Atalho: 6PHJEF1
Gostou do artigo? Compartilhe!

Náuseas e vômitos: eles te incomodam?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são náuseas1 e vômitos2?

Náusea3 é o desagradável sentimento que quase sempre precede o vômito4, popularmente conhecido como “vontade de vomitar”. Nem sempre, no entanto, a náusea3 termina em vômito4. Vômito4 é a eliminação pela boca5, e ocasionalmente também pelo nariz6, de conteúdos do estômago7, o que inverte o sentido normal de progressão deles, em direção aos intestinos8. A regurgitação9 deve ser diferenciada do vômito4. Regurgitação9 é o retorno de alimento não digerido ao esôfago10 e à boca5, sem o esforço e o desprazer que acompanham o vômito4. Também as causas do vômito4 e da regurgitação9 são diferentes. Vomitar é sempre uma condição anormal, precedida na maior parte das vezes pelo sentimento de náusea3.

A maneira como o vômito4 se processa e certas características formais dele oferecem informações sobre o estado fisiológico11 e psicológico do indivíduo. Assim, ele pode dar-se em jato, sendo o conteúdo estomacal expulso violentamente e projetado à distância ou apenas inundar a boca5 e o indivíduo precisa inclinar-se para eliminá-lo; pode conter alimentos digeridos ou não, sangue12, fezes, bile13, etc. e cada uma dessas condições indicam problemas diversos.

São muitas as razões fisiológicas14 pelas quais uma pessoa vomita, mas as mais comuns são “irritações” gástricas. Com alguma frequência as pessoas também vomitam por causas emocionais (emoções violentas, anorexia15 mental, bulimia16) ou pela simples visão17 ou lembrança de coisas ou situações repugnantes. Os vômitos2 geralmente ocorrem involuntariamente em pessoas que não os desejam, mas às vezes são provocados compulsivamente, como nos casos de bulimia16, por exemplo. Uma situação em que os vômitos2 cumprem um papel útil é nas intoxicações voluntárias (tentativas de suicídio, por exemplo) ou involuntárias (ingestão sem querer de alguma substância nociva), em que eles são usados na tentativa de eliminar no todo ou em parte as substâncias nocivas que seriam absorvidas pelo organismo se seguissem seu curso digestivo normal. Quase sempre esse tipo de vômito4 tem de ser ativamente provocado pela própria pessoa ou por quem a esteja assistindo, utilizando uma das duas maneiras básicas de produzir vômitos2: introdução dos dedos na garganta18 ou ingestão de substâncias eméticas (que produzem vômitos2) como água morna ou o xarope de ipeca, por exemplo.

Quais são os aspectos físicos dos vômitos2?

Esforços intensos e repetitivos de vomitar, sem a ocorrência dos vômitos2, podem ser muito debilitantes, sobretudo para pessoas já doentes. O conteúdo dos vômitos2 habitualmente mistura suco gástrico com restos alimentares recentes e, em geral, tem um odor desagradável. A presença de sangue12 vivo no vômito4 é chamada hematêmese19 e indica um sangramento alto do aparelho digestivo20 e (mais raramente) respiratório. Quando há a presença de sangue12 digerido, o vômito4 adquire a cor de “borra de café”. Vômitos2 muito intensos podem conter bile13, graças às contrações duodenais e nesse caso tomam uma coloração esverdeada. A presença de fezes geralmente é indicativa de obstrução intestinal e denuncia uma situação sempre grave.

Quais são as causas mais comuns de vômitos2?

Entre as causas dos vômitos2 pode-se destacar:

  • Obstruções do trânsito digestivo normal.
  • Agressão à mucosa21 estomacal, como a realizada por certas substâncias alimentares ou tóxicas (entre as quais o álcool).
  • Estimulações mecânicas da faringe22.
  • Determinadas doenças sistêmicas (gastroenterites, obstrução intestinal, peritonite23, íleo paralítico24, enxaqueca25, etc.).
  • Condições fisiológicas14 como a cinetose26, o comer demais e a gravidez27, por exemplo.
  • Alterações do labirinto28, como labirintite29, etc.
  • Determinados estados de agressão cerebral (acidentes, tumores, hipertensão30 endocraniana).
  • Distúrbios metabólicos: uremia31, hipercalcemia, hipo e hiperglicemia32.
  • Dor extrema, etc.

O que são eméticos e antieméticos33?

Os eméticos são substâncias que induzem o vômito4. Antieméticos33 são substâncias que inibem os vômitos2, patológicos ou fisiológicos, como os devido à cinetose26 (enjoo das viagens) ou a certas medicações, por exemplo.

Quais são as consequências do ato de vomitar?

Se a pessoa que vomita estiver dormindo ou desacordada, o principal perigo do vômito4 é que o seu conteúdo seja aspirado para a árvore brônquica34, causando uma pneumonia35 química, sempre muito grave, já que o ácido gástrico36 pode digerir o tecido37 pulmonar. Em situações normais, os reflexos de engasgo e da tosse impedem que isso aconteça.

O vômito4 repetido ou profuso traz para o esôfago10 conteúdos extremamente ácidos e por isso pode causar erosões ou pequenas lacerações na mucosa21 esofágica.

