Atalho: 64NALA8
Gostou do artigo? Compartilhe!

Quinze sinais que apontam para a dependência às drogas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Muitos jovens passam pela experiência de experimentar drogas, o que não quer dizer que eles serão dependentes químicos. Seja por curiosidade, atração pelos riscos, prazer inicial, baixa auto-estima ou qualquer outro motivo, os jovens são mais propensos a experimentar essas substâncias. É necessário conversar claramente e não julgá-los, pois isso só dificulta a relação e o tratamento, quando necessário. 

As famílias devem ter cautela e franqueza ao conversar sobre este assunto, mas a atenção é necessária para evitar complicações futuras. Não adianta pensar que “na minha família não acontece”, pois a descoberta tardia pode ser dolorosa.

Alguns sinais1 ajudam a identificar comportamentos de pessoas que estão usando drogas. São eles:

  1. Mudanças bruscas de comportamento, perda de interesse nas atividades familiares e desrespeito frequente às regras e rotinas da família, comportamentos física ou verbalmente abusivos para com os achegados. São comuns irritabilidade, inquietação, impulsividade, insônia ou o excesso de sono (na dependência da droga utilizada).
  2. Geralmente, como parte dessa mudanças tem-se comportamentos e atitudes irresponsáveis, anteriormente incomuns, falta de cumprimento de obrigações, compromissos e horários.
  3. Falta de motivação e desleixo para com as atividades comuns às quais antes se dedicava como ler, praticar algum esporte, comparecer a festas, etc.
  4. Aumento ou diminuição súbitas do apetite, na dependência da droga que está sendo usada. Mudanças das apetências habituais para outras novas.
  5. O dependente recheia suas falas com mentiras, necessárias ou não para esconder seu vício. Mentir passa a ser um padrão comum de sua fala e são flagrantemente inconsistentes, possibilitando que as outras pessoas as detectem com facilidade.
  6. Saídas de casa extemporâneas e mal explicadas e irregularidades nos horários de retornar. É frequente que o dependente não diga onde vai ou minta sobre isso, geralmente de maneira simplória.
  7. O dependente procura ficar muito tempo sozinho e, em casa, passa longos períodos em seu quarto.
  8. É comum que as pessoas que convivem com o dependente encontrem entre seus pertences objetos denunciadores do vício: restos de cigarros, seringas, cachimbos, sementes, papeis de embalar drogas, etc.
  9. Os usuários de drogas injetáveis passam a usar camisas de mangas compridas como meio de esconder as marcas de injeções.
  10. Da mesma forma, passam a usar óculos escuros para esconder a vermelhidão dos olhos2 e as olheiras causadas pelas drogas.
  11. Queda de outro modo inexplicável do rendimento no trabalho ou no estudo e às vezes abandono dos mesmos. Começam a haver faltas injustificadas, desatenção incomum, não cumprimento dos seus deveres, recusa dos esportes e exercícios físicos.
  12. Quando a dependência é intensa e já produziu alterações significativas na personalidade, o dependente pode começar a roubar para sustentar seu vício. O primeiro sinal3 disso é o desaparecimento de objetos de valor dentro de casa, com a venda dos quais procura financiar sua dependência. Com o mesmo objetivo, passa a usar de expedientes ilícitos4 ou de “golpes”. Em casos mais graves pode chegar ao crime.
  13. É muito comum que os dependentes passem a mudar seu modo de vestir, identificando-se com seu novo grupo, e passem a usar o som de músicas muito alto em virtude de que seus sentidos se acham entorpecidos pelas drogas.
  14. É comum também que os dependentes percam o biorritmo comum às demais pessoas e passem a “trocar o dia pela noite”.
  15. Há uma troca das amizades antigas por novas, do círculo dos viciados.

Nenhuma dessas ocorrências por si só querem dizer dependência de drogas, mas o conjunto delas permite uma bem embasada suposição.

ABCMED, 2011. Quinze sinais que apontam para a dependência às drogas. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/236535/quinze-sinais-que-apontam-para-a-dependencia-as-drogas.htm>. Acesso em: 18 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
2 Olhos:
3 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
4 Ilícitos: 1. Condenados pela lei e/ou pela moral; proibidos, ilegais. 2. Qualidade dos que não são legais ou moralmente aceitáveis; ilicitude.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.