Atalho: 65OZ2HE
Gostou do artigo? Compartilhe!

Como acontece o enfisema pulmonar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é enfisema1 pulmonar?

Enfisema1 pulmonar é uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) que se caracteriza pela dilatação dos alvéolos pulmonares2 e por diminuir a troca oxigênio/dióxido de carbono, que faz parte da respiração normal. É uma doença degenerativa3 que se desenvolve em razão da inalação de substâncias tóxicas do ar e, sobremaneira, do tabaco. O enfisema1 leva à perda de elasticidade4 dos alvéolos pulmonares2 e destruição dos capilares5 que os nutrem. Os alvéolos pulmonares2, que se expandem na inspiração6 para admitir o ar e se contraem na expiração7 para expulsá-lo, colabam8 durante a expiração7 e dificultam a saída do ar, limitando as trocas gasosas.

Quais as causas do enfisema1 pulmonar?

O enfisema1 geralmente é causado pela inalação de produtos tóxicos oriundos da poluição e, de muito maior incidência9, pelo consumo intenso e prolongado de tabaco. Por isso, a primeira pergunta que se deve dirigir a um enfisematoso é se ele é um fumante. A grande maioria desses pacientes são homens a partir dos 50 anos, mas entre eles há também mulheres, em menor proporção.

Quais os sintomas10 do enfisema1 pulmonar?

O sintoma11 principal é a falta de ar (falta de fôlego) e aumento da frequência respiratória. Outros sintomas10 incluem respiração ofegante, a princípio associada a esforços físicos e posteriormente de forma contínua, hiperventilação e produção de muco. Tosse e chiado no peito12 embora possam ocorrer não são muito frequentes. Em casos graves ou muito avançados o ventrículo direito do coração13, responsável por bombear o sangue14 venoso para os pulmões15, pode mostrar os efeitos de uma circulação16 cardiopulmonar e de um órgão cardíaco alterados (chamado “cor pulmonale”). Em casos muito graves, pode ocorrer também inchaço17 dos membros inferiores e ascite18.

Como o médico diagnostica o enfisema1 pulmonar?

Os relatos dos pacientes sempre mencionam falta de ar, que de início é sentida ante a grandes esforços, como subir uma ladeira ou carregar pesos e geralmente revelam uma longa história de tabagismo. À inspeção19, o paciente exibe um tórax20 expandido e arredondado (tórax20 em barril) e mostra uma respiração ofegante. Exames de raios X e tomografia computadorizada21 ajudam a fazer o diagnóstico22, mostrando um aumento da área pulmonar e uma hiperaeração. Exames bioquímicos do sangue14 revelam taxas anormais de oxigenação e de acúmulo do gás carbônico. A espirometria23 (medida da capacidade ventilatória dos pulmões15) ajuda na aviação da aeração pulmonar.

Qual o tratamento do enfisema1 pulmonar?

As lesões24 alveolares já estabelecidas são irreversíveis. O tratamento consiste em aliviar os sintomas10 e impedir a progressão da doença. Alguns medicamentos, como os corticoides ou os broncodilatadores25, usados por via oral ou por via inalatória, podem produzir melhora parcial dos sintomas10. Em casos emergenciais, também podem ser utilizadas medicações injetáveis. Os enfisematosos devem ser ensinados a realizarem suas tarefas com um gasto menor de oxigênio. Muitas pessoas, especialmente aquelas em estágio mais avançado da doença, se beneficiam da oxigenioterapia. Em alguns poucos casos, pode ser realizada uma cirurgia para melhoria da mecânica respiratória.

As infecções26 pulmonares frequentes nesses pacientes e de mais difícil controle devem ser tratadas com os meios próprios a elas.

ABCMED, 2011. Como acontece o enfisema pulmonar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/243960/como-acontece-o-enfisema-pulmonar.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
2 Alvéolos Pulmonares: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
3 Degenerativa: Relativa a ou que provoca degeneração.
4 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
5 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
6 Inspiração: 1. Ato ou efeito de inspirar(-se). 2. Entrada de ar nos pulmões através das vias respiratórias. 3. Conselho, sugestão, influência. 4. No sentido figurado, significa criatividade, entusiasmo. Pessoa ou coisa que inspira, estimula a capacidade criativa. 5. Ideia súbita e espontânea, geralmente brilhante e/ou oportuna.
7 Expiração: 1. Ato ou efeito de expirar. 2. Expulsão, pelas vias respiratórias, do ar dos pulmões. 3. Fim ou termo de prazo estipulado ou convencionado.
8 Colabam: 1.    Sofrem ou acarretam aluimento (órgão ou estrutura de orgão), ou seja, sofrem desmoronamento pela ação erosiva subterrânea de águas infiltradas. 2.    As paredes dos alvéolos se juntam.
9 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
14 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
15 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
16 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
17 Inchaço: Inchação, edema.
18 Ascite: Acúmulo anormal de líquido na cavidade peritoneal. Pode estar associada a diferentes doenças como cirrose, insuficiência cardíaca, câncer de ovário, esquistossomose, etc.
19 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
20 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
21 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Espirometria: Exame que permite aferir o fluxo de ar nas vias aéreas ou brônquios, comparando os resultados com os obtidos por pessoas saudáveis com a mesma idade e altura. Serve para a investigação de sintomas respiratórios; diagnóstico e avaliação de asma, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ou bronquite causada pelo cigarro; incapacidade funcional; avaliação pós-operatória e avaliação e diagnóstico de doenças respiratórias relacionadas ao trabalho. O exame têm duração média de 30 minutos.
24 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
25 Broncodilatadores: São substâncias farmacologicamente ativas que promovem a dilatação dos brônquios.
26 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.

Veja também

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

19/06/2017 - Comentário feito por Thiago
Muito bom essa resposta
Muito bom essa resposta

15/05/2016 - Comentário feito por Irismar
foi de grande clareza todas as explicaço...
foi de grande clareza todas as explicaçoes,deu para tira minhas duvidas obrigada
15/05/2016-comentário feito por Irismar

14/05/2016 - Comentário feito por rockice
gostei e muito útil
gostei e muito útil

23/03/2015 - Comentário feito por Thais
Adorei, deu para entender .
Adorei, deu para entender .

26/09/2014 - Comentário feito por maria
MUITO ESCLARECEDOR, POIS TEM PESSOAS MAU INFORM...
MUITO ESCLARECEDOR, POIS TEM PESSOAS MAU INFORMADAS ACHANDO QUE É UMA DOENÇA CONTAGIOSA. OBRIGADA.

11/07/2012 - Comentário feito por Bianca
Re:Perca de alvéolos
Caso uma pessoa perca alvéolos pulmonares numa quantidade considerável, o que pode ocorrer com os processos respiratórios? Qual parte da respiração ficaria comprometida?

  • Entrar
  • Assinar