O esforço de vomitar pode causar rotura espontânea do esôfago10.

A acidez do vômito4 e das enzimas digestivas pode levar à destruição do esmalte38 dos dentes, em casos de vômitos2 repetitivos.

Vômitos2 muito intensos e continuados podem levar à desidratação39 e ao desequilíbrio hidroeletrolítico40 e requererem reposição venosa de líquidos e eletrólitos41.

ABCMED, 2012. Náuseas e vômitos: eles te incomodam?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/325850/nauseas+e+vomitos+eles+te+incomodam.htm>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
2 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
3 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
4 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
5 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
6 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
7 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
8 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
9 Regurgitação: Presença de conteúdo gástrico na cavidade oral, na ausência do reflexo de vômito. É muito freqüente em lactentes.
10 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
11 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
13 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
14 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
15 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
16 Bulimia: Ingestão compulsiva de alimentos, em geral seguida de indução do vômito ou uso abusivo de laxantes. Trata-se de uma doença psiquiátrica, que faz parte dos chamados Transtornos Alimentares, juntamente com a Anorexia Nervosa, à qual pode estar associada.
17 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
18 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
19 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
20 Aparelho digestivo: O aparelho digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
21 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
22 Faringe: Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório. Comunica-se com a boca e com as fossas nasais. É dividida em três partes: faringe superior (nasofaringe ou rinofaringe), faringe bucal (orofaringe) e faringe inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana), sendo um órgão indispensável para a circulação do ar e dos alimentos.
23 Peritonite: Inflamação do peritônio. Pode ser produzida pela entrada de bactérias através da perfuração de uma víscera (apendicite, colecistite), como complicação de uma cirurgia abdominal, por ferida penetrante no abdome ou, em algumas ocasiões, sem causa aparente. É uma doença grave que pode levar pacientes à morte.
24 Íleo paralítico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
25 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
26 Cinetose: Doença do movimento. Acomete pessoas que em determinadas condições de movimento apresentam manifestações neurovegetativas caracterizadas por tonturas, náuseas e vômitos.Está relacionada com a enxaqueca. Crianças e jovens com esse tipo de problema, geralmente, na idade adulta ou na puberdade, têm crises de enxaqueca. É causada por uma perturbação no reconhecimento do movimento feito pelo sistema vestibular, pois o corpo está parado, mas o ambiente está em movimento, gerando conflito de informações e perturbação do equilíbrio corporal.
27 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
28 Labirinto: 1. Vasta construção de passagens ou corredores que se entrecruzam de tal maneira que é difícil encontrar um meio ou um caminho de saída. 2. Anatomia: conjunto de canais e cavidades entre o tímpano e o canal auditivo, essencial para manter o equilíbrio físico do corpo. 3. Sentido figurado: coisa complicada, confusa, de difícil solução. Emaranhado, imbróglio.
29 Labirintite: Doença que pode acometer tanto o equilíbrio, quanto a parte auditiva. Os órgãos responsáveis pelo equilíbrio e pela audição estão situados no ouvido interno e se comunicam com o sistema nervoso central através dos nervos da audição e do nervo vestibular. Doenças infecciosas, inflamatórias, tumorais e alterações genéticas podem ocasionar alterações nessas estruturas anatômicas. Além da vertigem, a labirintite pode apresentar manifestações neurovegetativas - náuseas, vômitos, sudorese e alterações gastrintestinais como também estar associada a manifestações auditivas - perda de audição, sensação de ouvido cheio ou tapado e zumbido.
30 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
31 Uremia: Doença causada pelo armazenamento de uréia no organismo devido ao mal funcionamento renal. Os sintomas incluem náuseas, vômitos, perda de apetite, fraqueza e confusão mental.
32 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
33 Antieméticos: Substância que evita o vômito.
34 Árvore brônquica: A árvore brônquica é formada pelos brônquios, bronquíolos, ductos alveolares, sacos alveolares e alvéolos, e é responsável por levar o ar aspirado pelas fossas nasais até o pulmão.
35 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
36 Ácido Gástrico: Ácido clorídrico presente no SUCO GÁSTRICO.
37 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
38 Esmalte: Camada rígida, delgada e translúcida, de substância calcificada que reveste e protege a dentina da coroa do dente. É a substância mais dura do corpo e é quase que completamente composta de sais de cálcio. Ao microscópio, é composta de bastões delgados (prismas do esmalte) mantidos conectados por uma substância cimentante, e apresenta-se revestido por uma bainha de esmalte. (Tradução livre do original
39 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
40 Hidroeletrolítico: Aproximadamente 60% do peso de um adulto são representados por líquido (água e eletrólitos). O líquido corporal localiza-se em dois compartimentos, o espaço intracelular (dentro das células) e o espaço extracelular (fora das células). Os eletrólitos nos líquidos corporais são substâncias químicas ativas. Eles são cátions, que carregam cargas positivas, e ânions, que transportam cargas negativas. Os principais cátions são os íons sódio, potássio, cálcio, magnésio e hidrogênio. Os principais ânions são os íons cloreto, bicarbonato, fosfato e sulfato.
41 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.