Gostou do artigo? Compartilhe!

Confusão mental - é possível evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é confusão mental?

A confusão mental não é uma doença em si, mas uma síndrome1 que pode estar presente em várias doenças que faz com que a pessoa sinta que não pode pensar com clareza. Ela é um estado de perturbação que pode tanto estar associado ao rebaixamento do nível de consciência quanto a alterações importantes no fluxo do pensamento e no desempenho de funções cognitivas como atenção, concentração, memória e funções executivas.

A pessoa pode se sentir desorientada, não conseguir reconhecer sua localização no espaço e no tempo (não saber onde está, ou que dia é hoje, ou que horas são) e ter dificuldade para se concentrar, reconhecer pessoas de seu convívio, concluir tarefas simples ou tomar decisões. Por isso, a confusão também é conhecida como desorientação.

Em seu estado extremo, ela pode levar ao delirium2 (não ao delírio3). O delirium2 é uma síndrome1 aguda secundária a uma doença física, intoxicação medicamentosa e abstinência a hipnossedativos, álcool ou outra droga de abuso, com diminuição da consciência, desatenção e alterações na cognição4. É também o distúrbio psiquiátrico mais comum em pacientes idosos hospitalizados.

Quais são as causas da confusão mental?

A confusão mental pode ser causada tanto por alterações fisiológicas5 bastante comuns e passageiras, como por eventos patológicos e graves. Entre os fatores que contribuem para a confusão mental, destacam-se a privação do sono, infecções6, hipoglicemia7, baixa oxigenação, estresse ou ansiedade elevados, febre8, tumores encefálicos, traumatismo9 craniano, evento traumático intenso, doenças neurológicas causadoras de demência10 e uso de substâncias psicoativas.

Leia sobre "Delirium2 em idosos", "Como exercitar seu cérebro11", "Insônia", "Quando a perda de memória não é normal".

Qual é o substrato fisiológico12 da confusão mental?

O encéfalo13 humano é o órgão responsável por processar e decodificar estímulos, integrando-os e atribuindo emoções e sentimentos aos estímulos sensoriais que o indivíduo recebe. É por conta das múltiplas funções que são processadas concomitantemente em nível neuronal que o indivíduo interage com o meio e com os outros indivíduos de forma adaptativa e assertiva, permitindo um pensamento lógico e adequado.

O estado de vigília, a consciência e a preservação de funções cognitivas é o que permite ao indivíduo realizar certas tarefas, incluindo orientar-se e comunicar-se adequadamente. Porém, declínios da função cognitiva14 e alterações neurofisiológicas podem comprometer essas habilidades. É o que ocorre, por exemplo, durante o estado de confusão mental, o qual será caracterizado a seguir.

Quais são as características clínicas da confusão mental?

A confusão mental pode surgir repentinamente ou desenvolver-se gradualmente com o tempo. Alguns sinais15 de confusão incluem palavras arrastadas, com longas pausas durante a fala, fala anormal ou incoerente, falta de conhecimento da localização no tempo e no espaço, esquecimento de uma tarefa enquanto está sendo realizada e mudanças repentinas nas emoções, como agitação repentina. Uma pessoa confusa pode precisar de ajuda com coisas que antes conseguia fazer sozinha. Em alguns casos, o indivíduo pode ainda apresentar pensamentos desconexos, tendo um discurso desorganizado e ilógico, em desconexão com a realidade.

Como o médico diagnostica a confusão mental?

O diagnóstico16 de confusão mental é eminentemente17 clínico e dependente dos sinais15 e sintomas18 relatados ou exibidos pelo paciente. O diagnóstico16 do evento causador da confusão mental demanda obrigatoriamente algum exame que permita avaliar a função neurológica de forma mais específica. Existem diferentes exames neurológicos para esta finalidade, cada um voltado mais especificamente para avaliar um determinado conjunto de funções.

Como as principais alterações causadoras de confusão mental são alterações funcionais, o principal exame é o eletroencefalograma19 (EEG). Em casos raros e muito específicos, o padrão observado no EEG pode exigir um exame de ressonância magnética20 para descartar alterações estruturais do cérebro11.

Como o médico trata a confusão mental?

Não existe tratamento específico para a confusão mental. O tratamento deve ser direcionado à doença ou à condição que está precipitando o estado confusional. Se o paciente confuso estiver muito agitado, o uso de drogas para acalmá-lo e para controlar a agitação podem ser utilizadas. Em casos extremos, e que ao máximo devem ser evitados, pode ser necessário conter o paciente no leito, principalmente se o mesmo estiver sob risco de queda da cama ou tentando arrancar soros e medicações administradas por via venosa.

Como prevenir a confusão mental e o delirium2?

Procura-se evitar a confusão mental tratando de maneira adequada e o mais rapidamente possível as condições de base que podem levar a ela. Mais importante que tratar o delirium2, é tentar prevenir o seu aparecimento. Para isso, deve-se:

  • Evitar manter o paciente internado por longos períodos.
  • Controlar adequadamente a sua dor.
  • Evitar uso excessivo de medicamentos.
  • Evitar o uso prolongado de cateteres e sondas.
  • Estimular o paciente a não ficar restrito ao leito.
  • Tratar as infecções6 por ventura existentes em tempo hábil.
  • Dormir bem.
  • Medicar as febres, principalmente aquelas acima de 38,5°C, encontrando as suas causas.
  • Acompanhar adequadamente pessoas com dependência a drogas.
Veja também sobre "Alterações da consciência", "Estado de coma21", "Estado crepuscular" e "Alucinações22".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Harvard Health Publishing, da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2020. Confusão mental - é possível evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1377178/confusao-mental-e-possivel-evitar.htm>. Acesso em: 4 dez. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Delirium: Alteração aguda da consciência ou da lucidez mental, provocado por uma causa orgânica. O delirium tem causa orgânica e cessa se a causa orgânica cessar. Ele pode acontecer nos traumas cranianos, nas infecções etc. Os exemplos mais típicos são o delirium do alcoólatra crônico e o delirium febril.
3 Delírio: Delirio é uma crença sem evidência, acompanhada de uma excepcional convicção irrefutável pelo argumento lógico. Ele se dá com plena lucidez de consciência e não há fatores orgânicos.
4 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
5 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
8 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
9 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
10 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
11 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
12 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
13 Encéfalo: A parte do SISTEMA NERVOSO CENTRAL contida no CRÂNIO. O encéfalo embrionário surge do TUBO NEURAL, sendo composto de três partes principais, incluindo o PROSENCÉFALO (cérebro anterior), o MESENCÉFALO (cérebro médio) e o ROMBENCÉFALO (cérebro posterior). O encéfalo desenvolvido consiste em CÉREBRO, CEREBELO e outras estruturas do TRONCO ENCEFÁLICO (MeSH). Conjunto de órgãos do sistema nervoso central que compreende o cérebro, o cerebelo, a protuberância anular (ou ponte de Varólio) e a medula oblonga, estando todos contidos na caixa craniana e protegidos pela meninges e pelo líquido cefalorraquidiano. É a maior massa de tecido nervoso do organismo e contém bilhões de células nervosas. Seu peso médio, em um adulto, é da ordem de 1.360 g, nos homens e 1.250 g nas mulheres. Embriologicamente, corresponde ao conjunto de prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo. Seu crescimento é rápido entre o quinto ano de vida e os vinte anos. Na velhice diminui de peso. Inglês
14 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
15 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
18 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
19 Eletroencefalograma: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
20 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
21 Estado de coma: Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte.
22 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.