Gostou do artigo? Compartilhe!

Hérnia inguinal: conceito, causas, diagnóstico, tratamento e possíveis complicações

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hérnia1 inguinal?

Uma hérnia1 inguinal consiste na protrusão de parte do intestino ou outro órgão abdominal através de uma abertura da parede abdominal2 na virilha. Há dois tipos de hérnia1 inguinal, dependendo exatamente de onde ela ocorre:

  1. A hérnia1 inguinal direta, que se forma diretamente num ponto da parede abdominal2 enfraquecida, que se rompe, permitindo a penetração de um segmento do intestino na bolsa escrotal.
  2. A hérnia1 inguinal indireta, que se forma pela passagem da alça intestinal para o interior da bolsa que envolve o testículo3 através de um ponto frágil, o anel herniário.

Quais são as causas da hérnia1 inguinal?

Algumas hérnias4 inguinais não têm causa aparente detectável, mas outras podem dever-se a um aumento da pressão dentro do abdômen, a um ponto fraco preexistente na parede abdominal2, a um esforço durante as evacuações, à atividade extenuante, à gravidez5, à tosse ou a espirros crônicos.

Em muitas pessoas, a fraqueza da parede abdominal2 que leva à hérnia1 inguinal ocorre antes do nascimento, quando a parede abdominal2 não se fecha adequadamente. Outras hérnias4 inguinais se desenvolvem mais tarde na vida, quando os músculos6 enfraquecem ou se deterioram devido ao envelhecimento, atividade física extenuante ou à tosse que acompanha o tabagismo.

Veja mais sobre "Hérnias4 abdominais", "Hérnia1 diafragmática", "Hérnia1 de hiato" e "Hérnia de disco7".

Qual é o substrato fisiopatológico da hérnia1 inguinal?

Nos homens, o ponto fraco geralmente ocorre no canal inguinal8, onde o cordão espermático9 entra no escroto10. Nas mulheres, o canal inguinal8 carrega um ligamento11 que ajuda a manter o útero12 no lugar e às vezes ocorrem hérnias4 onde o tecido conjuntivo13 do útero12 se liga ao tecido14 ao redor do osso púbico15.

Quais são as características clínicas da hérnia1 inguinal?

De forma geral, as hérnias4 inguinais provocam uma protuberância indolor na virilha ou no escroto10. Uma hérnia1 inguinal geralmente não é perigosa. No entanto, pode ser dolorosa, especialmente quando a pessoa levanta, dobra, faz força ao evacuar ou tosse. A protuberância pode aumentar de tamanho quando o indivíduo se levanta e diminuir quando se deita, devido ao fato de o intestino se mover para trás e para frente por efeito da gravidade.

Às vezes, uma parte do intestino fica presa no escroto10 (hérnia1 encarcerada). Se o intestino ficar preso, o fornecimento de sangue16 pode ser cortado e em poucas horas pode-se verificar a morte da porção do intestino estrangulado (hérnia1 estrangulada, gangrena17).

O primeiro sintoma18 da hérnia1 é um abaulamento19 ou nódulo20 na região inguinal, acompanhado de dor e desconforto quando a pessoa se levanta ou pratica alguma atividade física. Quando se deita ou permanece quieta, a hérnia1 se recolhe e o nódulo20 diminui ou desaparece.

Numa hérnia1 estrangulada, os sintomas21 podem ser mais graves, como dor severa na virilha ou no abdômen, febre22, irritabilidade, ritmo cardíaco acelerado, inflamação23 abdominal, perda de apetite, náuseas24 e vômitos25.

Como o médico diagnostica a hérnia1 inguinal?

O diagnóstico26 de hérnia1 inguinal é baseado na história clínica, no exame clínico e em certas manobras que o médico pode realizar. Por exemplo, quando a pessoa está de pé, o médico examina a virilha e solicita que a pessoa tussa. O ato de tossir aumenta a pressão na cavidade abdominal27 e, assim, o tamanho da bolsa escrotal, o que torna fácil para o médico detectá-la. Além disso, em homens, o médico coloca um dedo em uma dobra na parte superior do escroto10 e empurra para cima em direção à cavidade abdominal27 para detectar uma hérnia1.

Às vezes, o médico realiza uma ultrassonografia28 ou, com menos frequência, uma tomografia computadorizada29 para ajudar a definir o diagnóstico26.

Como o médico trata a hérnia1 inguinal?

As hérnias4 inguinais em mulheres e aquelas que causam sintomas21 em homens devem ser reparadas cirurgicamente. Em homens que têm hérnia1 inguinal pequena e que não causa sintomas21, não precisa ser feita cirurgia em um primeiro momento, a menos que venham a desenvolver sintomas21. No entanto, é necessário o acompanhamento médico regular dessa hérnia1.

