Gostou do artigo? Compartilhe!

O suor - Qual a importância dele para o organismo?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o suor?

O suor (do latim sudore) é a perda de líquido pela pele1, consistindo de uma solução aquosa que, além de cloreto de sódio e ureia2, contém íons3, como potássio, amônia, ácido úrico e uma pequena porção de proteínas4. Diante dessa sua composição, é possível perceber que, além de regular a temperatura do corpo, o suor é responsável por eliminar produtos tóxicos.

Ele é excretado na superfície da pele1 pelas glândulas sudoríparas5 existentes na derme6, camada média da pele1, localizadas sobretudo na palma das mãos7, planta dos pés, axilas e rosto. Os ductos dessas glândulas8 que se dirigem para o exterior, passam, portanto, pela epiderme9. Essas glândulas8 produzem o suor de acordo com o estímulo que chega até elas pelas fibras nervosas simpáticas do sistema nervoso autônomo10.

Mais apropriadamente, chama-se sudorese11 ou transpiração12 ao ato de excretar o suor. Estima-se que, em um ambiente muito quente ou em exercícios muito extenuantes, uma pessoa possa perder até três litros de suor por hora.

Leia sobre "Hipotermia13", "Hipertermia", "Sauna - benefícios e contraindicações" e "A pele1 e seus anexos14".

Quais são e como se processam as funções do suor?

Existem dois tipos de glândulas sudoríparas5, chamadas écrinas e apócrinas15. As glândulas écrinas16 são aquelas que liberam sua secreção sem que haja perda do citoplasma17 da célula18 secretora. São as mais frequentes, não sendo encontradas apenas nos lábios, leitos ungueais19 e tímpanos. Já as glândulas apócrinas20 eliminam secreção com porções do citoplasma17. Elas se concentram em determinadas zonas do corpo, como nas virilhas, peito21, região perineal22, sacrococcígea e axilas, que é o lugar onde se apresenta maior concentração delas. Elas podem se misturar com as bactérias e causar amarelamento das roupas ou manchas grosseiras na pele1.

Nos humanos, o suor é uma forma de excretar dejetos e de regular a temperatura do corpo, já que a evaporação do suor da superfície da pele1 tem um efeito refrescante. As glândulas sudoríparas5 produzem suor o tempo todo, mas quando a pessoa está em ambientes quentes, quando sente calor ao fazer exercícios ou durante um estresse a quantidade de suor produzido é aumentada, com vistas a uma maior evaporação.

A transpiração12 do suor é o principal mecanismo de perda de calor do corpo humano23 e um mecanismo essencial na regulação da temperatura do corpo. Caso a evaporação do suor seja impedida ou dificultada, de alguma maneira, quanto mais a temperatura ambiente se aproxime de 33 ºC, maior o desconforto térmico. Se a temperatura ambiente supera 33 ºC e a evaporação do suor for dificultada, a combinação pode levar à morte por hipertermia.

A evaporação do suor é que garante ao corpo alcançar temperaturas menores do que a do ambiente, dissipando o calor gerado pelo metabolismo24 corporal e garantindo manutenção da temperatura corporal interna em torno de 36 ºC. Quanto maior a taxa de evaporação do suor, mais o corpo é resfriado.

Dois fatores determinam a taxa de evaporação do suor: (1) a umidade relativa do ar e (2) a ventilação25.

Quanto menor a umidade relativa do ar, maior a taxa evaporativa do suor. Se a umidade relativa se aproximar de 100%, isto significa que a capacidade do ar de conter mais vapor do que já contém tende a ser nula, reduzindo ao mínimo a taxa de evaporação do suor e levando ao máximo o desconforto término, no caso de a temperatura ambiente se aproximar ou superar a do corpo humano23. Felizmente, na maioria dos climas da terra, a umidade relativa se aproxima de 100% apenas durante as chuvas, as quais, por si mesmo, reduzem significativamente a temperatura ambiente.

Em geral, quanto maior a temperatura ambiente, menor é a umidade relativa do ar, visto que, quanto maior a temperatura, mais o ar se expande, aumentando sua capacidade de conter vapor e, inversamente, quanto menor a temperatura, mais o ar se contrai, reduzindo sua capacidade de conter vapor.

Quanto maior a velocidade do ar que passa sobre a superfície do corpo humano23, maior a taxa de evaporação do suor. A ventilação25, por si mesma, não reduz a temperatura ambiente, ela apenas aumenta a taxa de evaporação do suor, isto é, promove o resfriamento evaporativo do corpo humano23. Ademais, a ventilação25 dissipa a umidade que se acumularia em torno do corpo humano23.

Quais são as anomalias da secreção do suor?

A quantidade do suor também pode variar entre diferentes grupos étnicos, uma vez que a quantidade de glândulas sudoríparas5 pode variar entre pessoas de diferentes etnias. Mesmo dentro de uma mesma etnia existem grandes variações individuais.

A transpiração12 excessiva que ultrapassa os limites normais é chamada de hiperidrose26 ou hiper-hidrose. O suor acumulado em certas áreas do corpo humano23, tais como pés, axilas e virilhas pode ser atacado por fungos e/ou bactérias, o que pode ocasionar odores desagradáveis.

A hiperidrose26 primária (ou diaforese27) é um distúrbio que faz as pessoas suarem excessivamente, mesmo em temperatura baixa ou em repouso. Esta doença pode ser causada por uma série de fatores, inclusive alterações da tireoide28, situações emocionais, câncer29, menopausa30 ou obesidade31. Mesmo uma pessoa saudável quanto ao resto também pode apresentar essa forma de suor excessivo, se o sistema nervoso32 envia estímulos em grande quantidade para as glândulas sudoríparas5.

