Gostou do artigo? Compartilhe!

Taquicardia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é taquicardia1?

A taquicardia1 é um tipo de distúrbio do ritmo cardíaco em que o coração2 bate mais rápido que o normal, quando em repouso. Como uma resposta fisiológica3 normal, a frequência cardíaca se eleva durante o exercício, elevação da temperatura corporal, estresse, trauma ou doença. Mas, na taquicardia1, o coração2 bate mais rápido do que o normal enquanto a pessoa está em repouso.

Quais são as causas da taquicardia1?

A taquicardia1 é causada por algo que perturba os impulsos elétricos normais que controlam os batimentos cardíacos. Muitas coisas podem causar problemas no sistema elétrico do coração4. Entre elas, dano aos tecidos do coração2, doenças congênitas5, anemias, estresse, pressão arterial6 elevada ou baixa, fumo, febre7, álcool, cafeína, efeitos secundários de medicamentos, abuso de drogas, desequilíbrio de eletrólitos8 e hipertireoidismo9 (hiperatividade da tireoide10). Em alguns casos, a causa exata da taquicardia1 não pode ser determinada.

Breve resumo do mecanismo fisiológico11 da taquicardia1

Para entender os problemas de ritmo cardíaco, como a taquicardia1, faz-se necessário entender como funciona o sistema elétrico intrínseco do coração2. O coração2 é composto por quatro câmaras: duas câmaras superiores (os átrios direito e esquerdo) e duas câmaras inferiores (os ventrículos direito e esquerdo). O ritmo do coração2 é normalmente controlado por um marcapasso12 natural chamado nódulo sinusal13, localizado no átrio direito14, onde se inicia cada batimento cardíaco. Daí, os impulsos elétricos viajam através dos átrios, fazendo com que os músculos15 atriais se contraiam e bombeiem sangue16 para os ventrículos. Os impulsos elétricos chegam então, com ligeiro atraso, a um conjunto de células17 chamado nódulo atrioventricular18. Esse nódulo19 diminui o sinal20 elétrico antes de enviá-lo para os ventrículos, permitindo que eles se encham de sangue16. Quando os impulsos elétricos atingem os músculos15 dos ventrículos, eles se contraem, fazendo com que bombeiem sangue16 para os pulmões21 ou para o resto do corpo. A frequência cardíaca é controlada por sinais22 elétricos enviados através dos tecidos cardíacos. Quando algo perturba esse complexo sistema, pode causar batimentos cardíacos muito rápidos (taquicardia1), muito lentos (bradicardia23) ou com um ritmo irregular. Normalmente, o coração2 bate cerca de 60 a 100 vezes por minuto, quando em repouso. A taquicardia1 ocorre quando uma anormalidade no coração2 produz sinais22 elétricos rápidos que aceleram a frequência cardíaca para além desse limite.

Quais são as principais características clínicas da taquicardia1?

Algumas pessoas com taquicardia1 não apresentam sintomas24 e a condição só é descoberta durante um exame físico ou com um exame de monitoração cardíaco chamado eletrocardiograma25. Quando o coração2 está batendo muito rápido, pode não bombear sangue16 efetivamente para o resto do corpo. Isso pode privar os órgãos e tecidos do oxigênio necessário e pode causar sinais22 e sintomas24 de falta de ar, pulso rápido, palpitações26, dor no peito27 e desmaio.

Como o médico diagnostica a taquicardia1?

A constatação da taquicardia1 pode ser feita por uma simples contagem dos batimentos arteriais no pulso ou na jugular. Mais complicado é determinar a causa da taquicardia1. Para tal, vários exames podem ser necessários, entre eles, eletrocardiograma25, monitor Holter28 de eventos cardíacos, teste eletrofisiológico, exames de imagem do coração2, ecocardiograma29, angiografia30 coronariana e teste de esforço.

Como o médico trata a taquicardia1?