No caso de hérnias4 estranguladas e encarceradas, é necessária uma cirurgia de emergência30 em que se remove o intestino do canal inguinal8.

A cirurgia de reparação da hérnia1 inguinal também é chamada de herniorrafia ou hernioplastia. Existem 3 tipos de correção de hérnia1 inguinal:

  1. A correção aberta é um procedimento cirúrgico em que uma incisão31 ou corte é feito na virilha. O cirurgião então empurra a hérnia1 de volta para o abdômen e fortalece a parede abdominal2 com telas e pontos.
  2. correção laparoscópica ou minimamente invasiva é um procedimento cirúrgico menos invasivo em que o cirurgião faz pequenos cortes na parte inferior do abdômen e insere um laparoscópio32, um tubo fino com uma minúscula câmera de vídeo acoplada, que envia imagens a um monitor de vídeo e ao cirurgião para reparar a hérnia1 por meio de pequenas incisões33.
  3. A correção robótica, que também se dá por meio de um laparoscópio32, consiste em uma cirurgia robótica, que difere da cirurgia laparoscópica porque o cirurgião está sentado em um console na sala de cirurgia e manipula os instrumentos cirúrgicos por meio de um robô.

Quais são as complicações possíveis com a hérnia1 inguinal?

As complicações de uma hérnia1 inguinal incluem:

  • Pressão nos tecidos circundantes: a maioria das hérnias4 inguinais não tratadas aumenta com o tempo e nos homens podem se estender até o escroto10, causando dor e inchaço34.
  • Hérnia1 encarcerada: se o conteúdo da hérnia1 ficar preso no ponto fraco da parede abdominal2, o conteúdo pode obstruir o intestino, causando dor intensa, náuseas24, vômitos25 e incapacidade de evacuar ou expelir gases.
  • Hérnia1 estrangulada: uma hérnia1 estrangulada pode interromper o fluxo sanguíneo para parte do intestino, levando à morte do tecido14 intestinal afetado. Uma hérnia1 estrangulada requer cirurgia imediata, sem a qual pode ser fatal.
Leia também sobre "Hérnia1 incisional", "Hérnias4 cerebrais" e "Hérnia de disco7 extrusa".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2021. Hérnia inguinal: conceito, causas, diagnóstico, tratamento e possíveis complicações. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1406885/hernia-inguinal-conceito-causas-diagnostico-tratamento-e-possiveis-complicacoes.htm>. Acesso em: 8 dez. 2023.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hérnia: É uma massa circunscrita formada por um órgão (ou parte de um órgão) que sai por um orifício, natural ou acidental, da cavidade que o contém. Por extensão de sentido, excrescência, saliência.
2 Parede Abdominal: Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas Músculos Abdominais;
3 Testículo: A gônada masculina contendo duas partes funcionais Sinônimos: Testículos
4 Hérnias: É uma massa circunscrita formada por um órgão (ou parte de um órgão) que sai por um orifício, natural ou acidental, da cavidade que o contém. Por extensão de sentido, excrescência, saliência.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
7 Hérnia de disco:
8 Canal Inguinal: Passagem (na PAREDE ABDOMINAL anterior inferior) pela qual passam o CORDÃO ESPERMÁTICO (no homem), o LIGAMENTO REDONDO (na mulher), os nervos e os vasos. Sua extremidade interna localiza-se no anel inguinal profundo e a extremidade externa está no anel inguinal superficial.
9 Cordão Espermático: Cada um dos pares de estruturas tubulares formado por DUCTOS DEFERENTES, ARTÉRIAS, VEIAS, VASOS LINFÁTICOS e nervos. Estende-se do anel inguinal profundo (através do CANAL INGUINAL) até os TESTÍCULOS (no ESCROTO).
10 Escroto:
11 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
12 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
13 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
14 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
15 Osso Púbico:
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
18 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
19 Abaulamento: 1. Ato, processo ou efeito de abaular. 2. Convexidade que se dá a diversas superfícies (ruas, estradas, coberturas etc.) para facilitar o escoamento de águas pluviais. 3. Em forma de curva, arqueada ou convexa.
20 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
23 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
24 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
25 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
28 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
29 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
30 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
31 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
32 Laparoscópio: É um instrumento endoscópico, munido de um sistema óptico, que é introduzido no abdome do paciente para fins diagnósticos ou cirúrgicos.
33 Incisões: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
34 Inchaço: Inchação, edema.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.