Gostou do artigo? Compartilhe!

O que você sabe sobre hipóxia?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hipóxia1?

O termo hipóxia1 é uma condição em que os tecidos não são adequadamente oxigenados, geralmente devido a uma concentração insuficiente de oxigênio no sangue2, mas também pode ser causada por uma obstrução da circulação3 em uma parte específica do corpo. As células4 cerebrais têm um elevado metabolismo5 e são responsáveis por 20% do consumo de oxigênio orgânico e por isso são, entre todas, as mais sensíveis à falta desse gás, começando a morrer menos de cinco minutos após cessar o suprimento dele. Também as células4 cardíacas têm uma alta sensibilidade à carência de oxigênio. A completa falta de oxigênio é chamada anóxia6.

Um caso especial de hipóxia1 é a hipóxia1 neonatal, resultante das dificuldades do bebê em começar a respirar.

Qual é a causa da hipóxia1?

A hipóxia1 generalizada pode ser causada por qualquer condição que impeça o oxigênio de chegar aos tecidos orgânicos em quantidades normais, como nas anemias, em que a quantidade de hemoglobina7 está diminuída, afetando a capacidade de levar oxigênio ao sangue2. Outro exemplo que gera graves consequências é o envenenamento por monóxido de carbono8, em que ele se liga aos receptores do oxigênio nos glóbulos vermelhos e o substitui. A hipóxia1 pode ainda ser causada por condições como um ataque cardíaco, em que a circulação3 do sangue2 é retardada e o oxigênio é fornecido ao corpo em quantidades insuficientes. Pessoas saudáveis também podem sofrer da hipóxia1 ao viajar para locais de altas altitudes, onde há escassez de oxigênio no ar. Estas altitudes podem gerar complicações severas e levar ao edema pulmonar9 ou cerebral, com risco de vida. Também os mergulhadores de profundidades podem sofrer hipóxia1 se seus cilindros de gás não forem preparados corretamente.

Quais são os principais sinais10 e sintomas11 da hipóxia1?

Alguns dos sintomas11 causados pela hipóxia1 devem-se a mecanismos compensatórios da falta de oxigênio e incluem aumento da frequência cardíaca, com o coração12 tentando bombear mais sangue2 para os tecidos orgânicos. A diminuição na quantidade de sangue2 oxigenado fornecida aos tecidos periféricos pode conduzir a uma cianose13 (coloração roxo-azulada) em certas áreas do corpo. A hipóxia1 também gera agitação e taquipneia14.

Como reconhecer a hipóxia1?

O relato dos eventos e circunstâncias que cercam o paciente ajuda a revelar a hipóxia1. A observação da pressão do oxigênio alveolar é a que mais facilmente identifica a causa da hipoxemia15.

Como tratar a hipóxia1?

A hipóxia1 deve ser corrigida pela administração de oxigênio ao paciente, visando elevar a pressão parcial de oxigênio no sangue2 arterial. O oxigênio pode ser administrado por meio de uma cânula nasal ou por uma máscara facial. Nos casos de inalação de fumaça ou de edema pulmonar9, pode ser usada uma máscara respiratória unidirecional em que o paciente inspira oxigênio puro. Nos casos de envenenamento por monóxido de carbono8, o paciente também pode ser colocado numa câmara hermética (que contém oxigênio puro) por cerca de cinco horas.

ABCMED, 2016. O que você sabe sobre hipóxia?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/829194/o-que-voce-sabe-sobre-hipoxia.htm>. Acesso em: 23 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
6 Anóxia: Diminuição acentuada da concentração de oxigênio a nível celular. Pode ser devido a um problema nos mecanismos respiratórios (p. ex. apnéia, edema de glote, etc) ou devido a problemas nas trocas de oxigênio a nível celular.
7 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
8 Monóxido de carbono: Gás levemente inflamável, incolor, inodoro e muito tóxico ao organismo.
9 Edema pulmonar: Acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Pode levar a dificuldades nas trocas gasosas e dificuldade respiratória.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
13 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
14 Taquipneia: Aceleração do ritmo respiratório.
15 Hipoxemia: É a insuficiência de oxigênio no sangue.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.