Os tratamentos para taquicardia1 são projetados para diminuir a frequência cardíaca rapidamente, tratar a causa dessa condição, prevenir episódios futuros e minimizar as complicações possíveis. As maneiras de diminuir prontamente o ritmo cardíaco incluem manobras vagais, medicamento antiarrítmico31 injetável, cardioversão (choque32 elétrico, aplicado ao coração2 por meio de dispositivos especiais), ablação33 cardíaca para prevenir ou gerenciar episódios de taquicardia1 e outros tipos de drogas. Alguns tipos de taquicardias podem ser tratados com um marcapasso12 ou exigir um desfibrilador implantável. Por fim, a cirurgia pode ser necessária em alguns casos.

Quais são as complicações possíveis da taquicardia1?

Se não for tratada, a taquicardia1 pode interromper a função cardíaca normal e levar a sérias complicações. Essas complicações variam em gravidade, dependendo de fatores como o tipo e intensidade da taquicardia1 e da existência de outras condições cardíacas e incluem coágulos de sangue16 que podem se deslocar para o cérebro34 ou para o coração2, insuficiência cardíaca35 (incapacidade do coração2 para bombear sangue16 suficiente), desmaios e morte súbita, associada à fibrilação ventricular.

Algumas condições que podem levar à taquicardia1 "Arritmias36 cardíacas", "Hipertireoidismo9", "Crise tireotóxica ou tempestade tireoidiana", "Anemias", "Febre7", "Taquicardia1 paroxística ou síndrome37 de Hoffmann-Bouveret" e "Hemorragias38".

 

ABCMED, 2017. Taquicardia. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1300843/taquicardia.htm>. Acesso em: 14 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
4 Sistema elétrico do coração: O sistema elétrico do coração é responsável pelo ritmo e pela sincronicidade das diferentes câmaras cardíacas. O nó sinusal ou sinoatrial localizado no átrio direito, é denominado “marcapasso cardíaco“. Ele inicia um impulso elétrico que flui sobre os átrios direito e esquerdo fazendo que estes se contraiam e desloque o sangue para os ventrículos. Quando o impulso elétrico chega ao nó atrioventricular ele sofre um ligeiro retardo. Em seguida, o impulso dissemina-se ao longo do feixe de His , o qual divide-se em ramo direito (direcionado para o ventrículo direito) e em ramo esquerdo (direcionado para o ventrículo esquerdo). O impulso atinge os ventrículos, fazendo com que estes se contraiam, permitindo a saída de sangue para fora do coração.
5 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
8 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
9 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
10 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
11 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
13 Nódulo Sinusal: Pequena massa de fibras musculares cardíacas modificadas, localizada na junção da VEIA CAVA SUPERIOR com o átrio direito. Os impulsos da contração provavelmente começam neste nó, propagam-se pelo átrio (ÁTRIO CARDÍACO) sendo então transmitidos pelo feixe de His (FEIXE ATRIOVENTRICULAR) para o ventrículo (VENTRÍCULO CARDÍACO).
14 Átrio Direito: Câmaras do coração às quais o SANGUE circulante retorna.
15 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
18 Nódulo Atrioventricular: Pequena massa nodular formada por fibras musculares especializadas que estão localizadas no septo interatrial próximo ao óstio do seio coronário. Dá origem ao feixe atriventricular do sistema de condução do coração.
19 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
20 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
21 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
22 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
23 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
24 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
25 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
26 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
27 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
28 Holter: Dispositivo portátil, projetado para registrar de forma contínua, diferentes variáveis fisiológicas ou atividade elétrica durante um período pré-estabelecido de tempo. Os mais utilizados são o Holter eletrocardiográfico e o Holter de pressão.
29 Ecocardiograma: Método diagnóstico não invasivo que permite visualizar a morfologia e o funcionamento cardíaco, através da emissão e captação de ultra-sons.
30 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
31 Antiarrítmico: Medicamento usado para tratar altrações do ritmo cardíaco
32 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
33 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
34 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
35 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
36 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
37 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
38 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.