Ainda que esse distúrbio não faça mal à saúde33, interfere na qualidade de vida e causa constrangimento no meio social. A hiperidrose26 representa 2% da população, mas menos de 40% dos pacientes nessa situação procuram ajuda médica. A hiperidrose26 primária atinge apenas as mãos7, pés e axilas e, muitas vezes, nenhuma causa é encontrada. Os médicos acreditam que possa ser um problema hereditário.

Já no caso de hiperidrose26 secundária, consequente a outra condição, ela atinge todo o corpo e pode ser causada por condições relacionadas a:

Denomina-se anidrose à ausência de suor, que pode ser generalizada, localizada ou assimétrica. À diminuição da secreção de suor é dita hipoidrose. Normalmente, essas condições estão associadas a dermatoses crônicas, que danificam as glândulas sudoríparas5, tais como psoríase42, dermatite43 atópica ou esclerose44 sistêmica, onde há oclusão do poro ou baixa atividade do sistema nervoso32 simpático45.

Veja também sobre "Hiperidrose26", "Simpatectomia", "Mau cheiro nas axilas" e "Disidrose".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do Hospital Israelita Albert Einstein e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2022. O suor - Qual a importância dele para o organismo?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1409200/o-suor-qual-a-importancia-dele-para-o-organismo.htm>. Acesso em: 1 out. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
3 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
5 Glândulas sudoríparas: As glândulas sudoríparas são glândulas responsáveis pela produção e transporte do suor, atuando como regulador térmico. São constituídas por um fino e longo tubo que no início se enovela, chamado corpo da glândula. O suor é composto de água, sais minerais e um pouco de ureia e é drenado pelo ducto das glândulas sudoríparas.
6 Derme: Camada interna das duas principais camadas da pele. A derme é formada por tecido conjuntivo, vasos sanguíneos, glândulas sebáceas e sudoríparas, nervos, folículos pilosos e outras estruturas. É constituída por uma fina camada superior que é a derme papilar e uma camada mais grossa, mais baixa, que é a derme reticular.
7 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
8 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
9 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
10 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
11 Sudorese: Suor excessivo
12 Transpiração: 1. Ato ou efeito de transpirar. 2. Em fisiologia, é a eliminação do suor pelas glândulas sudoríparas da pele; sudação. Ou o fluido segregado pelas glândulas sudoríparas; suor. 3. Em botânica, é a perda de água por evaporação que ocorre na superfície de uma planta, principalmente através dos estômatos, mas também pelas lenticelas e, diretamente, pelas células epidérmicas.
13 Hipotermia: Diminuição da temperatura corporal abaixo de 35ºC.Pode ser produzida por choque, infecção grave ou em estados de congelamento.
14 Anexos: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
15 Apócrinas: Em que a porção apical das células secretoras é expelida juntamente com os produtos secretórios (diz-se de tipo de secreção glandular), que produz secreção desse tipo (diz-se de glândula).
16 Glândulas Écrinas: Glândulas sudoríparas simples que secretam suor diretamente na PELE.
17 Citoplasma: A parte da célula que contém o CITOSSOL e pequenas estruturas, excluindo o NÚCLEO CELULAR, MITOCÔNDRIA e os VACÚOLOS grandes. (Tradução livre do original
18 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
19 Ungueais: Relativo ou pertencente à unha, garra ou casco, ou que a eles se assemelha.
20 Glândulas Apócrinas: Glândulas sudoríparas especializadas, grandes e ramificadas, que esvaziam seu conteúdo na porção superior do FOLÍCULO PILOSO (não diretamente na PELE).
21 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
22 Região perineal: Também conhecida como períneo, é a região que constitui a base do púbis, onde estão localizados os órgãos genitais e o ânus.
23 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
24 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
25 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
26 Hiperidrose: Excesso de suor, que costuma acometer axilas, palmas das mãos e plantas dos pés.
27 Diaforese: Sudação, transpiração intensa.
28 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
29 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
30 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
31 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
32 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
33 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
34 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
35 Acromegalia: Síndrome causada pelo aumento da secreção do hormônio de crescimento (GH e IGF-I) ,quando este aumento ocorre em idade adulta. Quando ocorre na adolescência chama-se gigantismo.
36 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
37 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
38 Medula Espinhal:
39 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
40 Feocromocitoma: São tumores originários das células cromafins do eixo simpático-adrenomedular, caracterizados pela autonomia na produção de catecolaminas, mais freqüentemente adrenalina e/ou noradrenalina. A hipertensão arterial é a manifestação clínica mais comum, acometendo mais de 90% dos pacientes, geralmente resistente ao tratamento anti-hipertensivo convencional, mas podendo responder a bloqueadores alfa-adrenérgicos, bloqueadores dos canais de cálcio e nitroprussiato de sódio. A tríade clássica do feocromocitoma, associado à hipertensão arterial, é composta por cefaléia, sudorese intensa e palpitações.
41 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
42 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
43 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
44 Esclerose: 1. Em geriatria e reumatologia, é o aumento patológico de tecido conjuntivo em um órgão, que ocorre em várias estruturas como nervos, pulmões etc., devido à inflamação crônica ou por razões desconhecidas. 2. Em anatomia botânica, é o enrijecimento das paredes celulares das plantas, por espessamento e/ou pela deposição de lignina. 3. Em fitopatologia, é o endurecimento anormal de um tecido vegetal, especialemnte da polpa dos frutos.
45 Simpático: 1. Relativo à simpatia. 2. Que agrada aos sentidos; aprazível, atraente. 3. Em fisiologia, diz-se da parte do sistema nervoso vegetativo que põe o corpo em estado de alerta e o prepara para a ação.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.