atmosférico que penetra até os alvéolos11, conduzido pela árvore respiratória. Normalmente, esse ar inspirado contém cerca de 20% de O2 e apenas 0,04% de CO2.

Ao contrário, quando os músculos respiratórios25 voltam a seu estado normal de relaxamento, a cavidade torácica e os pulmões2 se tornam diminuídos de tamanho, aumentam a pressão interna e “expulsam” o ar contido nelas, o qual contém 16% de O2 e 4,6 % de CO2.

Esses movimentos respiratórios se sucedem regularmente, constituindo os ciclos respiratórios, comandados pelo centro respiratório26 localizado no bulbo27 raquidiano da medula espinhal28, o qual é retroativamente controlado pelas concentrações de CO2 presente no sangue15.

Ao respirar, é praticamente impossível eliminar as impurezas contidas no ar e a inspiração13 delas, inclusive de microrganismos, se torna inevitável. Para evitar problemas de saúde29, o sistema respiratório1 apresenta mecanismos de defesa que, por sua vez, são realizados a partir da atuação dos diferentes órgãos. Por exemplo, no interior das cavidades nasais, existem pelos que atuam como filtros de ar, retendo impurezas e germes, garantindo que o ar chegue limpo aos pulmões2, e na traqueia8 o ar é aquecido, umidificado e novamente filtrado. Mesmo assim, algumas impurezas e microrganismos podem chegar até os pulmões2, causando doenças.

A importância da respiração e eventuais doenças respiratórias possíveis

Respirar é essencial para a vida. A respiração correta, além de seus efeitos diretos, gera uma série de outros benefícios para o organismo, por exemplo, produz pressões no ventre que atuam de forma eficiente e direta, melhorando a digestão30. Também contribui para eliminar as toxinas31 que se formam no corpo, modificando os resíduos, equilibrando as funções orgânicas e ajudando no fortalecimento de organismos debilitados.

Estudos relatam que tornar a respiração mais lenta e profunda ajuda a acalmar e relaxar o organismo, diminuindo as batidas do coração32. Quase todas os programas de concentração e relaxamento ensinam técnicas de controle da respiração. Além disso, a respiração correta ajuda a melhorar a elasticidade33 dos pulmões2, mantendo um bom equilíbrio entre os gases no corpo.

As principais doenças que podem acometer o sistema respiratório1 são a asma16, a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), a bronquite, o enfisema34 pulmonar, o câncer35, a fibrose cística36, a pneumonia37 e o derrame38 pleural.

  • A asma16 brônquica é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas que se manifesta como crises de falta de ar devidas a um edema39 da mucosa40 brônquica, que resulta na contração dos brônquios9 e bronquíolos10, motivando diminuição de seu diâmetro e consequente redução ou obstrução total do fluxo de ar.
  • A DPOC não é uma doença única, mas uma condição crônica e progressiva que acomete os pulmões2 e destrói e/ou danifica os alvéolos11. Ela faz com que o ar fique retido nos pulmões2 e reduz a quantidade de capilares14 nas paredes dos alvéolos11, o que prejudica as trocas gasosas.
  • As bronquites são uma inflamação41 dos bronquíolos10 que conduzem o ar da traqueia8 aos alvéolos pulmonares42. Essa inflamação41 pode ser causada por uma infecção43 ou por fatores irritativos, tóxicos ou alergênicos.
  • O enfisema34 pulmonar é uma forma de DPOC, que se caracteriza pela dilatação dos alvéolos pulmonares42 e por diminuir a troca O2/CO2. É uma doença que se desenvolve em razão da inalação de substâncias tóxicas do ar, sobremaneira, o tabaco.
  • O câncer35 de pulmão12 é um tumor44 caracterizado pela proliferação descontrolada de células45 do tecido46 pulmonar. A maioria dos tumores do pulmão12 são carcinomas derivados de células45 epiteliais. O câncer35 pulmonar originário é raro em não fumantes e a maioria dos comprometimentos pulmonares nesse caso é de tumores metastáticos.
  • A fibrose cística36 (ou mucoviscidose47) é uma doença hereditária que causa espessamento e aumento da viscosidade48 das secreções de algumas glândulas49, afetando principalmente os pulmões2, levando ao mau funcionamento progressivo do órgão e frequentemente à morte.
  • Pneumonia37 é toda inflamação41 aguda nos pulmões2. Na maioria das vezes, essa doença é causada por infecções50 por vírus51 ou bactérias e mesmo por fungos e por substâncias químicas. As principais estruturas envolvidas na pneumonia37 são os alvéolos11, que podem ficar cheios de pus52, prejudicando a respiração.
  • O derrame38 pleural acontece quando se acumula um excesso de líquido entre as folhas pleurais, gerando o que é popularmente conhecido como “água no pulmão”. É sempre uma situação potencialmente grave, indicando certo grau de perigo.
Leia também artigos sobre "Hemotórax", "Pneumotórax53", "Oxigenioterapia" e "Como parar de fumar".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da ResMed, do Royal College of Nursing e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2020. O que é respirar normalmente?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1380318/o+que+e+respirar+normalmente.htm>. Acesso em: 4 dez. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
2 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
3 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
4 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
5 Seios paranasais: Seios paranasais são cavidades preenchidas de ar localizadas no interior dos ossos do crânio e da face, que se comunicam com a cavidade nasal.
6 Faringe: Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório. Comunica-se com a boca e com as fossas nasais. É dividida em três partes: faringe superior (nasofaringe ou rinofaringe), faringe bucal (orofaringe) e faringe inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana), sendo um órgão indispensável para a circulação do ar e dos alimentos.
7 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
8 Traqueia: Conduto músculo-membranoso com cerca de 22 centímetros no homem e de 18 centímetros na mulher. Da traqueia distingue-se uma parte que faz continuação direta à laringe (porção cervical) e uma parte que está situada no tórax (porção torácica). Possui anéis cartilaginosos em número variável de 12 a 16, unidos entre si por tecido fibroso. Destina-se à passagem do ar. A traqueia é revestida com epitélio ciliar que auxilia a filtração do ar inalado.
9 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
10 Bronquíolos: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia.
11 Alvéolos: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
12 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
13 Inspiração: 1. Ato ou efeito de inspirar(-se). 2. Entrada de ar nos pulmões através das vias respiratórias. 3. Conselho, sugestão, influência. 4. No sentido figurado, significa criatividade, entusiasmo. Pessoa ou coisa que inspira, estimula a capacidade criativa. 5. Ideia súbita e espontânea, geralmente brilhante e/ou oportuna.
14 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
17 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
18 Expiração: 1. Ato ou efeito de expirar. 2. Expulsão, pelas vias respiratórias, do ar dos pulmões. 3. Fim ou termo de prazo estipulado ou convencionado.
19 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
20 Músculos Intercostais: Músculos respiratórios que se originam da borda inferior de uma costela e se insere na borda superior da costela abaixo; e se contrai durante a inspiração e a expiração. (Stedman, 25ª ed)
21 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
22 Costelas:
23 Diafragma: 1. Na anatomia geral, é um feixe muscular e tendinoso que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. 2. Qualquer membrana ou placa que divide duas cavidades ou duas partes da mesma cavidade. 3. Em engenharia mecânica, em um veículo automotor, é uma membrana da bomba injetora de combustível. 4. Na física, é qualquer anteparo com um orifício ou fenda, ajustável ou não, que regule o fluxo de uma substância ou de um feixe de radiação. 5. Em ginecologia, é um método contraceptivo formado por uma membrana de material elástico que envolve um anel flexível, usado no fundo da vagina de modo a obstruir o colo do útero. 6. Em um sistema óptico, é uma abertura que controla a seção reta de um feixe luminoso que passa através desta, com a finalidade de regular a intensidade luminosa, reduzir a aberração ou aumentar a profundidade focal.
24 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
25 Músculos Respiratórios: Neste grupo de músculos estão incluídos o DIAFRAGMA e os MÚSCULOS INTERCOSTAIS.
26 Centro Respiratório:
27 Bulbo: Porção inferior do TRONCO ENCEFÁLICO. É inferior à PONTE e anterior ao CEREBELO. A medula oblonga serve como estação de retransmissão entre o encéfalo e o cordão espinhal, e contém centros que regulam as atividades respiratória, vasomotora, cardíaca e reflexa.
28 Medula Espinhal:
29 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
30 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
31 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
32 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
33 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
34 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
35 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
36 Fibrose cística: Doença genética autossômica recessiva que promove alteração de glândulas exócrinas do organismo. Caracterizada por infecções crônicas das vias aéreas, que leva ao desenvolvimento de bronquiectasias, insuficiência pancreática exócrina, disfunções intestinais, anormalidades das glândulas sudoríparas e disfunção genitourinária.
37 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
38 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
39 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
40 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
41 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
42 Alvéolos Pulmonares: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
43 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
44 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
45 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
46 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
47 Mucoviscidose: Doença genética autossômica recessiva que promove alteração de glândulas exócrinas do organismo. Caracterizada por infecções crônicas das vias aéreas, que leva ao desenvolvimento de bronquiectasias, insuficiência pancreática exócrina, disfunções intestinais, anormalidades das glândulas sudoríparas e disfunção genitourinária.
48 Viscosidade: 1. Atributo ou condição do que é viscoso; viscidez. 2. Resistência que um fluido oferece ao escoamento e que se deve ao movimento relativo entre suas partes; atrito interno de um fluido.
49 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
50 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
51 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
52 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
53 Pneumotórax: Presença de ar na cavidade pleural. Como o pulmão mantém sua forma em virtude da pressão negativa existente entre a parede torácica e a pleura, a presença de pneumotórax produz o colapso pulmonar, podendo levar à insuficiência respiratória aguda. Suas causas são traumáticas (ferida perfurante no tórax, aumento brusco da pressão nas vias aéreas), pós-operatórias ou, em certas ocasiões, pode ser espontâneo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.